Juliette, vinho da Pericó, tem inesperado destaque pelo BBB

Juliette, vinho da Pericó, tem expressivo aumento de vendas pela homenagem indireta à sister do BBB

Saiu recentemente uma notícia na revista Adega a respeito do sucesso inesperado do vinho Juliette, da vinícola catarinense Pericó. O vinho, lançado em maio de 2020, tornou-se uma homenagem involuntária a uma das finalistas do BBB 21, realitty show da Globo que dispensa apresentações e segue sendo sucesso absoluto de audiência.

“Quem imaginou que ia surgir a Juliette? ”, diverte-se Diego Censi, CEO da Pericó, em entrevista exclusiva para ADEGA. “A gente sempre imaginou ter uma linha mais descontraída que quebra um pouco a formalidade do vinho”, diz.

Para concretizar a ideia, a vinícola contratou o artista plástico Eduardo Baruch e pediu para que ele fizesse uma obra que remetesse à Pericó. Nasceu assim em maio de 2020 a Juliette, linha com um rosé, a partir de Cabernet Sauvignon e Merlot e três espumantes: um Moscatel, um rosé brut com Cabernet Sauvignon e Merlot; e um branco brut, veja só, com Cabernet Sauvignon, Chardonnay e Merlot. Censi explicou que a prensa das uvas é superdelicada e o mosto tem o mínimo contato com a casca para não extrair a cor das uvas tintas. De cara, os vinhos, com notória vocação de linha de entrada, tiveram boa aceitação, alcançando bons números de venda no verão.

Nas palavras de Diego, “a gente escolheu o nome relacionado às nossas uvas. Plantamos cinco uvas francesas e Juliette é um nome tipicamente francês. Hoje vemos que foi uma feliz coincidência. Iniciamos a venda deste produto em agosto do ano passado e elas foram crescendo gradativamente. O produto é descontraído, tem essa imagem bonita embelezando as garrafas”, comentou.

Com o sucesso da BBB Juliette, a linha que coincidentemente leva o seu nome pulou para outro patamar. “O volume de venda quadriplicou nas últimas duas semanas e a Pericó já vem atingindo o maior faturamento de todos os tempos”, conta o CEO.

Em entrevista à coluna de Leo Dias, no site Metrópóles, Diego disse também que as vendas aumentaram especialmente no Nordeste. Segundo ele, um cliente comprou 400 garrafas de uma única vez. “Vimos um crescimento grande no e-commerce, além de pedidos do Brasil inteiro, especialmente do Nordeste. As pessoas relacionaram o vinho com a torcida e as vendas aumentaram 40% nos últimos 15 dias”, disse.

Para celebrar as boas vendas, a Vinícola Pericó enviou algumas garrafas da linha Juliette para a família da participante. Ficou curioso? Veja onde comprar para conhecer!

Pericó Juliette Rosé (Da Vinicola, R$ 79,90). Elaborado em São Joaquim, na Serra Catarinense, este rosé tem cor salmão claro, um tom inesperado para um rosé feito com as uvas Cabernet Sauvignon e Merlot. A prensagem precisou ser bem delicada para evitar uma super extração de pigmentação, resultando em um vinho leve, refrescante, com acidez equilibrada. Seu aroma lembra frutas vermelhas, como morango, e um toque floral que remete a rosas. Na boca destaca-se pela boa acidez e persistência, combinando bem com pratos à base de frutos do mar, peixes, tartare de salmão ou carne, queijos leves e frescos.

Pericó Juliette Espumante Moscatel (Da Vinicola, R$ 69,90). O Juliette Moscatel é o convidado principal da festa! De corpo leve, no nariz traz a impressão de frutas cítricas com um leve perfume de flores. Em boca é frutado, com deliciosa acidez e doçura equilibrada. Vai bem como aperitivo ou acompanhando mix de nuts, queijos, frutas cristalizadas e demais petiscos neste estilo.

Pericó Juliette Espumante Rosé Brut (Da Vinicola, R$ 69,90). O Juliette Rosé Brut é o espumante perfeito para celebrar: feito com Merlot e Cabernet Sauvignon, tem aromas delicados de frutas vermelhas frescas, bem leve e fresco em boca. Tem um agradável toque crítrico de pitanga, tudo muito equilibrado.

Pericó Juliette Espumante Brut (Pericó, R$ 78,90). Inesperado blend de Cabernet Sauvignon, Chardonnay e Merlot, duas uvas tintas na composição, que permitem um espumante brut com mais corpo, aroma e estrutura. A rápida prensagem permite que o espumante se mantenha incolor, mas absorvendo as características das uvas tintas.

Rosé Piscine, o vinho francês mais vendido no Brasil

A marca Rosé Piscine se posiciona no mercado nacional de vinhos como o francês mais vendido do país pelo terceiro ano seguido, de acordo com a Ideal Consulting, empresa de auditoria de importação especializada no segmento de bebidas e alimentos. O estudo também indica que Rosé Piscine Stripes ficou em segundo lugar no ranking geral de rosés importados, como o segundo mais vendidos do país. 

Em 2020, a marca cresceu 45% em comparação ao ano anterior, resultando em um total de 310 mil garrafas de Rosé Piscine vendidas pelo Brasil. Para 2021, a expectativa é de alcançar as 380 mil garrafas vendidas. 

Elaborado no sudoeste da França com a Negrete, se consagrou no mercado pela embalagem moderna e colorida e pela indicação de consumo com gelo – a ideia é controversa e ainda gera desconfiança entre os consumidores mais tradicionais. Polêmicas à parte, esta é uma notícia interessante, que ilustra o interesse do consumidor por bebidas mais descomplicadas, de acordo com Hildebrando Lacerda, diretor comercial da marca no Brasil:

“Somos um vinho que conversa com o público jovem e que combina com o clima brasileiro, esses fatores permitem o crescimento do Rosé Piscine no país. Somente nos últimos 2 anos vendemos mais de meio milhão de garrafas, e mais de 1 milhão nos 6 anos de Brasil.”

O sucesso foi tanto que a marca lançou uma edição especial para o mercado brasileiro – o Rosé Piscine Copacabana é um presente da França para o Brasil, em comemoração ao excelente desempenho de vendas nestes três últimos anos. Inspirado na tropicalidade brasileira, utiliza um dos cartões postais mais conhecidos no mundo para estampar sua icônica garrafa.  O famoso desenho de ondas, em pedra portuguesa preta e branca, ganhou um colorido azul, simbolizando todo charme e estilo das curvas de Copabacana.  

Para saber mais

O Rosé Piscine é um vinho descompromissado, pensado para momentos festivos e feito para beber com duas ou três pedras de gelo na taça. O sucesso foi tanto que diversos produtores adaptaram seus vinhos para o estilo – é necessário uma bebida mais concentrada, que fique mais agradável com a diluição do gelo (se não fosse assim, a bebida ficaria aguada, perdendo suas características iniciais).

Perfeito para aqueles que gostam de drinques refrescantes, tem baixa graduação alcoólica e sugestão de consumo entre 6 e 8 graus (2 a 3 pedras de gelo são suficientes para manter a bebida gelada e refrescante). Destaca-se pelos aromas levemente frutados, com notas de frutas como pêssego, morango e algo de lichia.

Onde comprar:

  • ROSÉ PISCINE COPACABANA (Rosé Piscine, R$ 114,40) Idealizado por Jacques Tranier nas praias de Saint-Tropez, na Côte d’Azur e produzido na Região Sud Ouest da França. A marca faz uma homenagem ao Brasil com uma EDIÇÃO LIMITADA com uma garrafa que alude às curvas da “princesinha do mar”, para comemorar o sucesso como o vinho rosé francês mais vendido no Brasil pelo terceiro ano consecutivo. O famoso desenho de ondas, em pedra portuguesa preta e branca, ganhou um colorido azul na garrafa do vinho Rosé Piscine.
  • ROSÉ PISCINE STRIPES (Rosé Piscine, R$ 135,85) Lançado em 2004, o Rosé Piscine é produzido a partir da Negrette, uva autóctone do sudoeste da França. Com aromas frutados e maior concentração de açúcar, é perfeito para consumo com gelo.
  • ROSÉ PISCINE FREEZ (Rosé Piscine, R$ 181,00) Rosé Piscine na versão espumante, também idealizado para consumo com gelo. Refrescante e festivo, o Rosé Piscine Freez é ideal como aperitivo.
  • SEA SUN ROSE BY ROSE PISCINE (Rosé Piscine, R$ 113,00). Versão mais acessível da marca, é feito com Negrette e Gamay, em um estilo mais leve e menos concentrado. Ideal para beber bem gelado ou com gelo, como o Rosé Piscine.
  • BAG IN BOX (BIB) ROSÉ PISCINE 3L (Rosé Piscine, R$ 390,72) A versão em Bag in Box de 3 litros é ideal para quem gosta de tomar uma taça por dia, para atender restaurantes e eventos – equivale a 4 garrafas de 750ml, saindo em média R$ 97,50 a garrafa.

Chegou a hora de celebrar a Malbec!

#MalbecWorldDay, uma celebração global

O Malbec World Day é uma iniciativa global criada pela Wines of Argentina com objetivo de posicionar o Malbec argentino no mundo e celebrar o sucesso da indústria vitivinícola nacional. Esta celebração conta com o apoio de diversos setores governamentais na Argentina e teve boa adesão mundo afora.

Há aproximadamente 20 anos o Malbec argentino surgiu no radar mundial e passou a ser um dos vinhos preferidos dos winelovers. E com uma particularidade: o Malbec cativou primeiro os consumidores ocasionais, aqueles que ainda não tinham encontrado um vinho que os apaixonasse, já que o estilo fácil, amigável da Malbec não exigia experiência para apreciar seus sabores fáceis de entender. Os consumidores apenas sabiam que o Malbec lhes agradava, e ponto.

E assim, o Malbec argentino seduziu paladares em todas as partes do mundo – atualmente é considerado um dos tintos mais  cosmopolitas, ocupando o mesmo pódio que o Cabernet Sauvignon ou o Merlot, tendo a Argentina como o seu principal produtor.

Malbec Wine Day

Celebrado pela primeira vez em 17 de abril de 2011, o Malbec Wine Day conseguiu se posicionar como um acontecimento histórico na promoção do vinho no mundo e hoje forma parte do calendário de festejos de alcance internacional. Ano após ano realiza-se desde a Wines of Argentina uma profusa agenda de atividades nos principais mercados, que se somam aos eventos organizados pelas representações argentinas no exterior e iniciativas independentes que posicionam o Malbec no centro de um brinde mundial.

Por que o Dia Mundial do Malbec se celebra em 17 de abril?

Encontramos a origem do Malbec no sudoeste da França. Ali, esta cepa era cultivada e com ela se elaboravam vinhos denominados “de Cahors”, devido ao nome da região, reconhecidos desde os tempos do Império Romano. Estes vinhos foram consolidados na Idade Média e acabaram de se fortalecer na modernidade.

O dia 17 de abril de 1853 marca a fundação da primeira Quinta Agronômica da Argentina, com a intenção de adaptar variedades francesas aos solos de Mendoza. A data é o símbolo da transformação da vitivinicultura argentina e o ponto de partida para o desenvolvimento do Malbec, emblema do país para o mundo.

Todo ano eles preparam um site com bastante informação sobre a data, vale conferir. Neste ano é possível testar seus conhecimentos sobre a Malbec em um quiz super interativo, com informações ricas e bastante visuais. Vale conferir aqui, em Malbec Wine Day:

Opções de Malbec para conhecer e degustar:

A Evino traz boas opções de Malbec com valores bem acessíveis. Gosto destes três abaixo, em estilos dos mais variados:

  • El Molino Malbec 2020 (Evino, de R$57,90 por R$34,80): El Molino tem todas as características que se espera do Malbec Argentino: muita fruta, taninos arredondados e aromas persistentes. Aromas de frutas maduras como ameixa e cereja. Paladar macio, taninos redondos e final longo, com boa persistência. Acompanha bem churrasco e lasanha à bolonhesa, por exemplo.
  • Ecusson des Roches Malbec Cahors D.O. 2016 (Evino, de R$99,90 por R$64,90): De acordo com a Jéssica Marinzeck, sommelière da Evino, o Ecusson des Roches é um vinho marcante, potente e encorpado. Aromas de Frutas vermelhas e pretas maduras, com toque de pimenta. Paladar denso, generoso, com taninos bem integrados e acidez notável, uma opção legal para conhecer o estilo de Cahors. Vai bem com risoto de cogumelos, picanha na brasa e embutidos em geral
  • Punta Negra Wines of Belhara Malbec 2019(Evino, de R$62,90 por R$44,90): Mais uma opção legal da Evino – tradição é o nome e sobrenome de Punta Negra. Elaborado nos solos do Valle de Uco, em Mendoza, é um Malbec como tem que ser: potente e com taninos mais marcados, mas muito equilibrados. Na hora de harmonizar, o clássico é a pedida certa: carnes vermelhas na brasa. 10 meses em tanques de cimento e barricas de carvalho. Vale destacar que ganhou 91 pontos no importante Guia Descorchados de 2021
  • San Telmo Malbec (Vivavinho, de R$ 59,90 por R$ 45,90): Vinho que é a cara da Argentina, a começar pelo rótulo super temático. No nariz tem os aromas clássicos de ameixas maduras e frutas vermelhas, violeta e baunilha. Na boca é sedoso, bem estruturado, com taninos maduros e delicioso frescor. Passa 9 meses em barricas de carvalho francês de 2ª e 3ª usos, que confere mais elegância ao vinho.
  • Trivento Reserve White Malbec (Lara Wines, R$ 55,90): Este Malbec chama muita atenção por ser a versão vinificada em branco desta uva que é tão coinhecida pelos tintos potentes e intensos. Uma invenção curiosa, que vale conhecer. Destaque para o nariz que traz leve aroma de frutas vermelhas (em especial morango) e floral. Em boca, se mantém leve, com boa fruta e acidez super refrescante. Este video aqui é bem curtinho e explica bem o estilo e como ele é feito!
  • Vinecol Orgânico Red Puro Malbec (Lara Wines, de R$ 69,90 por R$ 48,90): Apresenta todas as características que se espera de um bom Malbec: aromas de frutas vermelhas, pimenta negra, chocolate e café. Bem balanceado com taninos integrados pela passagem de 08 meses em barricas de carvalho. Mas o destaque mesmo fica pela certificação Orgânico Brasil, que atesta o comprometimento com todas as etapas para alcançar a classificação de vinho orgânico. Vale conhecer
  • Anubis Malbec (Pão de Açúcar, de 89,99 R$ por R$ 59,99). Super preço para um vinho feito pela Susana Balbo, uma das grandes enólogas da Argentina e considerada uma das mulher mais influente do mundo dos vinhos. Seu nome Anubis é uma homenagem ao Deus Egípcio das Bebidas e Gastronomia. Um belo exemplar de Malbec puro, com os aromas de frutas vermelhas e notas doces proivenientes da breve passagem por carvalho.
  • Escorihuela Familia Gascon Malbec Rosé 2020 (Grand Cru, de R$ 105,90 por R$ 84,72) Delicado do início ao fim, este rosé de Malbec destaca-se pelos aromas de frutas vermelhas frescas e flores brancas. Paladar com ótima estrutura e frescor, final longo e persistente para um rosé.
  • Circus Malbec 2020 (Grand Cru, de R$ 78,90 por R$ 63,12): Os vinhos da linha Circus procuram expressar da maneira mais pura o terroir mendocino de onde vieram, sem deixar de lado todas as características que fazem deles típicos exemplares do novo mundo. Um vinho marcante e agradável, sendo uma boa opção para um jantar sem compromisso!
  • Ruca Malen Aimé Malbec 2018 (La Pastina, de R$ 61,00 por R$ 54,90): Fundada em 1998 por Jean Pierre Thibaud e Jacques Louis de Montalembert, empreendedores experientes no mundo do vinho, Ruca Malen foi logo reconhecida por dois elementos básicos: a qualidade de seus vinhos e seu espírito pioneiro. Busca também mostrar a elegância do terroir argentino de uma forma ampla e distinta. Aimé é uma linha jovem que revela na taça sabores macios e muito perfume. Ótimo exemplar de Malbec jovem e frutado.

Torres, a marca de vinho mais admirada do Mundo pela Drinks International

A Familia Torres foi eleita a marca de vinho mais admirada do mundo (‘The World’s Most Admired Wine Brand’) por profissionais do setor, de acordo com o ranking publicado pela revista Drinks International, responsável pela tradicional avaliação. A centenária vinícola familiar de Penedès, na Espanha, conquistou a primeira posição pela quinta vez ao longo das onze edições deste prestigioso ranking global e continua encabeçando a lista dedicada às vinícolas européias (‘Most Admired Wine Brand in Europe’).

A classificação para o ranking é obtida a partir de uma pesquisa com mais de 200 especialistas em vinhos de todo o mundo, incluindo sommeliers, compradores de vinho, atacadistas, proprietários de bares, escritores de vinhos, educadores e outros especialistas em vinho. O questionário solicita indicação espontânea de cinco marcas de vinho que mais admiram, levando em consideração aspectos como a qualidade e consistência do vinho, a relação preço-qualidade e a força da marca. O mais legal do ranking é exatamente esta amplitude de pesquisa, que leva em consideração diversos perfis de consumidores, não somente sommeliers ou equipe técnica do setor.

Entre os elogios que Familia Torres recebeu do júri, a revista britânica destaca o comentário que qualifica a vinícola como “uma referência internacional indiscutível” ou que explica que “Familia Torres continua a produzir uma gama de vinhos de qualidade em diferentes níveis, combinando o melhor da tradição e da modernidade.” Não poderia estar mais de acordo.

Vista dos vinhedos da vinícola, na região da Catalunha

A matéria também cita alguns dos marcos alcançados pela Familia Torres em 2020, como o 150º aniversário da vinícola e o cumprimento da meta de reduzir as emissões de carbono em 30% em todo o seu escopo desde 2008, enquanto já avançam com o objetivo de ter um impacto positivo no clima em 2050.

“The Most Admire Wine Brands 2021 coloca os holofotes sobre os enólogos mais icônicos, emocionantes e inovadores do mundo.”

O editor da Drinks International, Martin Green, observa: “The Most Admire Wine Brands 2021 coloca os holofotes sobre os enólogos mais icônicos, emocionantes e inovadores do mundo.” Ele acrescenta: “Ganhar um lugar nesta lista de prestígio é uma grande conquista. Existem milhares de marcas de vinhos a competir por atenção em todo o mundo, mas apenas 50 marcas de prestígio conseguiram entrar no ranking ”.

Segundo Miguel Torres Maczassek, CEO e membro da quinta geração da Família Torres, “este é um grande reconhecimento para a nossa família e para toda a equipe. Ter sido eleita a marca de vinhos mais admirada do mundo pela quinta vez em 11 anos enche-nos de orgulho e satisfação, e claro que é um enorme reconhecimento pelo extraordinário trabalho, dedicação e atenção à qualidade e excelência da nossa equipe, distribuidores e familiares”.

O ranking completo está disponível aqui, e é possível baixar a versão em PDF aqui: Drinks International 2021

Confira também o video no Youtube e abaixo o ranking completo de 2021:

Confira os classificados em 2021:

RankingBrandCountry
1Familia TorresSpain
2CatenaArgentina
3Vega SiciliaSpain
4HenschkeAustralia
5Concha y ToroChile
6PenfoldsAustralia
7Domaine de la Romanée-ContiFrance
8CVNESpain
9AntinoriItaly
10Château MusarLebanon
11E. GuigalFrance
12Château LafiteFrance
13ErrazurizChile
14Felton RoadNew Zealand
15Villa MariaNew Zealand
16YalumbaAustralia
17PlanetaItaly
18Château Cheval BlancFrance
19M. ChapoutierFrance
20Château d’YquemFrance
21RidgeUSA
22SymingtonPortugal
23Château PetrusFrance
24FrescobaldiItaly
25Château PalmerFrance
26GajaItaly
27MontesChile
28Cono SurChile
29Jackson Family WinesUSA
30Craggy RangeNew Zealand
31Château MargauxFrance
32Campo ViejoSpain
33Château Haut-BrionFrance
34NederburgSouth Africa
35Château Mouton-RothschildFrance
36Bruce JackSouth Africa
37Bodegas AbadalSpain
38EsporãoPortugal
39Gallo Family VineyardsUSA
40SassicaiaItaly
41Louis LatourFrance
42McGuiganAustralia
43Ramón BilbaoSpain
44Oyster BayNew Zealand
45Royal TokajiHungary
46BeringerUSA
47Raventós CordoníuSpain
48Santa RitaChile
49TignanelloItaly
50La Rioja AltaSpain

Os achados do Club des Sommeliers

Um dos posts mais acessados aqui no blog é este aqui, a respeito do Club des Sommeliers. Também, pudera: a linha de vinhos exclusiva do Pão de Açúcar é um sucesso absoluto desde seu lançamento. Percebi que o post foi escrito – pasmem – em 2013 e acredito que mereça uma atualização.

É preciso deixar o preconceito de lado para conhecer a linha Club des Sommeliers. A marca, exclusiva do Grupo Pão de Açúcar, conta com mais de 90 rótulos de 11 países diferentes –  a seleção, proveniente das melhores regiões vinícolas do mundo, é feita por um time de especialistas em vinho, liderado por Carlos Cabral, um dos mais importantes enófilo do Brasil. Lançada em 2000, tem como objetivo oferecer a preços acessíveis vinhos bem conhecidos dos principais países produtores, como França, Itália, Portugal, Chile e Argentina. São vinhos para serem degustados no dia a dia e também em ocasiões mais especiais, celebrando os melhores momentos da vida. 

Tamanha diversidade permite aos iniciantes conhecer e degustar vinhos do mundo inteiro com ótimo custo-benefício, resultado da equação de bons produtores e melhores negociações comerciais. Mesmo aqueles que já estão habituados a tomar vinho podem se surpreender com boas opções para o dia-a-dia.

Os rótulos da marca são fáceis e ajudam os consumidores a entender as informações rapidamente, que é a principal dificuldade para aqueles que precisam escolher entre tantas opções nas gondolas. Cada vinho traz uma imagem-ícone de seu país e informações sobre a uva utilizada na sua elaboração, além de dicas de harmonização e da taça mais adequada para o serviço. Uma informação importante está no contra-rótulo, que traz o nome do produtor daquele vinho. É comum encontrar produtores bem conhecidos responsáveis por alguns dos vinhos do Club des Sommeliers, o que só agrega valor a marca. Recentemente os rótulos passaram por uma reformulação e estão super modernos, acompanhando as principais tendências mundo afora.

Todas as iniciativas rumo à popularização da cultura do vinho no Brasil são válidas e merecem destaque. Da próxima vez que for a uma das lojas do Extra ou Pão de Açúcar, leve uma garrafa para degustar! Precisa de ajuda? Confira o que considero os principais destaques da linha:

Espumantes e frisantes:

  • CLUB DES SOMMELIERS Frisante tinto – Brasil, Serra Gaucha (Adega Pão de Açúcar, de R$ 32,99 por R$ 23,09):  Ideal para quem gosta deste estilo de espumante, com menos borbulhas, pouca graduação alcoólica e certa doçura no paladar. Elaborado no Brasil pela vinícola Aurora, tem aromas frutados, bem refrescante e suave em boca. Consumir bem gelado, como apertivo ou petiscos diversos.
  • CLUB DES SOMMELIERS 20 Anos Cabral – Brasil, Serra Gaucha (Adega Pão de Açúcar, de R$ 66,99 por R$ 53,59): O Brasil tem enorme vocação para elaboração de espumantes, isto já não é novidade. Este espumante é uma edição especial e apresenta bem o potencial do país para borbulhas com mais corpo e estrutura. Feito com Pinot Noir, tem boa perlagem e destaca-se pelos aromas frescos com toque de ervas aromáticas. Paladar com excelente estrutura, boa cremosidade, mostrando-se bastante equilibrado e refrescante. Ideal para momentos além do brindem acompanhando com maestria pratos diversos como Paella, espaguete alla marinara, yakissoba, sashimi, frango ao curry e filé de salmão.
  • CLUB DES SOMMELIERS Moscatel – Brasil, Serra Gaucha (Adega Pão de Açúcar, de R$ 32,49 por R$ 25,99): Prata da casa, este aqui é figurinha carimbada em diversas sugestões do blog. Feito pela Salton, na Serra Gaucha, apresenta aromas de frutas cítricas, pêssego e algo de damasco e notas florais. Bem delicado em boca, tem doçura e acidez na medida certa. Ótimo exemplar da uva Moscato. Vai bem como aperitivo ou acompanhando tortas, saladas de fruta e sorvetes
  • CLUB DES SOMMELIERS Vibrant Brut – Brasil, Rio Grande do Sul (Adega Pão de Açúcar, de R$ 44,99 por R$ 35,99). Espumante brut feito pela Salton com as uvas Chardonnay, Prosecco e Trebbiano, tem aromas de frutas cítricas, maçã verde e notas tostadas. Fresco e agradável no paladar, vai bem com canapés, queijos suaves, peixes e frutos do mar diversos.
  • CLUB DES SOMMELIERS Vibrant Demi Sec – Brasil, Rio Grande do Sul (Adega Pão de Açúcar, de R$ 44,99 por R$ 35,99). Espumante Demi Sec feito pela Salton com as uvas Chardonnay, Prosecco e Trebbiano, tem aromas de frutas cítricas, damasco, maçã verde e notas tostadas. Fresco e agradável no paladar, tem um toque mais adocicado do que a versão Brut descrito acima.

Brancos:

  • CLUB DES SOMMELIERS Riesling Reserva – Chile, Valle de Maule (Adega Pão de Açúcar, de R$ 69,99 por R$ 48,99): Elaborado pela Viña Carta Vieja, uma das grandes vinícolas do Chile, é um bom achado desta uva que é uma das preferidas dos sommeliers. Ótima oportunidade para conhecer este exemplar de uva branca, que destaca-se pelos aromas complexos de flores de frutas como lima, maçã verde e lichia. Apresenta acidez equilibrada, frescor e persistência no paladar. Indicado para servir com frutos do mar, aves e queijos delicados.
  • CLUB DES SOMMELIERS Vinho Verde – Portugal, Vinho Verde (Adega Pão de Açúcar, de R$ 59,99 por R$ 41,99): Leve e delicado como é de se esperar deste estilo, tem aromas frutados, com destaque para os cítricos e frutas de polpa branca, como pêra e pêssego. Paladar frutado, fresco, harmonioso e ligeiramente frisante. Ideal para aperitivo, pratos leves a base de peixe e queijos frescos.
  • CLUB DES SOMMELIERS Xarello – Espanha, Penedés (Adega Pão de Açúcar, de R$ 79,99 por R$ 55,99). Difícil encontrar um branco elaborado com a uva Xarello, mais conhecida na composição dos Cavas, traduicionais espumantes espanhóis. Uma grata surpresa este branco, que se destaca pelos aromas cítricos e paladar fresco, com acidez na medida certa. Vai bem com uma infinidade de pratos, como arroz de pescado, crustáceos, saladas de arroz, mariscos, moluscos, massas com molho de tomate, pescado branco, pescados com molho e pizzas.

Tintos:

  • CLUB DES SOMMELIERS NEGROAMARO Puglia IGT – Itália, Puglia (Adega Pão de Açúcar, de R$ 59,99 por R$ 41,99): Elaborado na ensolarada região da Puglia, é feito com a ainda pouco conhecida uva Negroamaro, com aromas distintos que lembram especiarias e alcatrão. Bem versátil para harmonização, acompanha bem pizzas, massas diversas e carnes em geral.
  • CLUB DES SOMMELIERS Cabernet Sauvignon Reserva – Chile, Valle de Maule (Adega Pão de Açúcar, de R$ 69,99 por R$ 48,99): Clássico Cabernet Sauvignon do Chile, tem aromas frutados maduros com notas de baunilha, tabaco e café. Paladar equilibrado, com taninos e acidez bem balanceados. Excelente para acompanhar assados de carne vermelha, cozidos em geral e massas com molhos vermelho e funghi.
  • CLUB DES SOMMELIERS Cabernet Sauvignon – Chile, Valle de Maule (Adega Pão de Açúcar, de R$ 44,99 por R$ 31,49): Versão mais simples e frutada do anterior, destaca-se pelos aromas de frutas vermelhas frescas e nota de especiarias doces, típicos da casta. Boa opção para dia-a-dia e para acompanhar pratos simples do cotidiano.
  • CLUB DES SOMMELIERS Malbec Reserva – Chile, Valle de Maule (Adega Pão de Açúcar, de R$ 69,99 por R$ 48,99). Feito no chile com a uva Malbec, segue o estilo dos similares argentinos. Aromas frutados com destaque para cerejas maduras, com notas de especiarias doces. Encorpado no paladar, tem boa estrutura, taninos macios e algo de tostado no final. Vai bem com massas com molho condimentado, churrasco, carnes grelhadas e assadas.
  • CLUB DES SOMMELIERS Regional Tejo – Portugal, Lisboa (Adega Pão de Açúcar, de R$ 59,99 por R$ 41,99): Gosto de ver a evolução dos vinhos portugueses nas gôndolas dos supermercados. Feito com uvas típicas da região, tem aromas predominantes de frutas vermelhas, um toque de especiarias e grãos torrados. Frutado, macio, bem estruturado e harmonioso no paladar. 
  • CLUB DES SOMMELIERS Regional Alentejano – Portugal, Alentejo (Adega Pão de Açúcar, de R$ 69,99 por R$ 48,99): Típico tinto alentejano, destaca-se pelos aromas de frutas vermelhas e notas tostadas. Paladar macio e equilibrado, tem ótima acidez. Acompanha bem pratos mediterrâneos à base de azeite e vegetais, culinária indiana, chinesa e queijos macios.
  • CLUB DES SOMMELIERS Roble Malbec – Argentina, Mendoza (Adega Pão de Açúcar, de R$ 69,99 por R$ 48,99). Elaborado com a uva típica da Argentina pela gigante Peñaflor, agrada quem gosta de vinhos com passagem por barricas. Destaca-se pelos aromas doces de frutas maduras como amora e ameixa e notas de baunilha, provenientes do carvalho. Ideal com pratos étnicos, carne grelhada, massas com molhos condimentados e cozidos com toques picantes.
  • CLUB DES SOMMELIERS Suave Cabernet Franc – Brasil, Serra Gaucha (Adega Pão de Açúcar, de R$ 27,99 por R$ 16,79). Opção para quem está se aventurando do vinho de mesa para os classificados como “vinho fino”, feitos com outras variedades de uvas. Este aqui é feito pela Vinícola Aurora com a uva Cabernet Franc, tem baixa graduação alcoólica e açúcar residual, que deixa o vinho com certa doçura no paladar, mas sem ser enjoativo. Agrada quem gosta de vinhos leves, sem aquela sensação adstringente dos taninos típicos dos tintos.
  • CLUB DES SOMMELIERS Selection Pinot Noir – Argentina, Vale do Uco (Adega Pão de Açúcar, de R$ 99,99 por R$ 69,99). Difícil encontrar Pinot Noir bem feito a preços convidativos – uva delicada, é necessário certa experiência no manejo e locais mais frios para crescer com as características que se espera desta uva. Este aqui surpreende pelos aromas doces de frutas maduras, como amora e ameixa, e notas de baunilha. Na boca é agradável, com boa acidez e algo de frutas vermelhas no final de boca. Vai bem com pratos mais leves, como um roastbeef fresquinho, por exemplo.

Sobremesas:

  • Porto CLUB DES SOMMELIERS Tawny  – Portugal, Douro (Adega Pão de Açúcar, de R$ 89,99 por R$ 62,99): Elaborado em Portugal pela Casa Manoel D. Poças Junior, é feito com um blend de uvas tintas e segue o método de elaboração típico dos vinhos do Porto Tawny. Ideal como vinho de sobremesa ou, se servido ligeiramente fresco, como aperitivo. Acompanha na perfeição queijos, pastelaria variada, frutos secos ou doces. 

Garrafas magnuns:

  • CLUB DES SOMMELIERS Sauvignon Blanc 1500ml  – Chile, Valle Central (Adega Pão de Açúcar, de R$ 59,99 por R$ 41,99): Ótima opção para fazer bonito em um grupo maior de convidados. Sauvignon Blanc típico do Chile, com aromas cítricos, fresco e leve no paladar. Vai bem como aperitivo, entradas leves e frescas e pratos à base de peixes e molhos delicados.
  • CLUB DES SOMMELIERS Carménère 1500ml – Chile, Valle Central (Adega Pão de Açúcar, de R$ 74,99 por R$ 52,49). Garrafa bonita e chamativa, tem o equivalente a duas garrafas de vinho e impressiona os convidados. Carménère chileno bem elaborado, tem aromas de frutas vermelhas frescas, paladar macio e redondo.

10 vinhos abaixo de 80,00 para a Páscoa

Ao que tudo indica, este ano a Páscoa seguirá diferente – a orientação permanece sendo para ficar em casa. Sim, fique em casa na sexta-feira Santa e até no domingo de Páscoa – não precisamos dar sorte ao azar. Vamos aproveitar o momento para nos conectar com o que é importante – e ficar juntos, mesmo que, fisicamente, seja à distância.

Por que não preparar uma receita especial e enviar com uma garrafa de vinho para os familiares mais próximos? Além de ser simbólico nesta data religiosa, o almoço de Páscoa pode ficar ainda mais saboroso e acolhedor graças à combinação do vinho certo com as receitas típicas da ocasião. A escolha do vinho deve levar em consideração os estilos que evidenciem e valorizem o sabor desses alimentos.

bacalhau, estrela do cardápio, é um peixe de sabor intenso e a combinação perfeita com o vinho dependerá muito da maneira como será preparado. Nas receitas com leite de coco ou cremes, os brancos são mais indicados, especialmente os Chardonnays encorpados e com passagem por carvalho. Quando assado com legumes, os tintos de corpo médio são ideais, já que seus taninos sutis não conflitam com o salgado do peixe.

Caso prefira peixes mais delicados, como o salmão, opte pelos vinhos rosados ou tintos leves, especialmente Pinot Noir. Já o linguado pode ser acompanhado por brancos de uvas Sauvignon Blanc ou até mesmo espumantes como os Bruts nacionais ou Prosecco.

Além do bacalhau, na Páscoa brilham também os chocolates e patisserie, como as colombas. Nesse caso, os vinhos do Porto são imbatíveis, com doçura e álcool na medida certa para valorizar o sabor do doce mais amado do mundo. Brancos doces ou espumantes acompanham muito bem os doces leves e fecham com maestria uma refeição gostosa e afetiva, como um abraço de vó.

Confira uma seleção garimpada com o que há de melhor nesta faixa de preço para acompanhar estas delícias de Páscoa:

Para começar a refeição:

Wave Rosato IGT (Vivavinho, de R$ 69,90 por R$ 49,90) Rosé italiano elaborado com as uvas Nerello Mascale e Syrah, é super leve e refrescante, ideal para abrir o almoço de Páscoa. Vai bem com os petiscos diversos que pede a ocasião.

Vila Nova Vinho Verde (Vivavinho, de R$ 89,90 por R$ 69,90) Vinho verde é um clássico para a Páscoa. Há diversos estilos, para todos os bolsos e ocasiões – os mais caros, elaborados com a uva Alvarinho, são ótimos para acompanhar pratos com bacalhau. Para começar a refeição, este aqui é mais leve e versátil: elaborado com as uvas Arinto, Avesso, Loureiro, é fresco, com notas de frutas cítricas, florais e acidez bem presente.

Manto Blanco Viognier (Carrefour, R$ 38,50) Vinho chileno da completa Luis Felipe Edwards, é elaborado com a Viognier – uva branca com um pouco mais de corpo e estrutura e aromas delicados de damasco, pêssego e flores. Bem legal para começar a refeição

Para acompanhar o bacalhau:

Morgado de silgueiros branco (Mambo, R$ 54,90) Branco interessante de Portugal, é um blend de Encruzado e Malvasia-Fina, uvas típicas do Dão. Na boca é fresco, equilibrado, com boa estrutura e persistência. Um coringa de ótimo custo benefício que recomendo sempre que possível.

Morgado De Silgueiros Tinto (La Pastina, de R$ 66,00 por R$ 56,10) Aqui também cabe esta versão, para os que não abrem mão de vinhos tintos na refeição – elaborado com castas tradicionais portuguesas, cultivadas no coração do Dão, em Silgueiros. Surpreende por seu equilíbrio, frescor e taninos redondos, que não conflitam com o salgado do prato.

Cono Sur Bicicleta Reserva Chardonnay (La Pastina, R$ 69,00) Um clássico do Chile dentro da categoria de bom custo-benefício. A bicicleta simboliza para a vinícola Cono Sur o espírito da bravura de seus colaboradores, que a utilizam para chegar até a vinícola. Ela também faz menção à agricultura sustentável (sem fertilizantes químicos e emissão de carbono) que utilizam para condução do vinhedo. Chardonnay com boa tipicidade, tem aromas de frutas tropicais, como abacaxi, e uma nota amanteigada típica da casta.

Casillero del Diablo Pedro Jimenez (Pão de Açúcar, R$ 79,99) Este aqui é um achado, muito interessante dentro desta faixa de preço. A Pedro Jimenez é uma uva que vem ganhando espaço no Chile, e é uma alegria encontrar esta variedade amplamente distribuída pela Concha y Toro. Um vinho que se destaca pelos aromas cítricos, bem fresco, que remete a limão. Paladar de corpo médio, com ótima acidez e este finalzinho cítrico encontrado no nariz. Maravilhoso para pescados e frutos do mar.

Para fechar o almoço:

Mancura Etnia Moscato (Grand Cru, R$ 52,90) Aqui um docinho do Chile pra alegrar a vida e fechar a refeição feliz. Leve, delicado e muito perfumado, com doçura na medida para não enjoar.

Norton Cosecha Tardia Tinto (St. Marche, R$ 65,00). Fugindo do tradicional vinho do Porto, este tinto doce é elaborado com a uva Merlot colhidas além da sua maturação. Aromas típicos da Merlot, como frutas vermelhas maduras e algo de geléia. Baixa graduação alcoólica pode beber mais fresco.

Espumante  CLUB DES SOMMELIERS Moscatel (Pão de Açúcar, R$ 32,49) Espumante da linha Club des Sommeliers, é elaborado pela Salton com a uva Moscatel – estilo de espumante doce, leve e refrescante, um hit no Brasil. Aromas delicados de flores brancas, frutas cítricas e uma nota de pêssego. Muito gostoso para abrir ou fechar o almoço de família

As otimistas projeções do vinho para 2021

O ano de 2020 foi atípico em todos os sentidos. No mundo do vinho não foi diferente, e ao contrário de outros segmentos que sofreram com a pandemia, assistimos de perto um aumento considerável do consumo dentro do lar. O vinho foi definitivamente a bebida da quarentena – resta agora acompanhar se os novos hábitos de consumo vieram para ficar.

Neste sentido, quais serão os destaques nas prateleiras no ano que se inicia? Pesquisando diversas fontes do setor, listei aqui o que aparece como tendência de consumo para o ano e onde encontrar opções interessantes e acessíveis para experimentar:

O site Neofeed aponta dez tendências do mundo do vinho, em conversa com diversos especialistas do setor. A Susana Barelli, jornalista especializada no segmento e colunista da publicação (conhece muito do mercado, aliás), conduziu a matéria na qual destaco as seguintes tendências (você confere a matéria completa aqui!

Vinho Nacional – De acordo com eles (e eu concordo), o preconceito com o vinho brasileiro deve diminuir. O dólar alto levou os consumidores a comprarem os brancos e tintos nacionais. Ao provarem a bebida, foram surpreendidos pela boa qualidade. “Existe uma abertura maior do consumidor para o vinho nacional. Ele pode chegar ao nacional pelo preço, mas gosta do que prova”, diz Felipe Galtaroça, da Ideal Consulting, uma das fontes consultadas para a matéria.

Para conhecer este ano: Miolo Seleção Chardonnay & Viognier, Brasil – Armazém Nacional, R$ 29,90

Vinhos baratos da Argentina – Crescerá a importação dos vinhos baratos da Argentina. Ao contrário do Chile, com os seus vinhos básicos, a Argentina sempre priorizou a sua exportação para os vinhos de valor acima dos US$ 20 a caixa de 9 litros para o Brasil. No segundo semestre de 2020, houve uma mudança deste foco. Em 2019, os vinhos com preço FOB (sem os impostos) de até US$ 19,90 a caixa de 9 litros representavam 29% das exportações do país para o Brasil. No entanto, até outubro de 2020, essas exportações representam 43% do total, de acordo com os dados da Ideal.

Para conhecer este ano: Viña De Los Andes Malbec 2020, Argentina – Evino, R$ 34,90

Embalagens alternativas – As embalagens de formato alternativo, como as latas e o bag in box, ganham espaço. No Brasil, a bag in box ainda depende da volta de funcionamento dos restaurantes, porque seu consumo é maior com o vinho em taça nesses estabelecimentos. Na Europa e nos Estados Unidos, esse consumo cresce até por uma preocupação com uma embalagem mais sustentável. “As latas, que fazem sucesso principalmente nos Estados Unidos, encontraram fidelidade nos jovens consumidores e vêm ganhando força por aqui”, diz Rico Azeredo, da ProWine.

Para conhecer este ano: Becas Sparkling Fun Rosé 297ml, Brasil – Meu Vinho, R$ 13,90

Comunicação direta com as vinícolas – As vinícolas vão criar relacionamentos diretos mais duradouros com suas bases de clientes. Com a pandemia, essas empresas foram obrigadas a investir nos seus canais online e estão descobrindo que não precisam de intermediários para ter acesso aos consumidores. Devem explorar esse canal não apenas com promoções de venda, mas para engajar seus consumidores.

Para conhecer este ano: 22 Pinot Noir Rosé, Brasil – Vinho 22, R$ 65,00 – Projeto da Lidio Carraro com foco em público jovem – venda direta ao consumidor, sem intermediários

Degustações Virtuais – O jornal A Gazeta também fez suas previsões aqui, das quais destaco a permanência de degustações virtuais, que se mostraram muito eficientes na aproximação entre enófilos, sommeliers e produtores do mundo todo. Estes encontros foram bem aceitos e se mostraram uma excelente opção para quem está fora dos grandes centros urbanos e com pouco acesso a degustações e eventos presenciais.

Para conhecer este ano: Curso Online: Bordeaux (Certificado Eno) – Eno Cultura, R$ 120,00

Já entre as publicações internacionais, a inglesa Drink Business elaborou uma lista de 10 tendências para observarmos em 2021 – entre as também citadas projeções de vinhos em lata e bag in box, destaco o rosé novamente em evidência, ganhando espaço com as parcerias entre celebridades e produtores de vinhos:

Rosés de celebridades – Os rosés continuam a aproveitar seu momento ao sol e celebridades experientes estão se agarrando a seu poder de atração, cientes da capacidade do rosé de vender um estilo de vida ambicioso de forma semelhante à fragrância. Com Brad Pitt e Angelina Jolie lançando a tendência do “celebrity rosé” em 2011, quando compraram o Château Miraval em Côtes de Provence, diversas celebridades seguiram o mesmo caminho. A lista vai longe e inclui atrizes e cantoras como Sarah Jessica Parker, Kylie Minogue, passando também pela ala masculina com Jon Bon Jovi e seu vinho Hampton Water, e mais recentemente, o rapper americano Post Malone e seu Maison No. 9, que se tornou um sucesso instantâneo de vendas nos Estados Unidos.

Para conhecer este ano: Hampton Water, vinho do Jon Bon Jovi – Get Wine, R$ 259,50 – O preço foge da proposta, mas vale para conhecer. Além deste, está disponível também no Brasil o Château Miraval da Angelina Jolie e Brad Pitt (RIP casal lindo), que custa R$ 382,00 na World Wine.

Vinhos laranjas no Instagram – A Forbes também fez suas projeções aqui citando, entre outras que já foram mencionadas neste post, o crescimento dos vinhos laranjas, impulsionados principalmente por influencers no Instagram. Os vinhos laranjas tem uma longa trajetória, tendo sido feitos na Geórgia nos últimos 2.000 anos, conforme relatado no The Guardian. Em geral são feitos com uvas brancas, porém adquirem um acoloração mais alaranjada devido a um período maior de maceração com a casca – quanto maior o tempo de contato, mais intensa é a cor. Ajuda em sua popularidade o fato de ser altamente instagramável, mas o estilo é realmente muito interessante – trata-se de vinhos para servir em temperaturas mais altas do que as dos brancos simples, em alguns casos ficam ainda melhores após decantação e acompanham bem carnes vermelhas, especialmente cordeiro.

Para conhecer este ano: Macerao Laranja, Chile – Sup. Marche, R$ 69,90. Um dos achados para descobrir a categoria – simples e gostoso, bem interessante para conhecer o estilo

Vinho Verde Wine Experience 2020

Vinho Verde Wine Experience acontece em São Paulo, em um evento híbrido com toda a segurança, trazendo os melhores rótulos da região

Promovido pela Comissão dos Vinhos Verdes, Vinho Verde Wine Experience acontece amanhã em São Paulo no espaço Skyhall, com toda segurança e muitos destaques da região para público interessado.

No ano que a região demarcada  dos vinhos verdes completa 112 anos , o evento propõe uma experiência única ao público com degustações de mais de 100 rótulos de vinhos, uma programação de Speed Tasting que traz temas de relevância ao mercado consumidor, com presença de palestrantes de alto nível como Suzana Barelli (colunista de vinhos do Caderno Paladar do jornal o Estado de São Paulo), Fabio Freitas (profissional da área e consultor de vinhos)  e Gonçalo Rowett,  representante da CVRVV.  Será um formato menor do que ano anterior devido a situação atual, mas com os principais conteúdos e garantindo a segurança dos visitantes, seguindo todos os protocolos de saúde.

Vinho Verde Wine Experience este ano, de uma forma muito especial, acontece com objetivo de trazer um portfólio selecionado de Vinhos Verdes da região noroeste portuguesa, entre alvarinhos, monocastas, brancos, rosés, tintos e espumantes para quem quer apreciar bons vinhos, com algum conhecimento ou desejo de o aprofundar. 

Desta edição daquele que é o maior evento de Vinhos Verdes do Brasil fazem parte mais de 100 variedades de vinhos de produtores, e até alguns rótulos que ainda não estão disponíveis no mercado brasileiro.

“O Vinho Verde é único no mundo. A frescura vibrante, a elegância, a estrutura, a expressão aromática e gustativa, com destaque para as suas notas frutadas e florais, são as características que definem e diferenciam o Vinho Verde”.Informações – programação

Confira a programação do evento e participe!

Vinícolas participantes:   

1 AB Valley Wines

2    Adega de Monção

3    Adega Ponte de Lima

4    Adega Ponte da Barca

5    Aveleda

6    Campelo

7    Provam

8    Quinta da Calçada

9    Quinta da Lixa

10  Quinta das Arcas

11  Sogrape

12  Valados de Melgaço

13  Vercoope

14  Vinhos Norte  

Speed Tasting – programação

“Speed Tasting – Vinhos leves e frescos” –  Suzana Barelli

1 slot – 16h30 as 18h30

2 slot – 19h as 21h

3 slot – 21h30 as 23h30

“Speed Tasting – Vinhos intensos, complexos e estruturados” – Fabio Freitas

1 slot – 16h30 as 18h30

2 slot – 19h as 21h

3 slot – 21h30 as 23h30

“Speed Tasting – Há um Verde para cada momento” – Gonçalo Rowett

1 slot – 16h30 as 18h30

2 slot – 19h as 21h

3 slot – 21h30 as 23h30

Endereço do evento:

Skyhall – Av. Juscelino Kubitschek, 1327 Vila Nova da Conceição

Ingressos:

Ingressos: R$ 50

Onde comprar: www.vinhoverdewineexperience.com.br

O ingresso dá acesso:

  • 1 taça oficial
  • Provas livres com os melhores produtores da conceituada Região dos Vinhos Verdes
  • 3 speed tastings
  • Finger foods

International Sherry Week uma semana inteira para celebrar Jerez!

Celebrada desde 2014, a International Sherry Week acontece de 2 a 8 de novembro com uma agenda repleta de eventos

Em sua 7ª edição, a Semana Internacional do Jerez reunirá uma vibrante comunidade de amantes dos vinhos de Jerez em uma miríade de eventos inspiradores, que acontecem tanto online quanto de forma presencial em mais de 30 países.

Durante esta celebração única, que ocorre entre os dias 02 e 08 de Novembro, os diferentes estilos de Jerez são apresentados por meio de degustações, harmonizações, palestras, masterclas e outros eventos organizados por bares, restaurantes e importadores em todo o mundo.

E você, sabe o que é um Jerez? De forma bem generalista, podemos dizer que o Jerez é vinho fortificado produzido no sul da Espanha com uma variedade típica de lá, a palomino fino, e que passa por envelhecimento em barricas de carvalho, usando uma mistura de várias safras na sua elaboração. Pode parecer simples, mas não é bem assim.

O Jerez é também um vinho de muitos estilos, com certas particularidades em sua elaboração que definem cada um dos tipos – trata-se de uma bebida com muita história, versátil para harmonização e uma opção a mais para você que curte vinhos e quer ampliar o repertório – para aqueles que já conhecem, fica o convite para manter o consumo.

Pois tanta diversidade de estilos, cores e sabores acabam por afugentar quem está começando neste universo – o preço no Brasil também desanima o consumidor iniciante, e por estas razões inicitivas como esta de promoção da bebida merecem divulgação.

Em linhas gerais, temos os seguintes estilos e famílias de Jerez:

Secos – Manzanilla, Fino, Amontillado, Oloroso, Palo Cortado são opções de Jerez secos. O tipo Fino são vinhos pálidos, leves, delicados e refrescantes e os Oloroso, mais estruturados, complexos, intensos e saborosos. Na taça são fáceis de identificar, um é branco e outro mais escuro, tom de âmbar.

Doces – Pale Cream, Medium, Cream, Moscatel e Pedro Ximenez.

No estilo Fino, ocorre um fenômeno tipicamente associado ao local, que é a formação, dentro dos barris, de uma película na superfície do líquido que o protege contra a oxidação.

Essa película protetora é uma espécie de véu de leveduras naturais que se forma na superfície da bebida em condições muito específicas e é chamada de véu de flor. No estilo Fino, esse véu garante ao vinho Jerez seus tons claros, aromas delicados e um paladar mais seco e refinado. O estilo Manzanilla tem características bem semelhantes ao Fino mas é produzido apenas na cidade de Sanlúcar de Barrameda, ao noroeste de Jerez de la Fronteira

Tanto o Fino quanto o Manzanilla são mais delicados e recomenda-se consumir rapidamente após aberto. Ideais para beber mais gelado, abrindo a refeição, ou combinando perfeitamente com as entradas típicas da cozinha espanhola como as tapas, azeitonas, anchovas, gazpacho, jamón e até mesmo com comida japonesa como sashimis e temakis, peixes e frutos do mar.

Já o Oloroso, por apresentar mais álcool, não acontece o fenômeno do véu de flor e o vinho fica exposto à oxidação. Por conta disso, possui uma coloração bastante intensa e um sabor mais marcante, ideal para acompanhar pratos mais condimentados. Destaca-se pelos aromas de avelã, nozes e amêndoa, assim como damasco e figo. É uma deliciosa opção para servir com pratos mais pesados como cassarolas e ensopados de carne, e, principalmente, rabada. Indica-se que seja servido em torno de 12° e 14°C.

Além dos estilos de Jerez mencionados anteriormente, temos também o Amontillado, um intermediário entre eles. Esse estilo é produzido inicialmente como um Fino, mas permanecem em barricas por um tempo maior. Com isso, o teor de álcool vai aumentando e o véu de flor vai diminuindo, permitindo um processo gradual de oxidação ao vinho. É uma ótima opção para servir com pratos agridoce e queijos mais maduros.

Por fim, temos o Pedro Ximenez, um Jerez doce, bem escuro e denso que leva o nome da uva Pedro Ximenez, uma uva branca de pele muito fina deixada para secar ao sol, concentrando seus sabores, aromas e açúcares. Com notas florais e aromas de mel e frutas secas, é bastante encorpado e escuro, muito versátil, sendo a opção ideal para servir com sobremesas a base de frutas e até sorvetes, à temperatura de 10° e 12°C.

E agora? Como faço para participar das atividades?

Até o momento são mais de 40 eventos registrados no Brasil. A agenda completa de degustações, eventos online e menus harmonizados você encontra aqui, no site oficial do evento. Os sites Loucos por Jerez e Provinho estão com uma programação bem detalhada de atividades, assim como a Vejinha SP que divulga alguns dos eventos imperdíveis nos bares da cidade.

Onde comprar Jerez?

Diversas lojas e importadoras estão com condições diferenciadas para a semana do Jerez. Confira algumas opções, vale o investimento:

Um clássico do mercado, Tio Pepe é um dos vinhos espanhóis mais exportados do País. Produzido pela tradicional Gonzalez Byass, é fermentado em tanques de aço inoxidável e segue para amadurecimento em tonéis de carvalho sob o sistema de “criaderas y solera” durante cerca de 4 anos. Está em promoção na Casa das Bebidas, a garrafa de 750ml sai R$ 149,90

Outro clássico da Gonzalez Byass, o Solera 1847 Jerez Dulce é elaborado com 75% de Palomino Fino e 25% de Pedro Ximénez, amadurecendo 8 anos no sistema de solera. Destaca-se pela coloração âmbar brilhante e aromas de frutos secos e em compota, figos, notas florais e de especiarias doces. Surpreende pelo bom equilíbrio entre acidez e doçura, nada enjoativo. Disponível na Casa da Bebida, R$ 149,90 a garrafa de 750ml

A Zahil é uma das importadoras mais atuantes durante esta semana – o sommelier Bernardo Pinto é grande entusiasta e um dos embaixadores da bebida, promovendo diversas atividades Brasil afora. Os rótulos do portfolio estão com 15% de desconto, entre eles o Hijos de Rainera Perez Marin/La Guita – La Guita – 375 ml, que sai de R$ 109,00 por R$ 92,65.

A Belle Cave importa com exclusividade os vinhos da Sánchez Romate, uma das poucas bodegas que permanecem até hoje em mãos de proprietários Jerezanos. Jerez Fino de envelhecimento prolongado, superior a 8 anos, sacados de uma solera de apenas 15 barricas e engarrafado “en rama”, com o mínimo de estabilização e sem filtração. Muito interessante. Custa R$ 177,00 no site da importadora.

Opção interessante da Portus Cale, o Xeco Fino tem uma proposta mais informal – como todos os Finos, vai bem com uma infinidade de petiscos, mas aqui fica como opção para sexta-feira à noite no sofá, pizza, Netflix na televisão e um Fino gelado à mão. Beba gelado, seja diretamente em um copo de vinho ou misturado com uma tônica ou limonada de boa qualidade. Custa R$ 160,00 no site da importadora

Lolea, Sangría ícone da Espanha

Sangria é uma das mais populares e tradicionais bebidas da Espanha. Presente em diversas cidades, faz parte da história e do turismo no país, principalmente nos dias quentes de verão – leve e refrescante, é sinônimo de praia, sol e tardes agradáveis nos bares locais.

Cada família na Espanha tem sua própria receita de sangria, uma mistura de frutas cítricas com gelo, açúcar e vinho tinto ou branco, neste caso conhecido como Clarea.

Gosto muito de sangría e costumo prepara-la com amigos naqueles dias em que se quer beber sem pressa, de forma despretenciosa, com petiscos variados. Para minha surpresa, existe no mercado uma opção já pronta, que além de deliciosa, vem com uma proposta super jovem, moderna, em impecável apresentação.

Lolea Sangría pertence ao Zamora Group, uma empresa familiar fundada em 1945 responsável pela produção e distribuição de diverso produtores, entre eles Ramón Bilbao, Cruz de Alba e Mar de Frades, além de marcas consagradas como Licor43 e Villa Massa.

A marca é importada e distribuída no Brasil pela Cantu e é possível encontrar 3 dos rótulos por aqui. O Lolea tinto nº 1 e o Lolea branco nº 2 estão disponíveis em diversos pontos de venda e vale a pena manter o Lolea Rosé nº 5 no radar para provar quando possível, já que é uma edição limitada e devido a alta procura, é preciso aguardar novo lote. Além de deliciosa, a garrafa é linda e pode ser reaproveitada posteriormente – fica bem legal com água gelada ou como vaso de flor!

Conheça as opções:

LOLEA Nº1

Sangría artesanal feita com Tempranillo e Cabernet Sauvignon, suco natural de laranja e limão e um toque de canela.

Fica perfeita servida em copo alto ou taça com com bastante gelo, frutas cítricas, pêssegos ou morangos. Adicione manjericão para um sabor deliciosamente surpreendente.

Onde encontrar: Vivavinho, de R$ 149,90 por R$ 119,90

LOLEA Nº2

Sangría artesanal feita com Macabeo e Chardonnay de alta qualidade, suco natural de laranja e limão e um toque de baunilha.

Fica perfeita servida em copo alto ou taça com com bastante gelo, frutas cítricas, abacaxi ou morangos. Adicione hortelã para um sabor deliciosamente surpreendente.

Onde encontrar: Vivavinho, de R$ 149,90 por R$ 119,90

LOLEA Nº5 – edição limitada

Espumante refrescante, com uma bela coloração e um toque de hibisco e gengibre, resultando em um delicado e surpreendente toque flora. Sirva bem gelado, ou como base para deliciosos coquetéis. Fique atento para não perder a chance de provar quando vier a próxima edição!

Vale uma visita no site https://lolea.com/, onde é possível encontrar muita informação e imagens lindas para referência!

Conheça também o Casa Lolea, bar de tapas da marca que fica em Barcelona: