Branco Neozelandês versão nano

ImageProxy

Olha que legal esta novidade importada com exclusividade pela Mistral! Recebi o informativo dobre o Sileni Nano, um lançamento que vem fazendo grande sucesso nas marinas da Nova Zelândia. Trata-se do já consagrado Sileni Cellar Selection Sauvignon Blanc embalado em uma pequena garrafa PET de 187 ml, que vem com um prático copo acoplado na tampa. A ideia é oferecer um vinho de alta qualidade que possa ser tomado em lugares onde taças de vidro não podem ser usadas, tais como piscinas, praias, barcos e piqueniques. A garrafa utiliza tecnologia de última geração, que confere uma longevidade muito mais longa que uma PET tradicional. Outra vantagem é que a garrafa é leve e muito fácil de transportar – uma ótima opção para levar em viagens.

Eu já conheço bem este vinho, que  caracteriza-se por ser fresco, jovem e aromático, praticamente um exemplar ideal do que um bom Sauvignon Blanc neozelandês deve ser. O copo de plástico é útil em locais onde você não pode usar uma taça de cristal ou vidro. Mas se você for tomá-lo em casa, o vinho fica muito melhor em uma taça apropriada, mostrando todo seu aroma e suas melhores características.

Aproveite o preço promocional de R$ 10,67, vale super a pena!

  • Sileni Estates Nano Sauvignon Blanc “Colheita” 2014″ – 187ml (Mistral, R$ 10,67 – dólar a 0,99)

 

Vinho do dia | PradoRey Verdejo Sauvignon Blanc

O Real Sitio de Ventosilla pertenceu à família real espanhola por muitos anos, quando acolhia os reis ibéricos para a caça ou simples repouso. Com 3.000 hectares totais e 520 de vinhedos na mais nobre região vinícola do país, a Ribera del Duero, dá vida aos soberbos vinhos PradoRey.

As características climáticas continentais da área, aliadas aos pobres solos calcários, conferem às uvas um incrível equilíbrio de fruta-frescor-tanicidade e uma concentração de sabores fabulosa. A vinícola realmente se empenha em entregar vinhos surpreendentes e característicos, em todas as faixas de preço.

Exemplo disso é o Pradorey Verdejo-Sauvignon Blanc da linha de entrada, a Classic. Elaborado na região de Rueda com 50% Verdejo e 50% Sauvignon Blanc, tem coloração dourada delicada e cristalina. No nariz destaca-se pelos aromas de fruta cítrica e tropical, anis e ervas frescas. No paladar é equilibrado, com a acidez a trazer graça e agradável persistência. Perfeito para aperitivar com mariscos, arroz com polvo, tapas diversas e peixes brancos assados com ervas. Uma delícia!

Vinho do dia | Urban Uco Sauvignon Blanc

Foto
  • Urban Uco Sauvignon Blanc, Argentina (Imp. Vinci, R$ 45,32)

Este Sauvignon Blanc foi um dos primeiros que realmente me fez gostar desta uva. Ficou ainda melhor depois que tive a chance de conhecer a vinícola, um dos projetos mais impressionantes neste vasto universo do vinho.

Elaborado pela já citada O.Fournier, vinícola fundada em 2000 e, apesar de recente, já considerada uma das melhores do país. Os vinhedos ficam na região de La Consulta, no Valle de Uco, uma das mais promissoras regiões vinícolas da argentina. A linha Urban representa a modernidade na elaboração, com vinhos frutados, frescos e fáceis de beber. Um estilo que atende os consumidores urbanos e sofisticados, ou seja, um vinho democrático, para todos.

Urban Uco Sauvignon Blanc é fresco, vivo e cheios de frutas cítricas. Fica perfeito com peixes grelhados, frutos do mar, carnes brancas e massas leves.

Imagem da vinícola, próxima a cordilheira dos Andes

Para não errar nos queijos e vinhos

cheesewine_01A relação entre queijos e vinhos é uma das mais saborosas na gastronomia e é por isso que combiná-los é sempre um momento especial. Os dois elementos variam de acordo com o terroir onde são produzidos, o que abre um universo de possibilidades de harmonizações. Mas por onde começar?

O primeiro passo é agrupar os queijos por afinidade de sabor, o que facilita bastante a escolha dos vinhos. Os queijos mais comuns são os tipos frescos (derivados do leite de cabra), os queijos de casca branca (como Brie e Camembert), os queijos duros (Parmesão e Grana Padano) e os deliciosos queijos azuis, de sabor acentuado (Gorgonzola e Roquefort).

Para facilitar, confira aqui três combinações saborosas de queijos e vinhos para escolher e preparar no próximo encontro entre amigos nestes dias frios de inverno:

sophenia

Queijos Frescos

Os queijos frescos se caracterizam pela suavidade e grande concentração de acidez. Neste grupo estão, por exemplo, os queijos de cabra, a ricota e o feta, queijos leves e ideais para acompanhar os frescos brancos feitos com a Sauvignon Blanc, como este interessante Sophenia 2 Torrontés/Sauvignon Blanc. Elaborado na Argentina pela Finca Sophenia, tem também a aromática uva Torrontés em sua composição. Fresco e equilibrado, fica perfeito com queijos leves em dias mais quentes:

  • Sophenia 2 Torrontes Sauvignon Blanc (Via Vini, R$ 50,00)

 

primitivo

Queijos Duros

Os queijos curados, típicos da gastronomia italiana, são companheiros inseparáveis das nossas deliciosas macarronadas de domingo. De maturação mais acentuada e textura granulada, como o Parmesão e o Grana Padano, ficam ainda melhores com tintos mais encorpados. O Vivi Primitivo é um tinto italiano de médio corpo, com aromas e sabores frutados e breve passagem por barricas, o que confere um certo toque tostado ao vinho.

 

tabali

Queijos Azuis

De produção mais elaborada, os queijos azuis têm textura úmida, um leve sabor amargo e alto teor de sal – características que podem conflitar com os taninos dos tintos. A clássica parceria com queijos azuis, entre eles o Roquefort e o Gorgonzola, é contrapor o salgado com vinhos doces, como os de colheita tardia. O delicioso Tabalí Late Harvest 2011 (375ml) tem agradáveis aromas de mel e frutas brancas maduras e sua doçura intensa faz o contraste ideal de sabores.

  • Tabalí Late Harvest Muscat 2011 (375ml) (World Wine, R$ 35,00)

 

Cono Sur, uma das vinícolas mais admiradas do mundo

cono-sur-bicicleta

A Cono Sur foi eleita a segunda marca de vinhos mais admirada da América do Sul

A chilena  Cono Sur foi eleita novamente a segunda vinícola mais admirada da América do Sul pela revista britânica Drinks International, reconhecida pelo seu prestigioso ranking que destaca as marcas de vinhos mais valorizadas do mundo. Mais de 200 profissionais do vinho selecionaram a vinícol, destacando a qualidade de seus vinhos e seu posicionamento premium e inovador.

Tamanho recomencimento é mais do que merecido. Fundada em 1993 e com vinhedos plantados em diversas regiões do Chile, foi pioneira na viticultura sustentável e uma das primeiras a levar a Pinot Noir a sério.

Partindo da linha de entrada Bicicleta, Cono Sur é uma das fontes mais confiáveis de vinhos bons e baratos no Chile. Merece destaque também a linha Reserva Especial, composta por vinhos elaborados com uvas que representam o melhor de cada região chilena, a exemplo dos Sauvignon Blanc e Pinot Noir do Vale de Casablanca e do Carmenére do Vale de Cachapoal.

Segundo o produtor, a bicileta estampada no rótulo simboliza “o espírito e o esforço dos trabalhadores da bodega, que utilizam a bicicleta para se deslocarem pelos vinhedos, atentos a cada detalhe da plantação”. Além disso, reforça o conceito de preocupação com o meio ambiente.

Ainda não conhece a Cono Sur? Confira uma seleção de boas opções e onde encontrá-las:

CS Bicicleta Gewurztraminer

  • Cono Sur Bicicleta Gewurztraminer: Elaborado na fria região do Vale de Bío-Bío com a uva Gewürztraminer, tem aromas bem agradáveis de frutas frescas, flores e um toque de lichia. Na boca é expressivo, fresco e saboroso, ideal para acompanhar comidas agridoces, culinária chinesa e indiana.

CS Bicicleta Cabernet

  • Cono Sur Bicicleta Cabernet SauvignonBem elaborado, tem aromas de frutas pretas, como ameixa e framboesa, e um toque doce de especiarias. Elegante, ideal para carnes vermelhas e queijos mais saborosos. 

CS Bicicleta Pinot

  • Cono Sur Bicicleta Pinot Noir: Um dos destaques da linha Bicileta, tem aromas muito agradáveis de frutas frescas, como framboesa e cereja, além de boa acidez e taninos finos no paladar. Nas palavras do produtor, sexy, puro e simples, é um Pinot jovem e refrescante. Bem versátil, acompanha super bem massas com molhos leves, mariscos, peixes suaves e culinária japonesa.

CS Res Sauv.Blanc

  • Cono Sur Reserva Especial Sauvignon Blanc: Fresco e delicado, tem aromas de maçã verde e pêssegos e ótima acidez no paladar. Servir bem fresco como aperitivo ou para acompanhar saladas, mariscos, sushi e entradas leves

CS Res. Pinot Noir

  • Cono Sur Reserva Especial Pinot Noir: Elaborado no Valle de Casablanca, melhor região para esta delicada uva, tem os aromas típicos de um Pinot bem elaborado: framboesas, cerejas e morangos, com notas de café e cacau. Mais intenso que o Bicicleta, é ideal com carnes brancas, embutidos e queijos mais saborosos. Além disso, o produtor aconselha servir a uma temperatira mais baixa para ressaltar o frescor, e recomenda também servir com pratos a base de Champignon. Vale cada centavo!

Onde encontrar:

Os vinhos são importados pela La Pastina e está disponível em lojas especializadas, empórios e supermercados:

 

 

Garrafas que valem por um presente

O Dia das Mães se aproxima e vinho é sempre uma boa pedida para presentar aquelas que merecem todos os mimos nesta data especial. Confira uma seleção de rótulos que além de deliciosos, vem em garrafas pra lá de charmosas para presentear!

LA Sauvignon Blanc

L.A Jovem Sauvignon Blanc, Brasil (Luiz Argenta, R$ 53,00)  Elaborado pela vinícola brasileira Luiz Argenta na bela região de Flores da Cunha, este Sauvignon Blanc é fresco e elegante, com aromas de frutas tropicais, como o maracujá. Acompanha bem carpaccio, queijos de cabra, peixes com molhos cítricos e culinária japonesa.

LA_Shiraz

L.A. Jovem Shiraz, Brasil (Luiz Argenta, R$ 53,00) Também feito pelo produtor boutique Luiz Argenta, este tinto é elaborado com a uva Shiraz e se destaca pelo equilíbrio, com acidez e taninos bem balanceados e aromas que remetem a cereja madura e especiarias. Fica ainda melhor com risotos leves e pratos pouco condimentados.

VF Rosé

Villa Francioni Rosé, Brasil (Top Wine Brasil, R$ 52,90) Vinho rosé elaborado pela Villa Francioni, na fria São Joaquim, em Santa Catarina. A vinícola foi idealizada em 2000 com o intuito de produzir vinhos de alta qualidade, em uma região ainda pouco explorada. Este delicado rosé é um dos destaques do produtor, resultado do inusitado corte das uvas Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Sangiovese, Syrah, Petit Verdot, Pinot Noir, Merlot e Malbec. Aroma agradável de frutas e flores, lembrando romãs, e leve toque cítrico. Na boca é leve e delicado, com acidez que traz frescor e prepara o paladar.

Vinho, pizza e oi oi oi!

Um dos pratos mais simples e saborosos da gastronomia ficam ainda melhores se acompanhados com uma boa taça de vinho.  Melhor ainda se for na sexta-feira, assistindo o último capítulo da novela Avenida Brasil!  Foco total no suspense: deixe tudo devidamente preparado para devorar sua pizza favorita em largas mordidas e longos goles de tinto, enquanto finalmente descobre quem matou o Max!  Vamos às opções?

Marguerita: Sem dúvidas, umas das mais pedidas nas pizzarias de SP. De média estrutura, com sabores intensos do queijo e a boa acidez do molho de tomate, vai bem com vinhos brancos com boa acidez ou tintos mais leves, com pouca passagem por madeira. Entre os brancos, escolha os elaborados com as uvas Sauvignon Blanc ou Pinot Grigio e, caso prefira os tintos, opte pelos  italianos Bardolino e Chianti simples ou merlots do novo mundo.

Vinhos para acompanhar:

Calabresa: Pizza levemente picante e com bastante sabor, pede tintos mais encorpados. Aqui cabem os elaborados com as uvas Carmenére e Syrah, os portugueses do Alentejo ou os italianos de Montepulcianos d’Abruzzo, por exemplo.

Vinhos para acompanhar:

 

Na medida da sua vontade

As garrafas de vinho de tamanho reduzido estão ganhando mais espaço nas prateleiras dos supermercados e nas cartas de restaurantes. Muitas importadoras já estão de olho nesta tendência e começaram a trazer mais e melhores rótulos em garrafas de 187 ml e 375 ml – o suficiente para uma ou duas taças, respectivamente. Além de reduzir desperdício, as garrafas menores são uma ótima maneira de harmonizar mais tipos de vinhos com diferentes pratos ao longo da mesma refeição.

Vale lembrar apenas que o armazenamento de vinhos neste formato requer um cuidado especial. Por causa das medidas reduzidas da garrafa, o vinho tende a envelhecer mais rapidamente. Desse modo, as garrafas menores são mais adequadas para o consumo do dia a dia. Confira abaixo uma seleção de opções de bom custo-benefício e na medida certa para cada ocasião.

GARRAFAS BABY (187 ml)

  • Espumante Baby Chandon Brut Rosé, Brasil (Imigrantes Bebidas, R$ 21,49). Um clássico da Chandon em dose única, para não errar nas pequenas comemorações do dia a dia!
  • La Vieille Ferme Blanc, França (World Wine, R$ 15,00). Vinho conhecido em vários países pelo seu excelente custo-benefício, mostra toda a tipicidade dos brancos da região do Rhône: muito aromático, com boa acidez e ótima estrutura. A versão baby é uma graça, incrível para receber os amigos!
  • Tília Malbec/Syrah, Argentina (Vinci Vinhos, R$ 11,31) Combinando duas das grandes uvas tintas, este vinho é macio e saboroso, fácil de agradar. Tem mais opções disponíveis no site da importadora.
  • Leyda Reserva Pinot Noir, Chile (Grand Cru, R$ 14,00). Ótimo Pinot Noir chileno em versão mini, obra do competente produtor Vina Leyda. Aromas intensos de frutas vermelhas com um toque herbáceo, bem equilibrado.
  • Valdivieso Cabernet Sauvignon, Chile (Ravin, R$ 14,00). Boa opção para acompanhar carnes vermelhas e massas com molhos picantes, é elaborado no Chile pelo tradicional produtor Viña Valdivieso.

MEIAS GARRAFAS (375 ml)

  • Espumante Casa Valduga Brut, Brasil (Imigrantes Bebidas, R$ 29,99). Espumante elaborado com as uvas Chardonnay e Pinot Noir, é fresco, equilibrado, com aromas que lembram amêndoas e frutas tropicais.
  • Terra Andina Sauvignon Blanc, Chile (Vinci Vinhos, R$ 15,83). Ótimo branco do Chile, é elaborado com a uva Sauvignon Blanc pelo produtor Terra Andina. Fresco, leve e aromático, é ideal para acompanhar comida japonesa. Tem mais opções no site do importador.
  • Les Grands Bois Chantant, França (Grand Cru, R$ 23,00). Vinho francês da região de Bordeaux, é elaborado com Merlot, Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon e destaca-se pelos aromas de frutas maduras, couro e um toque mentolado. Tem também na versão baby (187ml).
  • Altos Las Hormigas Malbec, Argentina (Mistral, 23,34). Com aromas frutados e sabores intensos, mostra que a Malbec pode originar vinhos perfeitos para acompanhar comida. 
  • Esteva casa Ferreirinha, Portugal (Zahil, R$ 32,00). Vinho básico da Casa que é um ícone em Portugal, responsável pela produção do clássico Barca Velha. Elaborado com as uvas típicas do Douro, é rico em aromas de frutas maduras com toques florais. 

Pacto com o diabo

Por muito tempo, a linha Casillero Del Diablo, da Concha y Toro foi referência de vinhos chilenos no mercado global. Presente em mais de 120 países, com uma produção impressionante de 1,5 milhão de caixas, a lenda do Casillero começou em 1981, quando Don Melchor, fundador da vinícola, resolveu separar parte dos melhores vinhos de cada safra em uma grande adega subterrânea (Casillero em espanhol).

Não demorou muito, os vinhos começaram a desaparecer misteriosamente. Para afastar os ladrões, Don Melchor espalhou o boato que o diabo em pessoa vivia dentro da adega. O medo do tinhoso afastou os ladrões e nenhuma garrafa desapareceu novamente. Coincidência ou não, o vinho é um dos mais consumidos no Brasil e é um dos maiores representantes dos rótulos acessíveis e de constante qualidade.

Entre os brancos, destaque para o Casillero Del Diablo Sauvignon Blanc, um vinho fresco, com ótima acidez e aromas delicados de frutas cítricas e de maracujá, facilmente reconhecível.  Já entre os tintos, a sugestão fica pelo clássico Casillero Del Diablo Carmenére, que ressalta as principais característica desta uva tradicional, com coloração intensa, taninos suaves e aromas de groselha, chocolate e toques herbáceo, ótimo para acompanhar carnes vermelhas grelhadas, pratos com molhos agridoce e queijos mais fortes.

ONDE COMPRAR:

 Pão de Açúcar e principais supermercados

Nem chileno, nem argentino

Para quem procura uma alternativa aos argentinos e chilenos, os vinhos uruguaios oferecem um bom custo-benefício. A  Tannat é a uva símbolo do país, que se tornou famoso por rótulos concentrados e estruturados. Mas nem só de Tanat vive o Uruguai, que reserva boas surpresas principalmente quando falamos de Merlot, Cabernet Franc e Sauvignon Blanc.

Destaque para os rótulos da Castillo Viejo, tradicional vinícola familiar que surpreende pela qualidade de seus vinhos em diversas faixas de preço. Entre os tintos, vale a pena conhecer o Catamayor Cabernet Franc, uva que vem se destacando no país e que se diferencia pelos aromas de frutas maduras e especiarias, taninos agradáveis e ótima persistência no paladar.

Prefere os brancos? Vá de Catamayor Sauvignon Blanc, um rótulo que traz ótimo frescor e aromas herbáceos e de frutas cítricas, típicos da casta. Ideal para acompanhar queijos de cabra, peixes e frutos do mar.

ONDE COMPRAR:

 Imigrantes Bebidas e principais supermercados