Chegou a hora de celebrar a Malbec!

#MalbecWorldDay, uma celebração global

O Malbec World Day é uma iniciativa global criada pela Wines of Argentina com objetivo de posicionar o Malbec argentino no mundo e celebrar o sucesso da indústria vitivinícola nacional. Esta celebração conta com o apoio de diversos setores governamentais na Argentina e teve boa adesão mundo afora.

Há aproximadamente 20 anos o Malbec argentino surgiu no radar mundial e passou a ser um dos vinhos preferidos dos winelovers. E com uma particularidade: o Malbec cativou primeiro os consumidores ocasionais, aqueles que ainda não tinham encontrado um vinho que os apaixonasse, já que o estilo fácil, amigável da Malbec não exigia experiência para apreciar seus sabores fáceis de entender. Os consumidores apenas sabiam que o Malbec lhes agradava, e ponto.

E assim, o Malbec argentino seduziu paladares em todas as partes do mundo – atualmente é considerado um dos tintos mais  cosmopolitas, ocupando o mesmo pódio que o Cabernet Sauvignon ou o Merlot, tendo a Argentina como o seu principal produtor.

Malbec Wine Day

Celebrado pela primeira vez em 17 de abril de 2011, o Malbec Wine Day conseguiu se posicionar como um acontecimento histórico na promoção do vinho no mundo e hoje forma parte do calendário de festejos de alcance internacional. Ano após ano realiza-se desde a Wines of Argentina uma profusa agenda de atividades nos principais mercados, que se somam aos eventos organizados pelas representações argentinas no exterior e iniciativas independentes que posicionam o Malbec no centro de um brinde mundial.

Por que o Dia Mundial do Malbec se celebra em 17 de abril?

Encontramos a origem do Malbec no sudoeste da França. Ali, esta cepa era cultivada e com ela se elaboravam vinhos denominados “de Cahors”, devido ao nome da região, reconhecidos desde os tempos do Império Romano. Estes vinhos foram consolidados na Idade Média e acabaram de se fortalecer na modernidade.

O dia 17 de abril de 1853 marca a fundação da primeira Quinta Agronômica da Argentina, com a intenção de adaptar variedades francesas aos solos de Mendoza. A data é o símbolo da transformação da vitivinicultura argentina e o ponto de partida para o desenvolvimento do Malbec, emblema do país para o mundo.

Todo ano eles preparam um site com bastante informação sobre a data, vale conferir. Neste ano é possível testar seus conhecimentos sobre a Malbec em um quiz super interativo, com informações ricas e bastante visuais. Vale conferir aqui, em Malbec Wine Day:

Opções de Malbec para conhecer e degustar:

A Evino traz boas opções de Malbec com valores bem acessíveis. Gosto destes três abaixo, em estilos dos mais variados:

  • El Molino Malbec 2020 (Evino, de R$57,90 por R$34,80): El Molino tem todas as características que se espera do Malbec Argentino: muita fruta, taninos arredondados e aromas persistentes. Aromas de frutas maduras como ameixa e cereja. Paladar macio, taninos redondos e final longo, com boa persistência. Acompanha bem churrasco e lasanha à bolonhesa, por exemplo.
  • Ecusson des Roches Malbec Cahors D.O. 2016 (Evino, de R$99,90 por R$64,90): De acordo com a Jéssica Marinzeck, sommelière da Evino, o Ecusson des Roches é um vinho marcante, potente e encorpado. Aromas de Frutas vermelhas e pretas maduras, com toque de pimenta. Paladar denso, generoso, com taninos bem integrados e acidez notável, uma opção legal para conhecer o estilo de Cahors. Vai bem com risoto de cogumelos, picanha na brasa e embutidos em geral
  • Punta Negra Wines of Belhara Malbec 2019(Evino, de R$62,90 por R$44,90): Mais uma opção legal da Evino – tradição é o nome e sobrenome de Punta Negra. Elaborado nos solos do Valle de Uco, em Mendoza, é um Malbec como tem que ser: potente e com taninos mais marcados, mas muito equilibrados. Na hora de harmonizar, o clássico é a pedida certa: carnes vermelhas na brasa. 10 meses em tanques de cimento e barricas de carvalho. Vale destacar que ganhou 91 pontos no importante Guia Descorchados de 2021
  • San Telmo Malbec (Vivavinho, de R$ 59,90 por R$ 45,90): Vinho que é a cara da Argentina, a começar pelo rótulo super temático. No nariz tem os aromas clássicos de ameixas maduras e frutas vermelhas, violeta e baunilha. Na boca é sedoso, bem estruturado, com taninos maduros e delicioso frescor. Passa 9 meses em barricas de carvalho francês de 2ª e 3ª usos, que confere mais elegância ao vinho.
  • Trivento Reserve White Malbec (Lara Wines, R$ 55,90): Este Malbec chama muita atenção por ser a versão vinificada em branco desta uva que é tão coinhecida pelos tintos potentes e intensos. Uma invenção curiosa, que vale conhecer. Destaque para o nariz que traz leve aroma de frutas vermelhas (em especial morango) e floral. Em boca, se mantém leve, com boa fruta e acidez super refrescante. Este video aqui é bem curtinho e explica bem o estilo e como ele é feito!
  • Vinecol Orgânico Red Puro Malbec (Lara Wines, de R$ 69,90 por R$ 48,90): Apresenta todas as características que se espera de um bom Malbec: aromas de frutas vermelhas, pimenta negra, chocolate e café. Bem balanceado com taninos integrados pela passagem de 08 meses em barricas de carvalho. Mas o destaque mesmo fica pela certificação Orgânico Brasil, que atesta o comprometimento com todas as etapas para alcançar a classificação de vinho orgânico. Vale conhecer
  • Anubis Malbec (Pão de Açúcar, de 89,99 R$ por R$ 59,99). Super preço para um vinho feito pela Susana Balbo, uma das grandes enólogas da Argentina e considerada uma das mulher mais influente do mundo dos vinhos. Seu nome Anubis é uma homenagem ao Deus Egípcio das Bebidas e Gastronomia. Um belo exemplar de Malbec puro, com os aromas de frutas vermelhas e notas doces proivenientes da breve passagem por carvalho.
  • Escorihuela Familia Gascon Malbec Rosé 2020 (Grand Cru, de R$ 105,90 por R$ 84,72) Delicado do início ao fim, este rosé de Malbec destaca-se pelos aromas de frutas vermelhas frescas e flores brancas. Paladar com ótima estrutura e frescor, final longo e persistente para um rosé.
  • Circus Malbec 2020 (Grand Cru, de R$ 78,90 por R$ 63,12): Os vinhos da linha Circus procuram expressar da maneira mais pura o terroir mendocino de onde vieram, sem deixar de lado todas as características que fazem deles típicos exemplares do novo mundo. Um vinho marcante e agradável, sendo uma boa opção para um jantar sem compromisso!
  • Ruca Malen Aimé Malbec 2018 (La Pastina, de R$ 61,00 por R$ 54,90): Fundada em 1998 por Jean Pierre Thibaud e Jacques Louis de Montalembert, empreendedores experientes no mundo do vinho, Ruca Malen foi logo reconhecida por dois elementos básicos: a qualidade de seus vinhos e seu espírito pioneiro. Busca também mostrar a elegância do terroir argentino de uma forma ampla e distinta. Aimé é uma linha jovem que revela na taça sabores macios e muito perfume. Ótimo exemplar de Malbec jovem e frutado.

Os achados do Club des Sommeliers

Um dos posts mais acessados aqui no blog é este aqui, a respeito do Club des Sommeliers. Também, pudera: a linha de vinhos exclusiva do Pão de Açúcar é um sucesso absoluto desde seu lançamento. Percebi que o post foi escrito – pasmem – em 2013 e acredito que mereça uma atualização.

É preciso deixar o preconceito de lado para conhecer a linha Club des Sommeliers. A marca, exclusiva do Grupo Pão de Açúcar, conta com mais de 90 rótulos de 11 países diferentes –  a seleção, proveniente das melhores regiões vinícolas do mundo, é feita por um time de especialistas em vinho, liderado por Carlos Cabral, um dos mais importantes enófilo do Brasil. Lançada em 2000, tem como objetivo oferecer a preços acessíveis vinhos bem conhecidos dos principais países produtores, como França, Itália, Portugal, Chile e Argentina. São vinhos para serem degustados no dia a dia e também em ocasiões mais especiais, celebrando os melhores momentos da vida. 

Tamanha diversidade permite aos iniciantes conhecer e degustar vinhos do mundo inteiro com ótimo custo-benefício, resultado da equação de bons produtores e melhores negociações comerciais. Mesmo aqueles que já estão habituados a tomar vinho podem se surpreender com boas opções para o dia-a-dia.

Os rótulos da marca são fáceis e ajudam os consumidores a entender as informações rapidamente, que é a principal dificuldade para aqueles que precisam escolher entre tantas opções nas gondolas. Cada vinho traz uma imagem-ícone de seu país e informações sobre a uva utilizada na sua elaboração, além de dicas de harmonização e da taça mais adequada para o serviço. Uma informação importante está no contra-rótulo, que traz o nome do produtor daquele vinho. É comum encontrar produtores bem conhecidos responsáveis por alguns dos vinhos do Club des Sommeliers, o que só agrega valor a marca. Recentemente os rótulos passaram por uma reformulação e estão super modernos, acompanhando as principais tendências mundo afora.

Todas as iniciativas rumo à popularização da cultura do vinho no Brasil são válidas e merecem destaque. Da próxima vez que for a uma das lojas do Extra ou Pão de Açúcar, leve uma garrafa para degustar! Precisa de ajuda? Confira o que considero os principais destaques da linha:

Espumantes e frisantes:

  • CLUB DES SOMMELIERS Frisante tinto – Brasil, Serra Gaucha (Adega Pão de Açúcar, de R$ 32,99 por R$ 23,09):  Ideal para quem gosta deste estilo de espumante, com menos borbulhas, pouca graduação alcoólica e certa doçura no paladar. Elaborado no Brasil pela vinícola Aurora, tem aromas frutados, bem refrescante e suave em boca. Consumir bem gelado, como apertivo ou petiscos diversos.
  • CLUB DES SOMMELIERS 20 Anos Cabral – Brasil, Serra Gaucha (Adega Pão de Açúcar, de R$ 66,99 por R$ 53,59): O Brasil tem enorme vocação para elaboração de espumantes, isto já não é novidade. Este espumante é uma edição especial e apresenta bem o potencial do país para borbulhas com mais corpo e estrutura. Feito com Pinot Noir, tem boa perlagem e destaca-se pelos aromas frescos com toque de ervas aromáticas. Paladar com excelente estrutura, boa cremosidade, mostrando-se bastante equilibrado e refrescante. Ideal para momentos além do brindem acompanhando com maestria pratos diversos como Paella, espaguete alla marinara, yakissoba, sashimi, frango ao curry e filé de salmão.
  • CLUB DES SOMMELIERS Moscatel – Brasil, Serra Gaucha (Adega Pão de Açúcar, de R$ 32,49 por R$ 25,99): Prata da casa, este aqui é figurinha carimbada em diversas sugestões do blog. Feito pela Salton, na Serra Gaucha, apresenta aromas de frutas cítricas, pêssego e algo de damasco e notas florais. Bem delicado em boca, tem doçura e acidez na medida certa. Ótimo exemplar da uva Moscato. Vai bem como aperitivo ou acompanhando tortas, saladas de fruta e sorvetes
  • CLUB DES SOMMELIERS Vibrant Brut – Brasil, Rio Grande do Sul (Adega Pão de Açúcar, de R$ 44,99 por R$ 35,99). Espumante brut feito pela Salton com as uvas Chardonnay, Prosecco e Trebbiano, tem aromas de frutas cítricas, maçã verde e notas tostadas. Fresco e agradável no paladar, vai bem com canapés, queijos suaves, peixes e frutos do mar diversos.
  • CLUB DES SOMMELIERS Vibrant Demi Sec – Brasil, Rio Grande do Sul (Adega Pão de Açúcar, de R$ 44,99 por R$ 35,99). Espumante Demi Sec feito pela Salton com as uvas Chardonnay, Prosecco e Trebbiano, tem aromas de frutas cítricas, damasco, maçã verde e notas tostadas. Fresco e agradável no paladar, tem um toque mais adocicado do que a versão Brut descrito acima.

Brancos:

  • CLUB DES SOMMELIERS Riesling Reserva – Chile, Valle de Maule (Adega Pão de Açúcar, de R$ 69,99 por R$ 48,99): Elaborado pela Viña Carta Vieja, uma das grandes vinícolas do Chile, é um bom achado desta uva que é uma das preferidas dos sommeliers. Ótima oportunidade para conhecer este exemplar de uva branca, que destaca-se pelos aromas complexos de flores de frutas como lima, maçã verde e lichia. Apresenta acidez equilibrada, frescor e persistência no paladar. Indicado para servir com frutos do mar, aves e queijos delicados.
  • CLUB DES SOMMELIERS Vinho Verde – Portugal, Vinho Verde (Adega Pão de Açúcar, de R$ 59,99 por R$ 41,99): Leve e delicado como é de se esperar deste estilo, tem aromas frutados, com destaque para os cítricos e frutas de polpa branca, como pêra e pêssego. Paladar frutado, fresco, harmonioso e ligeiramente frisante. Ideal para aperitivo, pratos leves a base de peixe e queijos frescos.
  • CLUB DES SOMMELIERS Xarello – Espanha, Penedés (Adega Pão de Açúcar, de R$ 79,99 por R$ 55,99). Difícil encontrar um branco elaborado com a uva Xarello, mais conhecida na composição dos Cavas, traduicionais espumantes espanhóis. Uma grata surpresa este branco, que se destaca pelos aromas cítricos e paladar fresco, com acidez na medida certa. Vai bem com uma infinidade de pratos, como arroz de pescado, crustáceos, saladas de arroz, mariscos, moluscos, massas com molho de tomate, pescado branco, pescados com molho e pizzas.

Tintos:

  • CLUB DES SOMMELIERS NEGROAMARO Puglia IGT – Itália, Puglia (Adega Pão de Açúcar, de R$ 59,99 por R$ 41,99): Elaborado na ensolarada região da Puglia, é feito com a ainda pouco conhecida uva Negroamaro, com aromas distintos que lembram especiarias e alcatrão. Bem versátil para harmonização, acompanha bem pizzas, massas diversas e carnes em geral.
  • CLUB DES SOMMELIERS Cabernet Sauvignon Reserva – Chile, Valle de Maule (Adega Pão de Açúcar, de R$ 69,99 por R$ 48,99): Clássico Cabernet Sauvignon do Chile, tem aromas frutados maduros com notas de baunilha, tabaco e café. Paladar equilibrado, com taninos e acidez bem balanceados. Excelente para acompanhar assados de carne vermelha, cozidos em geral e massas com molhos vermelho e funghi.
  • CLUB DES SOMMELIERS Cabernet Sauvignon – Chile, Valle de Maule (Adega Pão de Açúcar, de R$ 44,99 por R$ 31,49): Versão mais simples e frutada do anterior, destaca-se pelos aromas de frutas vermelhas frescas e nota de especiarias doces, típicos da casta. Boa opção para dia-a-dia e para acompanhar pratos simples do cotidiano.
  • CLUB DES SOMMELIERS Malbec Reserva – Chile, Valle de Maule (Adega Pão de Açúcar, de R$ 69,99 por R$ 48,99). Feito no chile com a uva Malbec, segue o estilo dos similares argentinos. Aromas frutados com destaque para cerejas maduras, com notas de especiarias doces. Encorpado no paladar, tem boa estrutura, taninos macios e algo de tostado no final. Vai bem com massas com molho condimentado, churrasco, carnes grelhadas e assadas.
  • CLUB DES SOMMELIERS Regional Tejo – Portugal, Lisboa (Adega Pão de Açúcar, de R$ 59,99 por R$ 41,99): Gosto de ver a evolução dos vinhos portugueses nas gôndolas dos supermercados. Feito com uvas típicas da região, tem aromas predominantes de frutas vermelhas, um toque de especiarias e grãos torrados. Frutado, macio, bem estruturado e harmonioso no paladar. 
  • CLUB DES SOMMELIERS Regional Alentejano – Portugal, Alentejo (Adega Pão de Açúcar, de R$ 69,99 por R$ 48,99): Típico tinto alentejano, destaca-se pelos aromas de frutas vermelhas e notas tostadas. Paladar macio e equilibrado, tem ótima acidez. Acompanha bem pratos mediterrâneos à base de azeite e vegetais, culinária indiana, chinesa e queijos macios.
  • CLUB DES SOMMELIERS Roble Malbec – Argentina, Mendoza (Adega Pão de Açúcar, de R$ 69,99 por R$ 48,99). Elaborado com a uva típica da Argentina pela gigante Peñaflor, agrada quem gosta de vinhos com passagem por barricas. Destaca-se pelos aromas doces de frutas maduras como amora e ameixa e notas de baunilha, provenientes do carvalho. Ideal com pratos étnicos, carne grelhada, massas com molhos condimentados e cozidos com toques picantes.
  • CLUB DES SOMMELIERS Suave Cabernet Franc – Brasil, Serra Gaucha (Adega Pão de Açúcar, de R$ 27,99 por R$ 16,79). Opção para quem está se aventurando do vinho de mesa para os classificados como “vinho fino”, feitos com outras variedades de uvas. Este aqui é feito pela Vinícola Aurora com a uva Cabernet Franc, tem baixa graduação alcoólica e açúcar residual, que deixa o vinho com certa doçura no paladar, mas sem ser enjoativo. Agrada quem gosta de vinhos leves, sem aquela sensação adstringente dos taninos típicos dos tintos.
  • CLUB DES SOMMELIERS Selection Pinot Noir – Argentina, Vale do Uco (Adega Pão de Açúcar, de R$ 99,99 por R$ 69,99). Difícil encontrar Pinot Noir bem feito a preços convidativos – uva delicada, é necessário certa experiência no manejo e locais mais frios para crescer com as características que se espera desta uva. Este aqui surpreende pelos aromas doces de frutas maduras, como amora e ameixa, e notas de baunilha. Na boca é agradável, com boa acidez e algo de frutas vermelhas no final de boca. Vai bem com pratos mais leves, como um roastbeef fresquinho, por exemplo.

Sobremesas:

  • Porto CLUB DES SOMMELIERS Tawny  – Portugal, Douro (Adega Pão de Açúcar, de R$ 89,99 por R$ 62,99): Elaborado em Portugal pela Casa Manoel D. Poças Junior, é feito com um blend de uvas tintas e segue o método de elaboração típico dos vinhos do Porto Tawny. Ideal como vinho de sobremesa ou, se servido ligeiramente fresco, como aperitivo. Acompanha na perfeição queijos, pastelaria variada, frutos secos ou doces. 

Garrafas magnuns:

  • CLUB DES SOMMELIERS Sauvignon Blanc 1500ml  – Chile, Valle Central (Adega Pão de Açúcar, de R$ 59,99 por R$ 41,99): Ótima opção para fazer bonito em um grupo maior de convidados. Sauvignon Blanc típico do Chile, com aromas cítricos, fresco e leve no paladar. Vai bem como aperitivo, entradas leves e frescas e pratos à base de peixes e molhos delicados.
  • CLUB DES SOMMELIERS Carménère 1500ml – Chile, Valle Central (Adega Pão de Açúcar, de R$ 74,99 por R$ 52,49). Garrafa bonita e chamativa, tem o equivalente a duas garrafas de vinho e impressiona os convidados. Carménère chileno bem elaborado, tem aromas de frutas vermelhas frescas, paladar macio e redondo.

10 vinhos abaixo de 80,00 para a Páscoa

Ao que tudo indica, este ano a Páscoa seguirá diferente – a orientação permanece sendo para ficar em casa. Sim, fique em casa na sexta-feira Santa e até no domingo de Páscoa – não precisamos dar sorte ao azar. Vamos aproveitar o momento para nos conectar com o que é importante – e ficar juntos, mesmo que, fisicamente, seja à distância.

Por que não preparar uma receita especial e enviar com uma garrafa de vinho para os familiares mais próximos? Além de ser simbólico nesta data religiosa, o almoço de Páscoa pode ficar ainda mais saboroso e acolhedor graças à combinação do vinho certo com as receitas típicas da ocasião. A escolha do vinho deve levar em consideração os estilos que evidenciem e valorizem o sabor desses alimentos.

bacalhau, estrela do cardápio, é um peixe de sabor intenso e a combinação perfeita com o vinho dependerá muito da maneira como será preparado. Nas receitas com leite de coco ou cremes, os brancos são mais indicados, especialmente os Chardonnays encorpados e com passagem por carvalho. Quando assado com legumes, os tintos de corpo médio são ideais, já que seus taninos sutis não conflitam com o salgado do peixe.

Caso prefira peixes mais delicados, como o salmão, opte pelos vinhos rosados ou tintos leves, especialmente Pinot Noir. Já o linguado pode ser acompanhado por brancos de uvas Sauvignon Blanc ou até mesmo espumantes como os Bruts nacionais ou Prosecco.

Além do bacalhau, na Páscoa brilham também os chocolates e patisserie, como as colombas. Nesse caso, os vinhos do Porto são imbatíveis, com doçura e álcool na medida certa para valorizar o sabor do doce mais amado do mundo. Brancos doces ou espumantes acompanham muito bem os doces leves e fecham com maestria uma refeição gostosa e afetiva, como um abraço de vó.

Confira uma seleção garimpada com o que há de melhor nesta faixa de preço para acompanhar estas delícias de Páscoa:

Para começar a refeição:

Wave Rosato IGT (Vivavinho, de R$ 69,90 por R$ 49,90) Rosé italiano elaborado com as uvas Nerello Mascale e Syrah, é super leve e refrescante, ideal para abrir o almoço de Páscoa. Vai bem com os petiscos diversos que pede a ocasião.

Vila Nova Vinho Verde (Vivavinho, de R$ 89,90 por R$ 69,90) Vinho verde é um clássico para a Páscoa. Há diversos estilos, para todos os bolsos e ocasiões – os mais caros, elaborados com a uva Alvarinho, são ótimos para acompanhar pratos com bacalhau. Para começar a refeição, este aqui é mais leve e versátil: elaborado com as uvas Arinto, Avesso, Loureiro, é fresco, com notas de frutas cítricas, florais e acidez bem presente.

Manto Blanco Viognier (Carrefour, R$ 38,50) Vinho chileno da completa Luis Felipe Edwards, é elaborado com a Viognier – uva branca com um pouco mais de corpo e estrutura e aromas delicados de damasco, pêssego e flores. Bem legal para começar a refeição

Para acompanhar o bacalhau:

Morgado de silgueiros branco (Mambo, R$ 54,90) Branco interessante de Portugal, é um blend de Encruzado e Malvasia-Fina, uvas típicas do Dão. Na boca é fresco, equilibrado, com boa estrutura e persistência. Um coringa de ótimo custo benefício que recomendo sempre que possível.

Morgado De Silgueiros Tinto (La Pastina, de R$ 66,00 por R$ 56,10) Aqui também cabe esta versão, para os que não abrem mão de vinhos tintos na refeição – elaborado com castas tradicionais portuguesas, cultivadas no coração do Dão, em Silgueiros. Surpreende por seu equilíbrio, frescor e taninos redondos, que não conflitam com o salgado do prato.

Cono Sur Bicicleta Reserva Chardonnay (La Pastina, R$ 69,00) Um clássico do Chile dentro da categoria de bom custo-benefício. A bicicleta simboliza para a vinícola Cono Sur o espírito da bravura de seus colaboradores, que a utilizam para chegar até a vinícola. Ela também faz menção à agricultura sustentável (sem fertilizantes químicos e emissão de carbono) que utilizam para condução do vinhedo. Chardonnay com boa tipicidade, tem aromas de frutas tropicais, como abacaxi, e uma nota amanteigada típica da casta.

Casillero del Diablo Pedro Jimenez (Pão de Açúcar, R$ 79,99) Este aqui é um achado, muito interessante dentro desta faixa de preço. A Pedro Jimenez é uma uva que vem ganhando espaço no Chile, e é uma alegria encontrar esta variedade amplamente distribuída pela Concha y Toro. Um vinho que se destaca pelos aromas cítricos, bem fresco, que remete a limão. Paladar de corpo médio, com ótima acidez e este finalzinho cítrico encontrado no nariz. Maravilhoso para pescados e frutos do mar.

Para fechar o almoço:

Mancura Etnia Moscato (Grand Cru, R$ 52,90) Aqui um docinho do Chile pra alegrar a vida e fechar a refeição feliz. Leve, delicado e muito perfumado, com doçura na medida para não enjoar.

Norton Cosecha Tardia Tinto (St. Marche, R$ 65,00). Fugindo do tradicional vinho do Porto, este tinto doce é elaborado com a uva Merlot colhidas além da sua maturação. Aromas típicos da Merlot, como frutas vermelhas maduras e algo de geléia. Baixa graduação alcoólica pode beber mais fresco.

Espumante  CLUB DES SOMMELIERS Moscatel (Pão de Açúcar, R$ 32,49) Espumante da linha Club des Sommeliers, é elaborado pela Salton com a uva Moscatel – estilo de espumante doce, leve e refrescante, um hit no Brasil. Aromas delicados de flores brancas, frutas cítricas e uma nota de pêssego. Muito gostoso para abrir ou fechar o almoço de família

As otimistas projeções do vinho para 2021

O ano de 2020 foi atípico em todos os sentidos. No mundo do vinho não foi diferente, e ao contrário de outros segmentos que sofreram com a pandemia, assistimos de perto um aumento considerável do consumo dentro do lar. O vinho foi definitivamente a bebida da quarentena – resta agora acompanhar se os novos hábitos de consumo vieram para ficar.

Neste sentido, quais serão os destaques nas prateleiras no ano que se inicia? Pesquisando diversas fontes do setor, listei aqui o que aparece como tendência de consumo para o ano e onde encontrar opções interessantes e acessíveis para experimentar:

O site Neofeed aponta dez tendências do mundo do vinho, em conversa com diversos especialistas do setor. A Susana Barelli, jornalista especializada no segmento e colunista da publicação (conhece muito do mercado, aliás), conduziu a matéria na qual destaco as seguintes tendências (você confere a matéria completa aqui!

Vinho Nacional – De acordo com eles (e eu concordo), o preconceito com o vinho brasileiro deve diminuir. O dólar alto levou os consumidores a comprarem os brancos e tintos nacionais. Ao provarem a bebida, foram surpreendidos pela boa qualidade. “Existe uma abertura maior do consumidor para o vinho nacional. Ele pode chegar ao nacional pelo preço, mas gosta do que prova”, diz Felipe Galtaroça, da Ideal Consulting, uma das fontes consultadas para a matéria.

Para conhecer este ano: Miolo Seleção Chardonnay & Viognier, Brasil – Armazém Nacional, R$ 29,90

Vinhos baratos da Argentina – Crescerá a importação dos vinhos baratos da Argentina. Ao contrário do Chile, com os seus vinhos básicos, a Argentina sempre priorizou a sua exportação para os vinhos de valor acima dos US$ 20 a caixa de 9 litros para o Brasil. No segundo semestre de 2020, houve uma mudança deste foco. Em 2019, os vinhos com preço FOB (sem os impostos) de até US$ 19,90 a caixa de 9 litros representavam 29% das exportações do país para o Brasil. No entanto, até outubro de 2020, essas exportações representam 43% do total, de acordo com os dados da Ideal.

Para conhecer este ano: Viña De Los Andes Malbec 2020, Argentina – Evino, R$ 34,90

Embalagens alternativas – As embalagens de formato alternativo, como as latas e o bag in box, ganham espaço. No Brasil, a bag in box ainda depende da volta de funcionamento dos restaurantes, porque seu consumo é maior com o vinho em taça nesses estabelecimentos. Na Europa e nos Estados Unidos, esse consumo cresce até por uma preocupação com uma embalagem mais sustentável. “As latas, que fazem sucesso principalmente nos Estados Unidos, encontraram fidelidade nos jovens consumidores e vêm ganhando força por aqui”, diz Rico Azeredo, da ProWine.

Para conhecer este ano: Becas Sparkling Fun Rosé 297ml, Brasil – Meu Vinho, R$ 13,90

Comunicação direta com as vinícolas – As vinícolas vão criar relacionamentos diretos mais duradouros com suas bases de clientes. Com a pandemia, essas empresas foram obrigadas a investir nos seus canais online e estão descobrindo que não precisam de intermediários para ter acesso aos consumidores. Devem explorar esse canal não apenas com promoções de venda, mas para engajar seus consumidores.

Para conhecer este ano: 22 Pinot Noir Rosé, Brasil – Vinho 22, R$ 65,00 – Projeto da Lidio Carraro com foco em público jovem – venda direta ao consumidor, sem intermediários

Degustações Virtuais – O jornal A Gazeta também fez suas previsões aqui, das quais destaco a permanência de degustações virtuais, que se mostraram muito eficientes na aproximação entre enófilos, sommeliers e produtores do mundo todo. Estes encontros foram bem aceitos e se mostraram uma excelente opção para quem está fora dos grandes centros urbanos e com pouco acesso a degustações e eventos presenciais.

Para conhecer este ano: Curso Online: Bordeaux (Certificado Eno) – Eno Cultura, R$ 120,00

Já entre as publicações internacionais, a inglesa Drink Business elaborou uma lista de 10 tendências para observarmos em 2021 – entre as também citadas projeções de vinhos em lata e bag in box, destaco o rosé novamente em evidência, ganhando espaço com as parcerias entre celebridades e produtores de vinhos:

Rosés de celebridades – Os rosés continuam a aproveitar seu momento ao sol e celebridades experientes estão se agarrando a seu poder de atração, cientes da capacidade do rosé de vender um estilo de vida ambicioso de forma semelhante à fragrância. Com Brad Pitt e Angelina Jolie lançando a tendência do “celebrity rosé” em 2011, quando compraram o Château Miraval em Côtes de Provence, diversas celebridades seguiram o mesmo caminho. A lista vai longe e inclui atrizes e cantoras como Sarah Jessica Parker, Kylie Minogue, passando também pela ala masculina com Jon Bon Jovi e seu vinho Hampton Water, e mais recentemente, o rapper americano Post Malone e seu Maison No. 9, que se tornou um sucesso instantâneo de vendas nos Estados Unidos.

Para conhecer este ano: Hampton Water, vinho do Jon Bon Jovi – Get Wine, R$ 259,50 – O preço foge da proposta, mas vale para conhecer. Além deste, está disponível também no Brasil o Château Miraval da Angelina Jolie e Brad Pitt (RIP casal lindo), que custa R$ 382,00 na World Wine.

Vinhos laranjas no Instagram – A Forbes também fez suas projeções aqui citando, entre outras que já foram mencionadas neste post, o crescimento dos vinhos laranjas, impulsionados principalmente por influencers no Instagram. Os vinhos laranjas tem uma longa trajetória, tendo sido feitos na Geórgia nos últimos 2.000 anos, conforme relatado no The Guardian. Em geral são feitos com uvas brancas, porém adquirem um acoloração mais alaranjada devido a um período maior de maceração com a casca – quanto maior o tempo de contato, mais intensa é a cor. Ajuda em sua popularidade o fato de ser altamente instagramável, mas o estilo é realmente muito interessante – trata-se de vinhos para servir em temperaturas mais altas do que as dos brancos simples, em alguns casos ficam ainda melhores após decantação e acompanham bem carnes vermelhas, especialmente cordeiro.

Para conhecer este ano: Macerao Laranja, Chile – Sup. Marche, R$ 69,90. Um dos achados para descobrir a categoria – simples e gostoso, bem interessante para conhecer o estilo

Pão de Açúcar Adega, sua nova loja de Vinhos

Fachada_Pão de Açúcar Adega
Plataforma Pão de Açúcar Adega contempla e-commerce exclusivo com entrega em todo o Brasil, aplicativo e loja física na cidade de São Paulo

Novidade das boas para quem gosta de vinho e frequenta as lojas do Pão de Açúcar em busca de boas opções para a adega! A partir de 13 de dezembro é possível comprar vinhos e acessórios em uma plataforma pioneira e totalmente especializada em vinhos, o Pão de Açúcar Adega – formado por um e-commerce exclusivo com entrega em todo o Brasil, um aplicativo e uma loja física na Rua Augusta nº 2710. Além disso, o Viva Vinhos, programa de assinaturas da rede, estará integrado a essa novidade.

Expertise no universo dos vinhos

A relação do Pão de Açúcar com vinhos é antiga – além de ser a maior vendedora da bebida no Brasil, foi também o pioneiro em iniciativas como criar a função de atendentes especialistas nas seções de vinhos em lojas e a contar com um grande nome no cargo de consultor de vinhos da marca (o enófilo querido e muito experiente Carlos Cabral).

Além disso, o Pão de Açúcar conta com uma marca exclusiva de vinhos (o Club des Sommeliers) e uma assinatura de vinhos de excelente qualidade (o Pão de Açúcar Viva Vinhos).

No Pão de Açúcar Adega, loja online e física serão integradas, oferecendo a mesma experiência para o cliente que poderá escolher por comprar seus vinhos da maneira que for mais conveniente. Enquanto no site ele contará com informações e conteúdos para descobrir mais sobre seus rótulos, na loja os atendentes especialistas vão oferecer dicas e orientações para facilitar a compra.

blog_adega_aguarde_700x400

Rótulos variados na loja e no site

A variedade de vinhos é o grande diferencial do Pão de Açúcar Adega. Tanto no site, quanto na loja física, estarão disponíveis mais de 1000 rótulos diferentes(730 deles encontrados apenas no Adega), de pelo menos 16 países. Os vinhos atendem situações do dia a dia, como também momentos especiais.

No site a variedade de rótulos será ainda maior, chegando a 1,9 mil diferentes tipos para atender a todos os perfis de clientes.

paadega

O Pão de Açúcar Adega entrega em todo o Brasil (todo mesmo!)

A melhor notícia que chega com o lançamento do Pão de Açúcar Adega é essa: o site entregará seu catálogo de bebidas completo em todo o Brasil. Mesmo nos locais em que não existe uma loja física do Pão de Açúcar ou Pão de Açúcar Adega, será possível selecionar a sua bebida favorita e encontrá-la em casa (ou onde quiser).

Para o visitante online, inclusive, a loja reserva vários benefícios, como um ambiente de navegação amigável, com listas dos melhores vinhos, sugestões para ocasiões especiais e muito conteúdo para quem quer descobrir mais sobre essa e outras bebidas.

O objetivo é fazer com que o apaixonado por vinhos encontre em um só lugar tudo que ele precisa para saborear essa bebida, diretamente do conforto da sua casa. E eu vibro demais com iniciativas com esta, que só ajudam a impulsionar o ainda insipiente consumo de vinhos no Brasil! \o/

Loja São Paulo:

  • Rua Augusta, 2710
  • Horário de Atendimento: Seg. a Qui. das 10h as 22h
  • Sex. a Dom. e feriados das 10h as 23h
  • Tel: (11) 94370-0574

 

 

La Liga de Enólogos

Resultado de imagem para la liga de enólogos

Novidade da Argentina, La Liga de Enólogos busca se aproximar dos Millennials

Descobri por acaso esta linha de vinhos trazidos pela Wine e fiquei surpresa com o conceito do projeto e com a qualidade de seus rótulos.

La Liga de Enólogos surge com a proposta de apresentar seus vinhos  para um consumidor mais novo, principalmente os millennials. Este público, em sua maioria jovens de até 30 anos, mudaram a forma de consumir música, trabalhar ou assistir a um filme e não se identificam com o universo do vinho. Pelo contrário. Na Argentina, este público migrou para a cerveja e atrai-los para o vinho é um dos desafios do mercado na atualidade.

Para se ter uma ideia, em 2001 o argentino consumia exatamente a mesma quantidade de vinho e cerveja: cerca de 1.250 milhões de litros cada. Este consumo foi se transformando no decorrer dos anos e em 2017 o cenário era completamente diferente: as vendas de vinhos ficaram em torno de 900 milhões de litros enquanto a cerveja saltou para 2.000 milhões. Assim, enquanto o consumo de vinho está hoje na ordem de 20 litros per capita, a cerveja é quase o dobro deste nível. (fonte: Observatório Vitivinícola Argentino)

E quem melhor do que jovens enólogos para identificar as preferências deste público? Neste contexto nasce a Liga de Enólogos, sete amigos e profissionais que se reuniram para elaborar vinhos bem feitos, despretensiosos e fáceis de beber, com rótulos modernos e divertidos. A primeira linha desenvolvida, El Bautismo, é composta por 4 rótulos inspirados na identidade de suas origens, ou seja, feitos com uvas autóctones da Itália, Espanha e Argentina.

la-liga.png
Integrantes de La Liga de Enólogos, grupo de amigos que se uniram para elaborar vinhos divertidos e descomplicados.

A Wine acertou mais uma vez em apostar neste perfil de vinhos e por um preço que condiz com a proposta original da linha. Confira abaixo o estilo de cada um deles e escolha o seu – eu arriscaria na linha toda! 😉

 

El Bautismo Blend de Blancas Dulces

  • BB4 El Bautismo Blend de Blancas Dulces 2017 (Wine.com, de R$ 38,90 por R$ 33,07) Branco delicado feito com Torrontés (70%), Moscatel (15%) e Pedro Giménez (15%), um original corte de uvas brancas de origem espanhola para honrar os antepassados que elegeram terras argentinas como seu lugar. Muito aromático, com destaque para lichia, jasmim e frutas brancas. Na boca é leve, com doçura equilibrada com acidez. Opção para quem gosta de vinho doce, mas não tão doce assim. Para beber geladinho – sozinho, acompanhando doces leves ou canapés adocicados.

 

El Bautismo El Criollo Rosado

  • El Bautismo El Criollo Rosado 2017 (Wine.com, de R$ 38,90 por R$ 33,07) Rosé bem diferente feito com a Criolla, uma uva nativa da Argentina e que foi a base dos vinhos de antigamente. Classificado como meio-seco (ou demi-sec), também é uma opção para os adeptos de vinhos com mais doçura, mas sem ser enjoativo. Bem feito, destaca-se pela cor clarinha e pelos aromas florais e de frutas vermelhas. Leve, frutado, com agradável acidez. Recomendado com diversas opções de pratos, como camarão empanado, talharim com molho rosé, risoto caprese, salmão grelhado, espetinho de legumes ou salada primavera, por exemplo.

 

El Bautismo Malbec

  • M4 El Bautismo Malbec 2017 (Wine.com, de R$ 38,90 por R$ 26,45) Elaborado com Malbec, uma reinterpretação da uva que é orgulho nacional e símbolo do país. Aromas típicos da variedade, com notas de frutas pretas e vermelhas. Na boca é elegante, com taninos macios e persistentes. Vai bem com costelinha suína com molho barbecue, pizza com cogumelos, penne à bolonhesa, fraldinha cozida, entre outros. Muito versátil à mesa.

 

El Bautismo Blend de Tintas

  • BT4 El Bautismo Blend de Tintas 2017 (Wine.com. de R$ 38,90 por R$ 26,45) Tinto inusitado feito com as uvas Raboso Veronés, Freisa, Sangiovette, Nebbiolo e Lambrusco, variedades de origem italiana escolhidas para homenagear seus antepassados. Vinho frutado, com taninos macios e um sabor que permanece no paladar. Baixa graduação alcoólica, fácil de beber. Vai bem com hambúrguer, estrogonofe de carne, bife com batata frita, ou seja, pratos gostosos do dia-a-dia.

 

Untitled-24-2

Nederburg Jazz Wine Concert em SP

Acontece neste sábado o Nederburg Jazz Wine Concert, evento itinerante promovido pela vinícola Sul-Africana Nederburg onde o vinho é celebrado pelo Jazz.

Gosto muito destas iniciativas de promoção do vinho com uma proposta informal, leve e descontraída, exatamente como deve ser o seu consumo: em uma tarde despretensiosa, ouvindo música e batendo papo com os amigos. Sem as firulas habituais que ainda persistem – e que, em muitos casos, não passam de mero esnobismo.

Anotem na agenda: no dia 16 de junho, sábado, o Nederburg Jazz Wine Concert vai unir música e vinho no Café Suplicy Mirante 9 de Julho. A atração musical será do Saxofonista Wagner Barbosa DUO, músico reconhecido como expressivo saxofonista brasileiro com o sotaque do jazz americano. Enquanto rola o show, uma Wine Bike estará à disposição com três rótulos da vinícola: o tinto Nederburg 1791 Pinotage, o branco 1791 Sauvignon Blanc e o agradável Rosé Nederburg, vendidos a preços especiais: R$15,00 a taça ou R$70,00 a garrafa.

De acordo com Sabrina Thomé, gerente de vinhos da Casa Flora (importadora que traz a Nederburg para o Brasil), “a relação da vinícola Nederburg com o Jazz não é uma novidade para a marca, em seu país de origem e nos mercados ao redor do mundo onde atua, tem uma ligação muito estreita com eventos relacionados a boa música e em especial a esse estilo”. Imperdível!

Informações:

Nederburg Jazz Wine Concert

  • Quando? 16/06, sábado
  • Horário: 17h00 às 20h00
  • Onde? Café Suplicy Mirante 9 de Julho – Rua Carlos Comenale, sn – Bela Vista – São Paulo
  • Quanto? Evento gratuito e aberto ao público

King Rabbit, o barato da França

Rótulos são inspirados no coelho da Alice no País das Maravilhas

Novidade no mercado, os vinhos King Rabbit se destacam pela proposta ousada e irreverente, apresentando um lado menos formal dos vinhos franceses. Os três rótulos da linha são elaborados na região de Languedoc-Roussilon, tradicional área vitivinícola com mais de 2 mil anos de história, e foram concebidos para para serem degustados a qualquer momento e sem formalidades.

O grande diferencial da linha King Rabbit são os rótulos modernos, com cores vibrantes, assinados pelo artista francês Gildas Coudrais. Todos os rótulos vêm com a imagem estilizada do coelho da Alice no País das Maravilhas, que vivia correndo atrás da felicidade, mas que esquecia de viver o momento presente. A proposta da linha King Rabbit é exatamente esta: degustar a vida e vivenciar o prazer de beber um bom vinho hoje, sem complicação!King Rabbit Rosé

King Rabbit Blanc

King Rabbit Rouge

Agora a melhor parte: Os vinhos custam em média R$ 55,00. Onde encontrar?

O que esperar nas prateleiras em 2018?

Tendências 2018 (4)

Fique atento às principais tendências de consumo no mundo do vinho, que certamente vão refletir em boas oportunidades de compra por aqui. São dicas valiosas, apontadas por diversos sites e publicações de vários países que dão um norte do que esperar para este ano que promete ser intenso em novidades no mercado:

1. As garrafas magnum 

Diversos sites apontam esta como uma das principais tendências para o ano. De acordo com a importadora Grand Cru, as garrafas magnum, com capacidade para 1,5 litros, são uma ótima opção para grandes eventos, como festas de casamento. Além de chamarem atenção pelo tamanho, oferecem um bom custo-benefício, pois às vezes, têm preço mais baixo do que duas garrafas de 750 ml.

01_Club Carmenére 1500ml            Club des Sommeliers Carménère 1500ml (Pão de Açúcar, R$ 46,25)

2. Vinhos do leste europeu no centro das atenções

Especialistas acreditam que neste ano as variedades menos comerciais, provenientes de países desconhecidos no mundo dos vinhos, vão atrair a atenção dos consumidores. Neste cenário, os vinhos do leste europeu vão chamar a atenção e prometem ocupar um espaço maior nas gôndolas do mercado. Para ilustrar esta tendência, o Concours Mondial de Bruxelles, tradicional concurso que avalia e elege os melhores vinhos do mundo em diversos países, divulgou que entre 2015 e 2017, as inscrições de vinhos da Europa Oriental aumentaram 42,9%. Em 2017, dois países da Europa Oriental – Bulgária e República Checa – entraram na lista dos que conquistaram medalhas. Além dos tradicionais vinhos da Hungria, que já estão bem consolidados no mercado, há boas opções da Eslovênia já disponíveis por aqui:

02_Puklavec Delicious.Puklavec Delicious Branco (Vino Mundi, R$ 45,90) – Este vinho é uma mistura interessante das uvas Furmint, Welschriesling e um toque de Chardonnay. Destaca-se pela acidez “crocante”, muito suculento, perfeito para acompanhar frutos do mar, carnes brancas e saladas.

3. Vinhos Premium do Chile e da Argentina

Os vinhos do Chile e da Argentina sempre foram associados como bons e baratos por aqui. Atualmente ainda vale a máxima de que é possível encontrar rótulos com de boa qualidade a preços bem abaixo da média. Mas o destaque deste ano vai para os vinhos de alta gama da América do Sul, com enorme potencial em nosso mercado. Vinícolas chilenas e argentinas apostam cada vez mais em qualidade, conseguindo avaliações muito positivas em guias de pontuação internacionais com seus rótulos mais icônicos. O Vivino, maior aplicativo de vinhos do mundo, confirma esta tendência para o ano: de acordo com seu ranking anual Wine Style Awards, que destaca as preferências de seus 26 milhões de usuários mundo afora,  o melhor vinho do ano foi o Viña Cobos Volturno 2010, disponível no Brasil por R$ 1.799,00! Mas não é preciso investir esta pequena fortuna para saber do que estamos falando. Marcelo Retamal, enólogo chileno considerado um dos 30 mais influentes do mundo, lançou seu projeto pessoal Viñedos de Alcohuaz com vinhos que simbolizam esta nova fase do Chile. Experimente o VIÑEDOS DE ALCOHUAZ GRUS 2014, um interessante blend de Syrah, Garnacha,  Malbec e Petit Syrah, que recebeu 95 Pontos no guia DESCORCHADOS –  além de ter sido eleita Vinícola Revelação do Ano!

03_Grus.Viñedos de Alcohuaz Grus (Decanter, R$ 232,10)

4. Os drinks feitos com vinho vieram para ficar

Como já bem pontuou o blog da Grand Cru, “Se a coquetelaria reviveu os seus momentos de glória nos últimos anos, os vinhos aproveitaram a carona e ganharam espaço de destaque do outro lado do bar.” Indo na onda do sucesso do Aperol Spritz, os drinks feitos com espumantes decolaram, assim como a Sangria, o Clericot e o Porto Tonic, todos com vinho como ingrediente principal. Tudo indica que a tendência permanece neste ano e que os consumidores se preocupam cada vez mais com a qualidade do vinho utilizado na coquetelaria.

Encontre no blog da Grand Cru um guia completo com 9 receitas de drinks com vinho ou compre uma garrafa de Bossa Bellini, já prontinho para abrir!

4_Bossa Bellini.Bossa Nº6 Bellini (Decanter, R$ 49,90)

5. Embalagens alternativas e lugares inusitados 

Uma das situações que mais me empolgam nesta jornada é observar o vinho tirando o paletó e se apresentando em trajes cada vez mais informais ao mercado. Se antes abrir uma garrafa de vinho estava reservado a momentos especiais, como um jantar romântico ou brinde de comemoração, agora chegou a vez de brindar também os momentos mais triviais – uma taça em casa quando chega do trabalho, acompanhando uma refeição simples do dia a dia ou um despretensioso piquenique no parque, por exemplo. Para companhar esta tendência, é possível encontrar com mais frequência vinhos em embalagens práticas, como Bag-In-Box, e a consolidação da vedação de rosca para vinhos do dia-a-dia, que facilitam e muito o serviço. Fora do Brasil é possível observar esta tendência com o aumento de boas opções de vinho em lata, em embalagem Tetra Pack e até em Barris, como destacou o Washinton Post em seu artigo sobre tendências para o ano.

05_Arbo.ARBO Merlot 3 Litros (Pão de Açúcar, R$ 79,90) Tinto elaborado pela Vinícola Perini em farroupilha, Rio Grande do Sul, é daqueles vinhos para ter sempre em casa. Feito com a uva Merlot, é frutado, leve e tem pouco álcool, o que facilita o consumo diário (aquela tacinha do final do dia). 3 litros equivalem a 4 garrafas de 750ml, fica menos de 20,00 a unidade. Compensa, não?

6. A revolução do vinho orgânico e natural continuará em 2018

Outra tendência que parece seguir forte neste ano é o aumento no consumo de vinhos orgânicos, naturais e biodinâmicos. O já citado Concours Mondial de Bruxelles menciona que Os consumidores estão mais experientes e curiosos quanto ao que se passa no vinho que consomem. Assim como os foodies se concentram no que está nos seus pratos, os amantes do vinho procuram vinhos feitos com atenção aos detalhes”. Ao longo dos últimos 3 anos o famoso concurso observou um notável crescimento de quase 80% nas inscrições de vinhos orgânicos e biodinâmicos, resultado do forte interesse dos consumidores em ambas as categorias. Esta tendência está super alinhada com a preocupação cada vez maior por uma alimentação saudável, pela procura por ingredientes frescos e sazonais, pelo crescimento de restaurantes e empórios dedicados exclusivamente a insumos orgânicos e pela busca de produtores com fortes vínculos regionais.

06_Adobe Emiliana.Emiliana Adobe Reserva Cabernet Sauvignon (Vino Mundi, R$ 48,90)

7. Você vai comprar mais vinho online

Diversos artigos mencionam a força do online também para o universo do vinho e por aqui não parece ser diferente. A Wine.com e a Evino são destaques neste segmento e estão investindo cada vez mais para conversar com este consumidor, muitos deles iniciantes no vinho. A Wine.com, que tem como acionista o empresário Abilio Dinis, abriu recentemente o Vinho Fácil, site com descontos agressivos em vinhos bem interessantes, de uma seleção enxuta mas atualizada com frequência. Fique atento também aos clubes de assinatura, que são uma excelente oportunidade para conhecer novos rótulos, garimpados por especialistas e entregues mensalmente no conforto de casa.  A Wine.com foi pioneira no formato e hoje já está disponível em diversas importadoras e supermercados, como o Pão de Açúcar por exemplo.

07_Toro LocoToro Loco Crianza (wine.com, de R$ 61,07 por R$ 51,91) – Um dos rótulos de maior sucesso da importadora. Feito na Espanha com as uvas Tempranillo (90%) e Cabernet Sauvignon (10%), tem médio corpo, taninos macios e acidez na medida, com final bem agradável.

8. Vamos consumir mais vinhos portugueses

A invasão de rótulos portugueses de bom custo benefício nas prateleiras dos supermercados não pode ser ignorada. A Viniportugal, Associação do setor encarregada de promover a imagem do país, tem feito um trabalho muito consistente por aqui através de palestras, cursos e degustações com os profissionais e consumidores. Isto significa mais informação sobre uvas e estilos característicos e únicos de Portugal e consequentemente vinhos mais interessantes disponíveis no mercado – muito além dos já conhecidos Casal Garcia Vinho Verde e Periquita, que abriram o mercado.

08_Atlantico.Atlântico tinto (Mambo, R$ 39,90) – Tinto português que representa bem a nova cara de Portugal: rótulos modernos, informações mais claras e preço convidativo. Este aqui é feito com as uvas Alicante Bouschet, Aragonês e Trincadeira, com breve estágio em madeira. Simples, despretensioso e fácil de beber.

9. Maior procura por vinhos de sobremesa

De acordo com o Vivino, surpreende o fato do melhor vinho do ano, eleito pelo público,  ter sido um vinho de sobremesa: tudo bem que estamos falando do icônico Chateau d’Yquem’s 1976 Sauternes, mas o resultado é considerado animador para valorização deste estilo de vinho. Este resultado é positivo em diversos aspectos: estimula os clientes mais reticentes a provar uma taça, ajuda a promover a bebida como opção também para pratos salgados e desmistifica que vinho de sobremesa é somente para quem não gosta de vinho, coisa de “mulherzinha” ou de quem não conhece ou aprecia vinho de verdade. Vamos tomar vinho de sobremesa sim! Este aqui é brasileiro e nunca decepciona:

09_Aurora late harvestAurora Colheita Tardia Branco 500 ml (imigrantes bebidas, R$ 21,99)

10 – Jerez conquista o seu espaço

O site Drink Business, entre outras fontes, destaca novamente a ascensão do Jerez em 2018. Longe de ser novidade, o gosto pelo Jerez permaneceu durante muito tempo restrito a um seleto grupo de aficionados. Antes relacionada como bebida favorita da vovó, agora é vista com frequência nas mãos da geração mais nova. Este sucesso pode ser atribuído em partes pelo renascimento da coquetelaria, que vem utilizando Jerez e outros vinhos fortificados em diversas receitas de drinks – fenômeno também observado com vinho do Porto branco, em refrescantes preparos de Portonic.

10_Jerez La InaJerez Fino La Ina 375ml (Vinci, R$ 82,26) Nunca experimentou Jerez? Comece pelas opções de meia garrafa. Este aqui é bem “expressivo, rico, complexo e equilibrado”, segundo o respeitado guia de vinhos espanhol Guía Peñin.

 11. O movimento “zero açúcar” continua a despertar interesse

No caminho oposto ao dos vinhos doces, destaca-se também os espumantes sem adição de açúcar. Conhecidos como Brut Nature, Sauvage ou Zero Dosage, indicam que quase todo o açúcar do vinho foi fermentado e não há a adição do licor de expedição – uma mistura de vinho adocicado que determina a doçura e estilo do espumante (Brut, Demi Sec, Sec entre outros). Este estilo sempre existiu, mas ganhou notoriedade nos últimos anos e parece se consolidar em 2018. Prova disso é o sucesso no mercado do Lirica Crua, espumante nacional eleito como o melhor do Brasil por diversos especialistas:

11_Lirica CruaLirica Crua (Decanter, R$ 76,40) – Feito com 80% Chardonnay, 10% Gouveio e 10% Pinot Noir, tem na taça certa turbidez devido à presença das leveduras, com bolhas muito finas e persistentes. Na boca tem ótima cremosidade e frescor, além de loooonga persistência.

12. Destaque para a ascensão da Tannat:

O Vivino, já mencionado anteriormente, aponta também o crescimento da uva Tannat no cenário global. Para nós, brasileiros, isto não parece bem uma novidade, mas a previsão é válida e é possível encontrar grande variedade de rótulos com esta uva típica do Uruguai. A escritora de vinhos e especialista Amanda Barnes, diz: “Não subestime a Tannat. Atualmente há uma enorme variedade de rótulos com Tannat do Uruguai – está em todas as regiões vitivinícolas do país e é possível encontrá-la em um vinho tinto concentrado e rico, em um vinho tinto magro e mineral, em um rosé picante e até mesmo em espumantes. Tannat pode ter sido apenas uma vértebra na espinha de Bordeaux, mas é a espinha dorsal do Uruguai “.

12_Brisas del EsteBrisas Del Este Tannat (Wine.com, de R$ R$53,82 por R$ 45,75) – Elaborado pela moderna Bodega Brisas com a uva Tannat, introduzida no Uruguai pelos colonos bascos e cultivada desde então com crescente entusiasmo e expertise. 

Fontes:

  • Blog Grand Cru – “Tendências do mundo do vinho em 2018”
  • Bloomberg – “seven ways the wine world will change in 2018”
  • Forbes – “expert predictions for the wine trends that will shape 2018”
  • Vivino – “wine trends what we learned in 2017 and predictions for 2018”
  • Washington Post – “wine trends for 2018”
  • The Drink Business – “top wine trends for 2018”

Dia das mães: Menos rosas, mais rosé!

07-18-12_wine21

Menos rosas, mais rosé! Este é o espírito deste presente bem legal que você encontra nas lojas Imaginarium para as mamães cansadas da mesmice e que apreciam uma boa taça de vinho, seja ele qual for!

Quer complementar com um garrafa? Confira uma seleção de rosés franceses fáceis, descomplicados e elegantes para acompanhar o presente e aproveitar um brinde em família:

BerneBerne Esprit de Méditerranée IGP 2016 (Imp. Grand Cru, R$ 69,00): Rosé delicioso feito com as uvas Cinsault, Grenache, Carignan, Cabernet Sauvignon, em um blend típico do sul da França. Difícil encontrar um rosé com estas características nesta faixa de preço, e atualmente é um dos best sellers da Grand Cru.

La Vieille FermeLa Vieille Ferme 2015 (Ville du Vin, De R$92,00 por R$66,00): O La Vieille Ferme é outro rosé bem conhecido no mercado, feito pela família Perrin, muito famosa por seus rótulos do Château de Beaucastel. Possui hoje alguns dos melhores vinhedos do Rhône Sul e se utiliza de técnicas orgânicas no cultivo de suas parreiras há aproximadamente 100 anos. Este aqui é um corte de Cinsault, Grenache Noir e Syrah, um pouco mais estruturado mas ainda bem fresco e elegante.
00155015_zClaude Val Rosé (Enoteca Decanter, R$ 65,50): Mais um best seller entre os rosés do sul da França, o Claude Val rosé destaca-se pela coloração rosada delicada e brilhante. Aromas de frutas vermelhas maduras, com notas florais. Na boca é leve, com boa acidez e muito suculento.