10 vinhos abaixo de 80,00 para a Páscoa

Ao que tudo indica, este ano a Páscoa seguirá diferente – a orientação permanece sendo para ficar em casa. Sim, fique em casa na sexta-feira Santa e até no domingo de Páscoa – não precisamos dar sorte ao azar. Vamos aproveitar o momento para nos conectar com o que é importante – e ficar juntos, mesmo que, fisicamente, seja à distância.

Por que não preparar uma receita especial e enviar com uma garrafa de vinho para os familiares mais próximos? Além de ser simbólico nesta data religiosa, o almoço de Páscoa pode ficar ainda mais saboroso e acolhedor graças à combinação do vinho certo com as receitas típicas da ocasião. A escolha do vinho deve levar em consideração os estilos que evidenciem e valorizem o sabor desses alimentos.

bacalhau, estrela do cardápio, é um peixe de sabor intenso e a combinação perfeita com o vinho dependerá muito da maneira como será preparado. Nas receitas com leite de coco ou cremes, os brancos são mais indicados, especialmente os Chardonnays encorpados e com passagem por carvalho. Quando assado com legumes, os tintos de corpo médio são ideais, já que seus taninos sutis não conflitam com o salgado do peixe.

Caso prefira peixes mais delicados, como o salmão, opte pelos vinhos rosados ou tintos leves, especialmente Pinot Noir. Já o linguado pode ser acompanhado por brancos de uvas Sauvignon Blanc ou até mesmo espumantes como os Bruts nacionais ou Prosecco.

Além do bacalhau, na Páscoa brilham também os chocolates e patisserie, como as colombas. Nesse caso, os vinhos do Porto são imbatíveis, com doçura e álcool na medida certa para valorizar o sabor do doce mais amado do mundo. Brancos doces ou espumantes acompanham muito bem os doces leves e fecham com maestria uma refeição gostosa e afetiva, como um abraço de vó.

Confira uma seleção garimpada com o que há de melhor nesta faixa de preço para acompanhar estas delícias de Páscoa:

Para começar a refeição:

Wave Rosato IGT (Vivavinho, de R$ 69,90 por R$ 49,90) Rosé italiano elaborado com as uvas Nerello Mascale e Syrah, é super leve e refrescante, ideal para abrir o almoço de Páscoa. Vai bem com os petiscos diversos que pede a ocasião.

Vila Nova Vinho Verde (Vivavinho, de R$ 89,90 por R$ 69,90) Vinho verde é um clássico para a Páscoa. Há diversos estilos, para todos os bolsos e ocasiões – os mais caros, elaborados com a uva Alvarinho, são ótimos para acompanhar pratos com bacalhau. Para começar a refeição, este aqui é mais leve e versátil: elaborado com as uvas Arinto, Avesso, Loureiro, é fresco, com notas de frutas cítricas, florais e acidez bem presente.

Manto Blanco Viognier (Carrefour, R$ 38,50) Vinho chileno da completa Luis Felipe Edwards, é elaborado com a Viognier – uva branca com um pouco mais de corpo e estrutura e aromas delicados de damasco, pêssego e flores. Bem legal para começar a refeição

Para acompanhar o bacalhau:

Morgado de silgueiros branco (Mambo, R$ 54,90) Branco interessante de Portugal, é um blend de Encruzado e Malvasia-Fina, uvas típicas do Dão. Na boca é fresco, equilibrado, com boa estrutura e persistência. Um coringa de ótimo custo benefício que recomendo sempre que possível.

Morgado De Silgueiros Tinto (La Pastina, de R$ 66,00 por R$ 56,10) Aqui também cabe esta versão, para os que não abrem mão de vinhos tintos na refeição – elaborado com castas tradicionais portuguesas, cultivadas no coração do Dão, em Silgueiros. Surpreende por seu equilíbrio, frescor e taninos redondos, que não conflitam com o salgado do prato.

Cono Sur Bicicleta Reserva Chardonnay (La Pastina, R$ 69,00) Um clássico do Chile dentro da categoria de bom custo-benefício. A bicicleta simboliza para a vinícola Cono Sur o espírito da bravura de seus colaboradores, que a utilizam para chegar até a vinícola. Ela também faz menção à agricultura sustentável (sem fertilizantes químicos e emissão de carbono) que utilizam para condução do vinhedo. Chardonnay com boa tipicidade, tem aromas de frutas tropicais, como abacaxi, e uma nota amanteigada típica da casta.

Casillero del Diablo Pedro Jimenez (Pão de Açúcar, R$ 79,99) Este aqui é um achado, muito interessante dentro desta faixa de preço. A Pedro Jimenez é uma uva que vem ganhando espaço no Chile, e é uma alegria encontrar esta variedade amplamente distribuída pela Concha y Toro. Um vinho que se destaca pelos aromas cítricos, bem fresco, que remete a limão. Paladar de corpo médio, com ótima acidez e este finalzinho cítrico encontrado no nariz. Maravilhoso para pescados e frutos do mar.

Para fechar o almoço:

Mancura Etnia Moscato (Grand Cru, R$ 52,90) Aqui um docinho do Chile pra alegrar a vida e fechar a refeição feliz. Leve, delicado e muito perfumado, com doçura na medida para não enjoar.

Norton Cosecha Tardia Tinto (St. Marche, R$ 65,00). Fugindo do tradicional vinho do Porto, este tinto doce é elaborado com a uva Merlot colhidas além da sua maturação. Aromas típicos da Merlot, como frutas vermelhas maduras e algo de geléia. Baixa graduação alcoólica pode beber mais fresco.

Espumante  CLUB DES SOMMELIERS Moscatel (Pão de Açúcar, R$ 32,49) Espumante da linha Club des Sommeliers, é elaborado pela Salton com a uva Moscatel – estilo de espumante doce, leve e refrescante, um hit no Brasil. Aromas delicados de flores brancas, frutas cítricas e uma nota de pêssego. Muito gostoso para abrir ou fechar o almoço de família

Tintos para aquecer o final de semana

4inverno

Vinho é bom em qualquer ocasião e vai tão bem tanto à beira da piscina quanto em frente à lareira. Mas o fato é que determinados vinhos ficam melhores quando cai a temperatura, enquanto outros parecem feitos sob medida para os dias quentes.

Não é preciso se limitar aos tintos: é possível encontrar brancos, rosés, fortificados – e até espumantes – que combinam com o clima frio. Porém é preciso buscar elementos em comum: geralmente são opções mais encorpadas, alcoólicas, aromáticas e complexas.

Por outro lado, nosso paladar parece ficar mais voraz, ávido por alimentos mais calóricos, que ajudem nosso corpo a manter a temperatura, como cozidos, assados e molhos encorpados. Sopas cremosas, risotos, massas gratinadas, fondues, queijos e embutidos… Os pratos de inverno parecem feitos para acompanhar uma garrafa de vinho!

Pensando em todas estas delícias típicas da estação, e levando em consideração que os tintos são os vinhos mais procurados nesta temporada, selecionei opções deliciosas para acertar em cheio as harmonizações nestes dias de clima frio. Além destas opções, uma boa dica é procurar tintos feitos de Cabernet Sauvignon, Shiraz da Austrália,  Garnacha da Espanha, a Malbec na Argentina e a Tannat do Brasil e do Uruguai. Eles costumam ser encorpados e robustos. Confira a seleção a seguir:

cono-sur

  • Cono Sur Bicicleta Carménère (Chile, Ville Du Vin) – R$ 55,00 – Elaborado pela excelente Cono Sur, destaca-se pelos aroma de frutas vermelhas e notas herbáceas, típicas da uva Carménère. Amadurece 9 meses em barricas de carvalho, o que confere mais corpo e estrutura. Vai bem com cozidos e guisados de carne.

 

aves-del-sur

  • Aves Del Sur Cabernet Sauvignon Reserva (Chile, Pão de Açúcar) – R$ 39,90 – A interessante linha Aves del Sur é feita pela Carta Vieja, no Chile, e distribuída com exclusividade pelo Pão de Açúcar. Um belo achado de supermercado, com destaque para o Cabernet Sauvignon, com aromas de fruta vermelha madura e notas de café e chocolate. Uma boa pedida para os pratos mais intensos de inverno.

 

callia-alta

  • Callia Alta Shiraz Bonarda (Argentina, Baccos´s) – R$ 57,60 – Feito com 70% Shiraz e 30% Bonarda, este tinto está sempre na lista dos bons e baratos do mercado. No nariz, tem aromas intensos de frutas vermelhas maduras, especiarias e toques defumados. Combina bem com carnes grelhadas, massas e queijos de pasta mole

 

clos-torribas

  • Clos de Torribas Crianza (Espanha, Pão de Açúcar) – R$ 44,90 – Mais um achado das grandes redes, este corte de Tempranillo e Cabernet Sauvignon tem acidez na medida, taninos suaves e bom final de boca. Fica perfeito com tábua de queijos e embutidos.

 

aurora-reserva

  • Aurora Tannat Reserva (Brasil, Pão de Açúcar) – R$ 40,25 – A Tannat é uma uva bastante tânica e rende vinhos bem estruturados. Típica do Uruguai, ela também se destaca por aqui, e este exemplar é uma boa opção para conhecer esta famosa uva. Amadurece 10 meses em barrica de carvalho, o que confere taninos mais macios ao vinho. Os aromas remetem à frutas negras maduras, especiarias e grãos de café tostados. Acompanha bem costelas bovinas e queijos maturados.

Já escolheu o vinho do Natal?

tintos-natal-1Fato: dezembro é um mês corrido. Ninguém tem tempo para nada,  mas todo mundo faz questão de passar o Natal com amigos e familiares ao redor de uma mesa saborosa. Procurando receitas típicas desta data para publicar aqui, encontrei no delicioso site Panelinha, o ótimo e-livro Receitas de Natal em PDF , disponível aqui para download (yéah!). São mais de 50 receitas, testadas e fotografadas, distribuídas em 7 opções de menu.

Depois de escolher as suas receitas preferidas, quais vinhos selecionar para este festival gastronômico, marcados por fartura e sabores variados? E se você quiser apenas celebrar a sua ceia sem complicações, abrindo garrafas de um mesmo vinho e sendo feliz?  Neste caso, vá de tintos leves, com bastante fruta e poucos taninos, que possam ser servidos mais frios nestes dias de calor implacável. Vinhos feitos com as uvas Gamay e Pinot Noir, por exemplo, são ótimas escolhas para esta situação.  Confira aqui uma seleção de vinhos que se encaixam neste perfil e não decepcionam:

Castillo di Molina Pinot Noir, Chile (Sup. Sonda, R$ 33,89)

Cefiro Casablanca Pinot Noir, Chile (Imigrantes bebidas, R$ 41,99)

Salton Gamay 2012, Brasil (Varanda Delivery, R$ 31,10)

Com a bênção do Olimpo

Saiu na edição de janeiro da revista Menu uma matéria muito legal sobre os vinhos gregos, mais especificamente sobre os elaborados na ilha de Santorini.

Famosa pela mineralidade de seus brancos e pela elegância de seu vinho de sobremesa, o vinsanto, Santorini convive com a cultura da uva desde a Idade do Bronze. Achados arqueológicos provam que a uva era cultivada por lá no século 17 a.C. Por volta de 1620 a.C uma grande erupção vulcânica soterrou toda a população e suas plantações e só em 1200 a.C Aantorini voltou a ser habitada, o cultivo das videiras foi retomado e tornou-se uma das principais atividades econômicas locais. E continua até hoje.

A Grécia possui forte tradição na história do vinho. Foram os gregos que espalharam as vinhas pelo Ocidente, mas sua vinicultura ficou um tanto estagnada nos tempos modernos. As vinícolas mais modernas começaram a surgir na década de 90 e estão mudando o perfil do vinho grego, que é mais conhecido no mundo pelo retsina, vinho ao qual se acrescenta resina de pinheiro. O foco hoje é fazer grandes vinhos, modernos, mas com uvas originárias da própria ilha ou região, como a branca Assyrtiko e a popular tinta Agiorgitiko.

Conheça alguns rótulos gregos bem acessíveis selecionados pela Menu nesta edição:

Cambas – Do mesmo grupo da Boutari, maior produtor de vinhos da Grécia, tem sede na região da Ática, Grécia Central. O branco Mantínia OPAP (R$ 53,52, Vinci) é feito com a uva moschofílero e está no mercado grego desde 1930. Há o despretencioso Retsína Karaváki EkP (R$ 30,25, Vinci), um retsina aos moldes tradicionais, vinho branco das castas Savatianó e Rodítis.

Tsantali – Grande grupo vinícola grego, com vinícolas espalhadas por várias regiões do país. Entre eles, os brancos da região de Halkidiki. O Tsantali Halkidiki (R$ 21,90), uma mistura de Assyrtiko com Sauvignon Blanc, e o orgânico Kali Gi (R$ 28,90), corte de Assyrtiko e Athiri e o tinto Tsantali Nemea Reserve (R$ 28,90), 100% agiorgitiko. No Carrefour e no Sam´s Club.

O Bordeaux que cabe no seu bolso

Saiu hoje na coluna do Luiz Horta, colunista que escreve toda semana no caderno Paladar do Estadão, uma matéria show de bola sobre vinhos de Bordeaux que cabem no seu bolso. A matéria na íntegra você encontra aqui, mas fiz um resumão para você não perder tempo e garantir o vinho do final de semana:

Latour, Lafite, Mouton… Cada menção a um desses nomes faz tilintar, imaginariamente, uma caixa registradora, plim, centenas de euros. E, mesmo assim, os grandes châteaux de Bordeaux vendem tudo que produzem.

Antes eram os ingleses, praticamente inventores do que chamam claret, vinhos de Bordeaux evoluídos num estágio de mais de 20 anos na garrafa. Depois vieram os americanos, capitaneados pelo crítico Robert Parker e seu sistema de pontuação até 100, ainda vigente. Mas britânicos e americanos vêm declinando no consumo de vinho.

Hoje o dinheiro está mais nas mãos de russos e chineses – os últimos compraram todo o líquido de rótulos famosos. Mas e os nomes menos conhecidos, as centenas de propriedades espalhadas pelas margens do Garonne, Gironde e Dordogne? Crise.

Eis a vantagem para nós. Podemos beber bordeaux, bons vinhos da região, se arriscarmos nomes desconhecidos. O Paladar descobriu ótimas garrafas abaixo de R$ 100. Selecionei as três que se destacam em sua faixa de preço, uma ótima oportunidade para conhecer o estilo bordalês:

Ch. Gabaron 2009 – (R$ 52, na Vinci). Ligeiro no bom sentido, para beber sem muita teorização. Bem satisfatório pelo preço, com bom porcentual de Cabernet Franc no corte. Um vinho para acompanhar comida.

Ch. La Gatte Tradition 2007 – (R$ 40, na Mistral). Um dos bons produtos do americano Michael Affatato, que comprou um pequeno château na região e faz vinhos para todo dia, sem maior pretensão que matar a sede.

L de Laffitte Laujac 2006, Médoc – (R$ 55, na Grand Cru). Nariz muito atraente, boa acidez, fácil de beber, com vivacidade e elegância. Diz bem o que é um bordeaux para agradar rápido.

O vinho do peru

Um dos maiores desafios durante os preparativos da ceia de Natal é escolher os vinhos que harmonizem com o tradicional peru, entre todos os demais  pratos típicos desta data. Para facilitar este momento, confira algumas opções interessantes para acompanhar as principais delícias natalinas:

Para as entradas, como castanhas, nozes e saladas de maionese:

Para os aperitivos, como as castanhas, nozes, amêndoas e a famosa maionese de Natal, prefira os espumantes brut ou brancos leves com boa acidez, que ajudam a amenizar a sensação de gordura no paladar:

1) Gato Negro Sauvignon Blanc, Chile (Imigrantes Bebidas, R$16,99)

2) Freixenet Tournée Brut, Espanha (Imigrantes Bebidas, R$20,99)

3) Orvietto Docg Piccini, Itália (Imp. Vinci, R$30,25)

4) Andeluna Torrontés, Argentina (Imp. World Wine, R$36,00)

5) Mionetto Vivo Rosé, Itália (Imp. World Wine, R$48,00)

Para acompanhar os peixes e crustáceos:

Para este que é um dos pratos mais tradicionais na ceia de final de ano, os vinhos brancos são a companhia ideal, uma vez que os taninos do vinho tinto podem torná-lo metalizado quando combinados com o sabor marcante e o toque iodado dos pescados. Alguns tintos leves, por outro lado, podem acompanhar perfeitamente peixes com sabores mais intensos. Peixes mais gordurosos vão bem com um vinho com maior acidez, como os brancos elaborados com  Sauvignon Blanc:

1) Luis Felipe Edwards Chardonnay, Chile (Pão de Açúcar, R$19,15)

2) Robertson Chenin Blanc, África do Sul (Imp. Vinci, R$25,18)

3) Altas Cumbres Viognier, Argentina (Pão de Açúcar, R$29,00)

4) Urban Sauvignon Blanc, Argentina (Imp. Vinci, R$29,57)

5) Rio Bio Reserva Pinot Noir, Chile (Imp. Expand, R$39,80)

Para acompanhar pratos à base de bacalhau:

O bacalhau faz parte de diversas datas comemorativas, reflexo da herança cultural deixada pelos nossos amigos portugueses. Tradicionalmente assado em postas, desfiado com batatas ou somente preparado com azeite, pede vinhos brancos mais encorpados, tintos com boa acidez ou tintos mais envelhecidos, já com os taninos bem macios:

1) Grandjó Douro Branco, Portugal (Imigrantes Bebidas, R$24,99)

2) Aurora Reserva Chardonnay, Brasil (Imigrantes Bebidas, R$28,99)

3) Terrazas Alto Chardonnay, Chile (Imigrantes Bebidas, R$33,99)

4) Viña Borgia, Espanha (Imp. World Wine, R$35,00)

5) Rio de los Pájaros Pinot Noir, Uruguai (Imp. Mistral, R$39,71)

Para acompanhar Peru e Chester:

Peru e Chester são aves de carne macia e delicada, que pedem tintos de médio corpo ou brancos mais estruturados. Como esta época do ano é marcada pelas altas temperaturas, os vinhos rosés também são uma ótima alternativa para acompanhar estas delícias natalinas:

1) Petirrojo Merlot, Argentina (Imp. World Wine, R$28,00)

2) Crios Rosé Malbec, Argentina (Imigrantes Bebidas, R$29,99)

3) Duetto Casa Valduga Sangiovese/Barbera, Brasil (Imigrantes Bebidas, R$33,99)

4) Catamayor Viognier Reserva, Uruguai (Imp. World Wine, R$42,00)

5) Château Bel Air, França (Imp. Mistral, R$46,47)

Para acompanhar Tender:

O tender, presença obrigatória nas festas de fim de ano, é muito saboroso e caracteriza-se pelo toque defumado. Na maioria das vezes, o molho do tender é doce, combinando melhor com um tinto leve e cheio de fruta:

1) Tilia Merlot, Argentina (Imp. Vinci, R$26,87)

2) Altosur Merlot, Argentina (Imp. Word Wine, R$29,00)

3) Urban Uco Tempranillo, Argentina (Imp. Vinci, R$37,01)

4) La Vieille Ferme Rouge, França (Imp. World Wine, R$45,00)

5) Poggiotondo IGT Toscana Rosso, Itália (Imp. World Wine, R$48,00)

Para acompanhar Pernil e Leitão

Muito saborosas, os cortes suínos geralmente pedem vinhos tintos mais estruturados, rico em taninos e com boa acidez, para contrapor a gordura. A exceção fica com o lombo e as carnes mais claras, que combinam muito bem com diversas opções de brancos:

1) Tarapacá Cosecha Malbec, Argentina (Imigrantes Bebidas, R$17,99)

2) Postales Del Fin Del Mundo Malbec/Shiraz, Argentina (Imigrantes Bebidas, R$28,99)

3) Château Los Boldos Cabernet Tradition, Chile (Imp. World Wine, R$33,00)

4) Armador Carmenère, Chile (Imp. World Wine, R$39,00)

5) Cusumano Syrah, Itália (Imigrantes Bebidas, R$43,99)

Para acompanhar o doce Panettone, o bolo de reis e a rabanada:

O Panettone nasceu na Itália e é indispensável nas festas de fim de ano, em diversos  países do mundo. Trazido ao Brasil por imigrantes Italianos durante a Segunda Guerra Mundial, é tradicionalmente feito com frutas cristalizadas e uvas-passas, mas já é possível encontrar inúmeras variações, igualmente deliciosas. A melhor opção para acompanhar o Panettone (e os demais doces similares) são os vinhos delicados e levemente doces, como o Moscato d´Asti ou vinhos leves de colheita tardia. Já a rabanada, por ser bastante doce, pede vinhos de sobremesa bem ricos, com bastante açúcar residual, como os vinhos do Porto:

1) Espumante Salton Moscatel, Brasil (Imigrantes Bebidas, R$19,99)

2) Tarapacá Late Harvest, Chile (Imigrantes Bebidas, R$29,99)

3) Porto Messias Ruby, Portugal (Imigrantes Bebidas, R$37,99)

4) Valdouro Tawny, Portugal (Imigrantes Bebidas, R$41,99)

5) Batasiolo Moscato D’Asti (Imigrantes Bebidas, R$43,99)


Vinho de Quinta!

A sexta-feira está chegando e eis uma ótima opção de vinho para bebericar no final de semana que se aproxima: Ventisquero Merlot.

Em geral, a uva Merlot é responsável por vinhos ligeiros, vai bem com uma enorme variedade de pratos, combina com diferentes situações e não têm muitos taninos. Descomplicados, podem ser bebericados despreocupadamente por um grupo de amigos e também acompanhar muitos pratos de carnes de boi, de porco e de diversas aves.

ONDE COMPRAR:

Imigrantes Bebidas, Pão de Açúcar e principais supermercados

O barato do Natal

Quer presentear seu amigo secreto, namorado, esposa e amigos com um vinho legal, sem comprometer o orçamento? Confira ótimas sugestões de presentes para você não ter dor de cabeça com as compras de final de ano:

KIT VALES DO CHILE

Preparado pela Expand, este kit é composto por uma garrafa do chileno Don Arturo Cabernet Sauvignon e uma de Don Arturo Carmenére em uma bonita embalagem para duas garrafas. Ideal para os amantes de vinhos tintos mais encorpados.

Onde comprar:

–  Importadora Expand (vários endereços)

Preço sugerido: R$ 38,00

  

KIT PIONERO

Também da Expand, este Kit vem com dois tintos da inovadora vinícola chilena Morandé. Composto por uma garrafa de Pionero Cabernet Sauvignon e uma garrafa de Pionero Pinot Noir em caixa para presente, é uma ótima opção para acertar na escolha do amigo secreto, já que são vinhos de estilos bem diferentes.

Onde comprar:

– Importadora Expand (vários endereços)

Preço sugerido: R$ 48,00

KIT ECCO

Mais uma opção da Expand, desta vez para agradar em cheio os apreciadores de espumantes. O kit vem com uma garrafa de Prosecco Ecco em caixa para presente, uma opção bem versátil para surpreender amigos e familiares

Onde comprar:

– Importadora Expand (vários endereços)

Preço sugerido: R$ 45,00

                                                                                                                                                           KIT SALTON

A Salton tem  uma opção bem interessante de espumante e taças para presentear. O Kit, composto por uma garrafa de espumante Salton Brut e duas taças exclusivas em embalagem para presente, é encontrado facilmente em lojas e supermercados.

Onde comprar:

– Imigrantes bebidas

Preço sugerido: R$ 35,99

                                                                                                                                                       KIT AURORA

Para quem prefere espumantes mais doces, a Aurora preparou um kit  com uma garrafa de espumante Aurora Moscatel e duas taças em embalagem para presente. Combina muito bem com frutas secas e sobremesas mais leves, ótima opção para acompanhar as comidinhas típicas do Natal.

Onde comprar:

– Imigrantes bebidas

Preço sugerido: R$ 34,99

KIT VEUVE DU VERNAY BABY

Um achado este kit de três garrafas de espumante francês Veuve Du Vernay 200 ml! Uma opção muito legal para presentear aqueles que curtem espumantes e não dispensam um presentinho em embalagem toda especial.

Onde comprar: Winestore

Preço sugerido: R$ 25,29