Fausto, os vinhos descontraídos da Pizzato

Fausto

Tive a oportunidade de participar recentemente da 20ª edição da ExpoVinis Brasil, evento de grande relevância para o mercado de vinhos, e fiquei muito feliz em perceber o destaque de nossos vinhos brasileiros.

Um dos produtores que me chamaram atenção foi a Pizzato, particularmente os da linha Fausto, vinhos de entrada da vinícola. Com rótulos modernos e simplificados, bem condizente com os novos consumidores, apresentam vinhos frutados e fáceis de beber.

A vinícola fica localizada no Vale dos Vinhedos e dispõe de 42 hectares de vinhedos em Bento Gonçalves, e em Dr. Fausto de Castro, em dois Lajeados – o nome da linha refere-se ao local de origem de suas uvas. Confira os vinhos degustados e onde encontrar cada um deles:

 

Fausto Chardonnnay

  • Fausto Pizzato Chardonnay (Costi Bebidas, R$ 42,60) – Elaborado com a uva Chardonnay das melhores parcelas do vinhedo Dr. Fausto, sem passagem por madeira. No nariz, destaca-se pelos aromas de maçãs verdes, abacaxi e algo floral, sem aquela baunilha enjoativa que os Chardonnays no novo mundo costumam apresentar. Na boca, é considerado médio corpo, bem fresco e equilibrado. Boa persistência no paladar. Vai bem com pratos leves a base de peixes e frutos do mar, não muito condimentados; pastas com molhos brancos e/ou leves; saladas frias, frutos do mar em geral e legumes.

 

fausto_merlot_novo

  • Fausto Pizzato Merlot (Imigrantes Bebidas, R$ 39,99) – A Merlot é a uva com a qual a Pizzato se projetou no mercado, desde o primeiro vinho elaborado pela vinícola. O Fausto Merlot combina toda a fruta típica da uva com ótima acidez, o que faz do vinho uma excelente opção para a gastronomia simples e diversificada do dia a dia. No nariz, destaca-se pelos aromas de ameixas e notas terrosas e de couro, provenientes da breve passagem por madeira. Paladar macio, com taninos na medida. Você também encontra a sua versão mini, em garrafinhas de 187ml.

 

Fausto Tannat

  • Fausto Pizzato Tannat (Cia do Whisky, R$ 43,80) – A vinícola foi pioneira no plantio de Tannat na Serra Gaucha e hoje é um dos destaques da Pizzato. No nariz, destaca-se pelos aromas de amoras e notas de couro e especiarias. A Tannat é uva uva bastante tânica, mas este apresenta taninos finos, sendo bem fresco e equilibrado no paladar. Combina com pratos mais estruturados, como feijoadas, cassoulet, carnes gordas e queijos fortes em geral.

 

admin-ajax

  • Fausto Pizzato Cabernet Sauvignon (Imigrantes Bebidas, R$ 39,99) – De acordo com o produtor, o vinhedo Dr. Fausto vem gerando, colheita a colheita, frutas melhores para a uva Cabernet Sauvignon, permitindo a elaboração de vinhos de corpo médio, bastante frutados e de ótima aceitação. No nariz, destaca-se pelos aromas de amoras, cerejas e ameixa preta, além de algo de baunilha e leve mentolado. Na boca, tem corpo médio para encorpado, frutado, de boa persistência, acidez agradável, com taninos leves e marcantes.Combina com carnes vermelhas, risotos, massas fortes e queijos maduros.Também disponível em garrafas de 375 ml e 187 ml.

Vinho e Picnic!

Picnic basket
Picnic basket filled with fruit,bread and red wine.

Aproveite o começo do outono para organizar uma gostosa refeição fora de casa – com muito vinho, é claro!

Os piqueniques ao ar livre ganham força em diversas cidades do país, já que é um dos programas mais agradáveis para curtir os dias ensolarados – podendo inclusive virar uma festinha animada após uma tarde de conversa.

Vários parques da cidade dedicam áreas especiais para estender a toalha xadrez. Um dos mais legais em São Paulo é o Villa-Lobos, que disponibiliza 75 quiosques para apoiar a cesta de quitutes ou um belo espaço verde para quem prefere o estilo tradicional no gramado.

Definido o local, hora de pensar nos comes e bebes. Fico feliz em observar que o vinho tem feito parte deste momento, semelhante ao que se observa na Europa, por exemplo. Para não errar, primeiro certifique-se de que o lugar escolhido permite o consumo de bebidas alcoólicas. Está liberado? Ótimo. Na hora de escolher a sua garrafa, opte por vinhos de corpo leve, já que geralmente as preparações são simples, leves e servidas a temperaturas baixas, e, portanto, não necessitam de um vinho muito alcoólico e estruturado.

Podemos começar pelos espumantes. Prefira os elaborados pelo método Charmat, que geralmente são mais leves, frescos e frutados e são ideais para bebericar enquanto a turma prepara os petiscos. Caso prefira os brancos para aperitivo, opte por uvas como Sauvignon Blanc e Pinot Grigio, que vão bem com sanduíches frios feitos com carnes brancas, patês, saladas e queijos leves.

Os rosés também costumam ser muito versáteis nestas ocasiões e vão bem com uma infinidade de aperitivos, como preparos a base de salmão, aves ou carne de porco. Quer levar queijos mais saborosos, como o Brie ou Camembert? Um Chardonnay é a escolha ideal, junto com uma bela cesta de pães variados. Agora se a preferência for pelos vinhos tintos, opte por vinhos de uvas mais leves e com pouco tanino, como os elaborados com Pinot Noir e Gamay, por exemplo.

Escolhido o vinho, considere também a temperatura de serviço. Espumantes, brancos, rosés e tintos leves precisam ser servidos refrescados, em baldes ou recipientes com gelo. Não se preocupe, há diversos acessórios práticos e charmosos para levar nestas ocasiões. Não esqueça também do saca-rolhas, caso as garrafas não tenham tampa de alumínio – que aliás, costumam ser uma mão na roda para eventos ao ar livre, pode comprar sem medo.

Precisa de uma ajuda para escolher os vinhos? Confira uma seleção com ótimas opções  para acompanhar o picnic delícia do próximo final de semana:Intis Chardonnay (2)

  • Intis Chardonnay (Decanter e lojas, R$ 41,90) – Branco elaborado pela vinícola argentina Las Moras, é um Chardonnay bem típico, com aromas cítricos, de maçã e algo que remete a flores. Na boca tem ótimo frescor, com final bem agradável.
  • 00155014_g (2)Claude Val Rosé ( Decanter e lojas, R$ 65,50) – Vinho rosé da região do Languedoc, na França, é feito com as uvas Grenache, Cinsault e Syrah. Leve, fresco e frutado, lembra bastante os rosés da Provence, referência no estilo.
  • Wave series (2)Wave Series Pinot Noir (Pão de Açúcar, R$ 49,90) – Difícil encontrar tintos de Pinot Noir bem feitos e que não pesem no bolso. Este aqui é fiel ao estilo, perfeito para bebericar em dias de calor. 
  • Bossa Prosecco (2)Espumante Bossa Prosecco ( Decanter e lojas, R$ 45,80) – Espumante nacional elaborado pela vinícola Hermann, tem aromas de frutas cítricas, abacaxi, e notas florais. Na boca é leve, com boa acidez e frescor.
  • TaçaTaças de acrílico (Boccati, R$ 6,25): Feitas com poliestireno, são bem resistentes, perfeito para eventos externos. Diversas cores e modelos para escolher, um charme!

Cooler (2)

  • Cooler para vinho Vacuvin (Etna, R$ 49,99): Prático, basta levar ao congelador, esperar que o conteúdo congele e colocar na garrafa. Resfria em 5 minutos e sua temperatura ficará baixa por horas. Perfeito para passeios ao ar livre.

icebag (2)

  • Icebag para vinho (Los Mendozitos, R$ 23,00): Um jeito prático e estiloso de conservar os vinhos brancos, rosés e espumantes geladinhos. Dobrável e resistente para colocar na bolsa e até no bolso.

Cesta de picnic (2)

  • Cesta Eu amo piquenique (Imaginarium, R$ 159,90): Possui capacidade para 33 litros, acabamento interno todo em alumínio e alça acolchoada. A cesta e a alça são retráteis, sendo mais fácil e prático de guardá-la depois de usar.

 

Vinho do dia| Norton Cosecha tardia

Foto

A Norton é uma das vinícolas argentinas mais conhecidas por aqui e elabora uma ampla gama de vinhos. Foi fundada em 1895 pelo inglês Edmund J. P. Norton, engenheiro responsável pela construção de ferrovias na Argentina, que se encantou por Mendoza. Uma informação que poucos sabem é que em 1989, Gernot Langes Swarovski, da família austríaca de cristais, comprou a propriedade e investiu em tecnologias e mão de obra local competente para tornar a Bodega Norton em uma das mais importantes vinícolas da Argentina.

Atualmente possuem cinco fincas, distribuídas em cinco importantes terroirs da região: Perdriel, La Colonia, Agrelo, Lunlunta e Medrano e os vinhos levam assinatura do experiente enólogo Jorge Riccitelli, nomeado enólogo do ano pela revista “Wine Enthusiast” em 2012.

Não é a primeira vez que falo da Norton por aqui e acho que este rótulo também merece destaque. Não é fácil encontrar vinho de colheita tardia bem feito, com acidez equilibrada e doçura na medida, e ainda abaixo dos R$ 50,00!

Elaborado com uvas Chardonnay colhidas tardiamente, e ricas em açúcar, este vinho doce natural possui aromas agradáveis de mel e frutas brancas maduras. Um vinho que, dependendo das escolhas, pode acompanhar uma refeição inteira. Experimente com queijos azuis, ou com uma salada de frutas fresquinhas, fica uma delícia.

Vinho do dia| Fuzion Chenin-Chardonnay

  • Foto
    Fuzion Chenin-Chardonnay, Argentina (Imp. Ravin, R$ 35,70)

Grata surpresa da Argentina que degustei recentemente. O conceito do produtor é elaborar vinhos para homenagear o povo argentino e seu país, já que, de acordo com ele, a diversidade cultural da Argentina é a expressão única de Velho e Novo Mundo e isto é Fuzion. A vinícola preza pela tradição no cultivo das uvas, na maneira de produção de seus vinhos, sem deixar de lado a tecnologia moderna que atrelada a esta tradição faz de seus vinhos um grande sucesso. Vinhos que oferecem qualidade por bom preço. Segundo o enólogo responsável pela vinícola, Gustavo Martinez, Mendoza e seus” microclimas”oferecem excelentes oportunidades para o cultivo da Malbec e de uma ampla gama de variedades de uva.

Este aqui é elaborado com 70% de Chenin Blanc e 30% Chardonnay. Bem aromático com notas de flores brancas, maçã, pera e toques de frutas tropicais ao final.  Paladar fresco e equilibrado, com sabores que remetem aos aromas. Perfeito para acompanhar comidas leves como salada, frango grelhado e marisco.

 

Vinho do dia | Caminos Semillon Chardonnay

Foto
  • Caminos Semillon Chardonnay, Chile (Imp. Vinci, R$ 41,18)

Branco chileno elaborado pela Terra Andina, tem 35% Semillón e 65% Chardonnay em sua composição. Este vinho é interessante para quem gosta de brancos mais estruturados como os feitos com Chardonnay, porém com os aromas e toques cítricos característicos da Sémillon. Ideal para servir bem fresco como aperitivo ou acompanhando frutos do mar e pratos à base de peixes diversos.

Bruschettas + vinho

A parceria bruschetta e vinho é certeza de sucesso! Este típico antepasto italiano feito com pão levemente tostado, azeite, alho e cobertura variada é versátil e perfeito para receber os amigos. Encontrei novamente no site vamos receber três receitas de bruschettas deliciosas: de tomate com manjericão, de shitake com queijo brie e de abobrinha com queijo de cabra e mel. Aproveite para preparar estas receitas super fáceis no final de semana, harmonizadas com uma das sugestões indicadas por aqui! 😉

Bruschetta de Tomate com manjericão

bruschetta tomate

Modo de Preparo (1 tomate para cada fatia de pão):

1. Corte o pão italiano em fatias. Mais ou menos na grossura de um dedo.

2. Corte os tomates em 4 partes.

3. Com o dedo, retire a semente.

4. Corte os tomates em cubos.

5. Pique os tomates

6. Em uma panela, aqueça o azeite levemente. Refogue o alho e depois os tomates, por aproximadamente 2 minutos. Não pode deixar o tomate virar molho. Esse passo evita que o tomate caia do pão no momento de servir.

7. Coloque um pouco de azeite no pão.

8. Adicione o tomate, o manjericão e um pouco de sal. Leve ao forno pré-aquecido a 10 minutos a 180 graus e deixe por 5 minutos (tempo do pão dourar).

 

Bruschetta de Shitake com Queijo Brie

bruschetta shitake

 Modo de Preparo (a quantidade sugerida serve 4 pessoas): 

1. Corte o pão italiano em fatias. Mais ou menos na grossura de um dedo.

2. Retire o talo do Shitake.

3. Em uma frigideira, aqueça levemente o azeite.

4. Adicione o Shitake e doure-o dos dois lados.

5. Coloque um pouco de azeite no pão.

6. Adicione o shitake e, depois, o queijo brie. Leve ao forno pré-aquecido a 10 minutos a 180 graus e deixe por 5 minutos (tempo de derreter o queijo e o pão dourar).

 

Bruschetta de Abobrinha com queijo de cabra

bruschetta abobrinha

Modo de Preparo  (a quantidade sugerida serve 4 pessoas): : 

1. Corte o pão italiano em fatias. Mais ou menos na grossura de um dedo.

2. Corte a abobrinha em fatias.

3. Em uma frigideira, aqueça levemente o azeite.

4. Adicione a abobrinha e doure-a dos dois lados.

5. Coloque um pouco de azeite no pão.

6. Adicione a abobrinha.

7. Amasse levemente o queijo de cabra e coloque-o no pão.

8. Adicione o mel. Leve ao forno pré-aquecido a 10 minutos a 180 graus e deixe por 5 minutos (tempo de derreter o queijo e o pão dourar).

 

Gostou? Escolha então um destes vinhos fáceis para acompanhar:

  • MontadoMontado Branco, Portugal (Sup. Extra, R$ 30,35): Elaborado pelo produtor José Maria da Fonseca com as curiosas uvas Alva, Tamarez, Rabo de ovelha na região do Alentejo, é bem leve e com boa acidez, um coringa para acompanhar comidinhas variadas.

 

  • De Martino ChardonnayDe Martino Chardonnay Estate Reserva (Imp. Decanter, R$ 45,10): Para os apreciadores de Chardonnay, este da De Martino é bem equilibrado, com aromas agradáveis de maçã e leve toque amanteigado. Ideal com aperitivos a base de queijos.

 

  • Las Moras Shiraz RoséLas Moras Shiraz Rosé (Imp. Decanter, R$ 33,10): Rosé elaborado na argentina com a uva Shiraz, tem aromas delicados de morangos frescos, floral e de especiarias. De bom corpo, vibrante e equilibrado. Sempre uma boa opção para abrir em dias mais quentes e com aperitivos leves.

 

  • Santa CristinaSanta Cristina Toscana IGT, Itália (Sup. Extra, R$ 48,20): Tinto elaborado na Toscana com 60% Sangiovese e 40% entre Cabernet Sauvignon, Merlot e Syrah, passa por um breve amadurecimento em barricas de carvalho para conferir um pouco mais de estrutura. Um dos italianos mais vendidos por aqui.

 

  • Arrogant FrogArrogant Frog Tutti Frutti Rouge, França (Imp. Decanter, R$ 51,90): Tinto francês de grande aceitação no mercado brasileiro, vai na contramão do que se imagina de vinho francês: fácil, frutado e acessível, é elaborado com as uvas Cabernet Franc, Cabernet Sauvignon, Grenache, Merlot, Mourvèdre e Syrah. Ufa! A miscelânea funciona bem e também é sucesso para acompanhar finger foods.

 

 

 

 

 

Penne de camarão + Chardonnay

Sempre que consigo faço questão de cozinhar para a família e amigos. É uma delícia receber pessoas queridas em casa, escolher uma receita fácil e saborosa e principalmente, acertar na escolha do vinho que vai regar aquele papo gostoso durante horas e horas. Uma boa descoberta foram as receitas encontradas no vamos receber, site que como o próprio nome diz, reune dicas valiosas para receber bem e agradar os convidados. A última testada foi esta aqui, super fácil de preparar e delicosa na companhia de um branco mais encorpado. Os ingredientes estão abaixo e  a quantidade sugerida serve de 6 a 8 pessoas. Recomendo!

PENNE-CAMARAO

Modo de preparo:

1. Tempere o camarão com sal (ou com molho de alho pronto que já vem com sal) e reserve na geladeira.

2. Numa panela grande, ferva a água com uma colher de sopa de sal. Quando estiver fervendo, jogue um pacote inteiro de Penne.

3.  Minutos antes de começar a fazer o molho, seque o camarão com um pano de prato para retirar o excesso da água. Grelhe o camarão com azeite doce numa frigideira e reserve numa travessa.

4.  Numa frigideira grande, coloque duas colheres cheias de manteiga e cebola picada. Mexa até dourar a cebola.

5. Acrescente o tomate picado e deixe-o ferver até soltar a pele (aproximadamente 2 minutos). Acrescente o molho de tomate.

6. Acrescente o manjericão e o orégano. Mexa mais um pouco.

7. Para finalizar, acrescente 1 lata de creme de leite sem soro, o camarão e 1/2 moi de coentro bem picado, mexa e tampe a panela.

8. Desligue o fogo rapidamente para não cortar o creme de leite.

9. Escorra o Penne e coloque-o numa travessa grande. Acrescente duas colheres de manteiga e mexa o Penne.

10. Acrescente o molho com camarão.

Gostaram? Que tal servir um Penne de Camarão com um destes vinhos no final de semana?

  • petirrojoPetirrojo Chardonnay (Via Vini, R$ 33,00): No nariz o vinho possui agradáveis aromas de frutas tropicais, como abacaxi e maracujá. Paladar fresco e boa persistência. Nada enjoativo, como muitos Chardonnays do Chile costumam ser.
  • lasmorasLas Moras Chardonnay (Imp. Decanter, R$ 33,10): Este Chardonnay é elaborado na argentina e tem  aromas bem nítidos de maçãs e abacaxi maduro e notas de mel. Paladar cremoso e com boa mineralidade, é agradável e convidativo e mais um gole.
  • Robertson WineryRobertson Chardonnay (Imp. Vinci Vinhos, R$ 42,36): Elaborado em um estilo fresco e limpo, o Chardonnay de Robertson é uma bela descoberta entre os brancos da África do Sul, com saborosas notas de frutas maduras.

 

Tente também com:

  • Adobe GewurztraminerAdobe Gewurztraminer (Pão de Açúcar, R$ 58,74): Feito com a aromática uva Gewurztraminer, tem aromas de flores brancas, como jasmins, notas cítricas e toques herbáceos.
  • Claudeval RoséPaul Mas Claude Val Rosé (Imp. Decanter, R$ 45,20): Rosé do Languedoc elaborado com 50% Grenache, 30% Cinsault e 20% Syrah, tem aromas de cerejas maduras e notas florais. Equilibrado, com bela expressão da fruta. Ótima persistência.

 

Peça pela uva: Chardonnay

A Chardonnay é inegavelmente uma das grandes uvas brancas, sinônimo de “vinho branco” para muitos consumidores. Se a Cabernet Sauvignon pode ser considerada a rainha das uvas tintas, a Chardonnay ostenta o mesmo título entre as brancas, tendo se tornado a maior referência deste tipo de vinho.

A Chardonnay teria sido reconhecida como variedade vinífera por volta do século XIII, tendo como berço a Borgonha, na França – país que originou muitas das uvas amplamente difundidas no mercado.

Assim como a Cabernet Sauvignon, a Chardonnay é considerada uma cepa maleável, capaz de produzir vinhos de qualidade em diversos tipos de clima . Quando cultivada em regiões mais frias, gera vinhos mais frescos e leves. Já em regiões mais quentes, produz vinhos estruturados, untuosos, com aromas de frutas tropicais maduras. Dependendo da maneira como é tratada, ela pode gerar tanto rótulos mais complexos, como opções mais simples para consumo diário.

Embora essa versatilidade resulte em Chardonnays de ótima qualidade em diversos países, existem algumas regiões clássicas que se destacam em sua produção. Entre elas, estão a já citada Borgonha, Champagne, Califórnia, Austrália e Nova Zelândia – cada qual com seu estilo.

Para ajudar a escolher a melhor opção para você, abaixo vão três sugestões imperdíveis:

  • Thomas Mitchell Chardonnay, Austrália (Imigrantes Bebidas, R$ 38,69) –  Acessíveis, gastronômicos e de ótimo custo benefício, os vinhos Thomas Mitchell são expressões clássicas de vinhos varietais australianos. Destaca-se pelos aromas deliciosos de pêssego, melão e um toque sutil de baunilha. Fácil de agradar.
  • Ventisquero Clássico Chardonnay, Chile (Pão de Açúcar, R$ 29,00) -Localizada no privilegiado Vale de maipo, no Chile, a Viña Ventisquero nasceu com o propósito de tornar-se a melhor vinícola do país. Este Chardonnay é bem fresco e equilibrado, com aromas que lembram abacaxi, pêssego e certas notas cítricas. Fácil de encontrar em supermercados.
  • Serbal Chardonnay, Argentina (World Wine, R$ 36,00) – Elaborado pela Atamisque, vinícola argentina que só começou a tomar forma e ganhar notoriedade quando o francês John Du Monceau assumiu a direção, após mudar de donos diversas vezes. Este Chardonnay de estilo francês é leve e fresco, com aromas de maçã verde e pêra e ótima persistência no paladar. Ideal para acompanhar pratos à base de peixes e frutos do mar.


Brinde com Brasil

A produção de espumantes no Brasil virou coisa séria. E quando se fala sobre o assunto, impossível deixar de citar a Salton. Com quase um século de existência, a vinícola é líder na comercialização de espumantes no país há quatro anos. E se você ainda é daqueles que torce o nariz para o vinho nacional, aí vai uma verdade inconveniente: em termos de custo-benefício, nossos espumantes não deixam nada a desejar aos importados.

Uma boa dica para começar a perder este preconceito é o Salton Brut Reserva Ouro. Elaborado com as uvas brancas Chardonnay e Riesling, mais uma parcela de Pinot Noir, o espumante é marcado pela cor amarela clara e suas borbulhas persistentes, que ressaltam aromas cítricos bem delicados.

Gostou da sugestão? Então aproveite o embalo nacional e conheça também o Salton Poética, espumante rosé para fãs de Pinot Noir, com aromas agradáveis de framboesa e morango e  com ótima persistência no paladar. Vai muito bem com canapés, frutos do mar e pratos de sabor leve e delicado.

Outras opções interessantes da Salton para brindar com os amigos:

Salton Lunae Branco e Salton Lunae Rosé: leves e frescos. Borbulhas fininhas, boa acidez e cremosidade são características comuns aos dois estilos, assim como a graduação alcoólica de 11%. O Salton Lunae Branco leva as uvas Riesling, Semillon e Moscato. Já no Salton Lunae Rosé, além delas, também está presente a Cabernet Sauvignon, responsável pela sua coloração rosada. Ideal para beber entre amigos em dias mais quentes.

ONDE COMPRAR:

 Site da Salton, Imigrantes Bebidas, Pão de Açúcar e principais supermercados

Leves e fáceis

Até pouco tempo, os vinhos produzidos na Argentina estavam relacionados ao  paladar dos próprios argentinos – muito amargo e agressivo para os demais bebedores do mundo. Essa tradição começou a mudar no fim dos anos 90, e atualmente, o vinho argentino é reconhecido pelo equilíbrio e ótima qualidade, competindo de igual para igual com os chilenos nos rankings do Novo Mundo. A linha Rodas Colleción 12 é um ótimo exemplo dessa nova tendência.Produzida pela Bodegas Esmeralda, uma das vinícolas adquiridas pela famosa Catena Zapata, a seleção apresenta 12 vinhos característicos, fáceis de agradar e com ótima relação custo-benefício.

 

Entre os tintos, vale a pena conferir o Rodas Bonarda, elaborado com a uva Bonarda, que após uma boa adaptação em solo argentino, deu origem a um vinho leve e fresco, com taninos agradáveis e aromas de frutas vermelhas frescas, como ameixas e cerejas.

Já entre os brancos, o Rodas Chardonnay é um rótulo fresco e equilibrado, que apresenta aromas de pêssego, abacaxi maduro e um leve toque de baunilha, típico de vinhos que passaram por breves períodos em barricas de carvalho americano.

Leves e fáceis de harmonizar, os dois são uma boa pedida para aqueles almoços em família, onde se come e bebe de tudo sem maiores preocupações.