Guia Glupt – Vinhos de cabem no seu bolso

Guia Glupt!

Imperdível o Guia Glupt – Vinhos de cabem no seu bolso, escrito por Luiz Horta, jornalista que domina o assunto e conhece como poucos os melhores achados das gondolas e prateleiras. Lido praticamente em uma sentada na poltrona e dois goles de vinho.

Longe de ser uma literatura extensa sobre a bebida, é um guia rápido, de fácil leitura, com dicas de bons vinhos de preço dentro do orçamento, para o di-a-dia.

De acordo com a sinopse, a ideia do guia é fornecer uma lista, cerca de 100 rótulos fáceis de achar e para ocasiões informais. O foco é no bom e barato, a maior parte das indicações é na faixa dos R$60 (no momento da publicação).

Há um capítulo para o vinho encontrado no supermercado e até harmonizações de domingo – aquilo que combina com o frango assado e a macarronada – passando por aqueles fundamentais no verão tropical, os brancos e espumantes para beber geladinhos.

São todos de importadoras que entregam em casa no Brasil, ou de lojas e supermercados, ou dos próprios produtores brasileiros, nada de nichos e coisas complicadas de conseguir. Mas o motivo principal deste guia é tirar a pompa do vinho, tratá-lo por “você” e não por “doutor”, algo que, infelizmente, ainda acontece muito no País.

Está disponível apenas online na Amazon por apenas R$ 9,90 e já é um dos mais procurados nesta categoria. Selecionei dois trechos para matar a curiosidade e aguçar a vontade de adquirir o seu:

Garzón Albarinho

Garzón Albariño (World Wine, R$ 52,80)

O Uruguai quase ninguém conhece. Quando conhece, pensa que é só Tannat. O solo calcário da região vinícola permite ótimos brancos. Um exemplo é este Albariño, uva que se adaptou bem por lá. A mesma vinícola produz um Albariño com estágio em madeira, mas este me pareceu mais gostoso, leve, refrescante, sem ser banal. Serve bebido puro, apenas frio ou como aperitivo.

Colonia las Liebres

 Colonia las Liebres (World Wine, R$ 42,70)

Um dos meus vinhos permanentes na geladeira, é um tinto muito frutado que fica delicioso gelado, para abrir em dias de calor em que se quer um tinto, fica ótimo com comida bem condimentada, chinesa por exemplo. Os taninos são muito macios e tem frescor e corpo. Vinho fácil para todo dia.

Anúncios

Com a bênção do Olimpo

Saiu na edição de janeiro da revista Menu uma matéria muito legal sobre os vinhos gregos, mais especificamente sobre os elaborados na ilha de Santorini.

Famosa pela mineralidade de seus brancos e pela elegância de seu vinho de sobremesa, o vinsanto, Santorini convive com a cultura da uva desde a Idade do Bronze. Achados arqueológicos provam que a uva era cultivada por lá no século 17 a.C. Por volta de 1620 a.C uma grande erupção vulcânica soterrou toda a população e suas plantações e só em 1200 a.C Aantorini voltou a ser habitada, o cultivo das videiras foi retomado e tornou-se uma das principais atividades econômicas locais. E continua até hoje.

A Grécia possui forte tradição na história do vinho. Foram os gregos que espalharam as vinhas pelo Ocidente, mas sua vinicultura ficou um tanto estagnada nos tempos modernos. As vinícolas mais modernas começaram a surgir na década de 90 e estão mudando o perfil do vinho grego, que é mais conhecido no mundo pelo retsina, vinho ao qual se acrescenta resina de pinheiro. O foco hoje é fazer grandes vinhos, modernos, mas com uvas originárias da própria ilha ou região, como a branca Assyrtiko e a popular tinta Agiorgitiko.

Conheça alguns rótulos gregos bem acessíveis selecionados pela Menu nesta edição:

Cambas – Do mesmo grupo da Boutari, maior produtor de vinhos da Grécia, tem sede na região da Ática, Grécia Central. O branco Mantínia OPAP (R$ 53,52, Vinci) é feito com a uva moschofílero e está no mercado grego desde 1930. Há o despretencioso Retsína Karaváki EkP (R$ 30,25, Vinci), um retsina aos moldes tradicionais, vinho branco das castas Savatianó e Rodítis.

Tsantali – Grande grupo vinícola grego, com vinícolas espalhadas por várias regiões do país. Entre eles, os brancos da região de Halkidiki. O Tsantali Halkidiki (R$ 21,90), uma mistura de Assyrtiko com Sauvignon Blanc, e o orgânico Kali Gi (R$ 28,90), corte de Assyrtiko e Athiri e o tinto Tsantali Nemea Reserve (R$ 28,90), 100% agiorgitiko. No Carrefour e no Sam´s Club.

O Bordeaux que cabe no seu bolso

Saiu hoje na coluna do Luiz Horta, colunista que escreve toda semana no caderno Paladar do Estadão, uma matéria show de bola sobre vinhos de Bordeaux que cabem no seu bolso. A matéria na íntegra você encontra aqui, mas fiz um resumão para você não perder tempo e garantir o vinho do final de semana:

Latour, Lafite, Mouton… Cada menção a um desses nomes faz tilintar, imaginariamente, uma caixa registradora, plim, centenas de euros. E, mesmo assim, os grandes châteaux de Bordeaux vendem tudo que produzem.

Antes eram os ingleses, praticamente inventores do que chamam claret, vinhos de Bordeaux evoluídos num estágio de mais de 20 anos na garrafa. Depois vieram os americanos, capitaneados pelo crítico Robert Parker e seu sistema de pontuação até 100, ainda vigente. Mas britânicos e americanos vêm declinando no consumo de vinho.

Hoje o dinheiro está mais nas mãos de russos e chineses – os últimos compraram todo o líquido de rótulos famosos. Mas e os nomes menos conhecidos, as centenas de propriedades espalhadas pelas margens do Garonne, Gironde e Dordogne? Crise.

Eis a vantagem para nós. Podemos beber bordeaux, bons vinhos da região, se arriscarmos nomes desconhecidos. O Paladar descobriu ótimas garrafas abaixo de R$ 100. Selecionei as três que se destacam em sua faixa de preço, uma ótima oportunidade para conhecer o estilo bordalês:

Ch. Gabaron 2009 – (R$ 52, na Vinci). Ligeiro no bom sentido, para beber sem muita teorização. Bem satisfatório pelo preço, com bom porcentual de Cabernet Franc no corte. Um vinho para acompanhar comida.

Ch. La Gatte Tradition 2007 – (R$ 40, na Mistral). Um dos bons produtos do americano Michael Affatato, que comprou um pequeno château na região e faz vinhos para todo dia, sem maior pretensão que matar a sede.

L de Laffitte Laujac 2006, Médoc – (R$ 55, na Grand Cru). Nariz muito atraente, boa acidez, fácil de beber, com vivacidade e elegância. Diz bem o que é um bordeaux para agradar rápido.

O vinho do peru

Um dos maiores desafios durante os preparativos da ceia de Natal é escolher os vinhos que harmonizem com o tradicional peru, entre todos os demais  pratos típicos desta data. Para facilitar este momento, confira algumas opções interessantes para acompanhar as principais delícias natalinas:

Para as entradas, como castanhas, nozes e saladas de maionese:

Para os aperitivos, como as castanhas, nozes, amêndoas e a famosa maionese de Natal, prefira os espumantes brut ou brancos leves com boa acidez, que ajudam a amenizar a sensação de gordura no paladar:

1) Gato Negro Sauvignon Blanc, Chile (Imigrantes Bebidas, R$16,99)

2) Freixenet Tournée Brut, Espanha (Imigrantes Bebidas, R$20,99)

3) Orvietto Docg Piccini, Itália (Imp. Vinci, R$30,25)

4) Andeluna Torrontés, Argentina (Imp. World Wine, R$36,00)

5) Mionetto Vivo Rosé, Itália (Imp. World Wine, R$48,00)

Para acompanhar os peixes e crustáceos:

Para este que é um dos pratos mais tradicionais na ceia de final de ano, os vinhos brancos são a companhia ideal, uma vez que os taninos do vinho tinto podem torná-lo metalizado quando combinados com o sabor marcante e o toque iodado dos pescados. Alguns tintos leves, por outro lado, podem acompanhar perfeitamente peixes com sabores mais intensos. Peixes mais gordurosos vão bem com um vinho com maior acidez, como os brancos elaborados com  Sauvignon Blanc:

1) Luis Felipe Edwards Chardonnay, Chile (Pão de Açúcar, R$19,15)

2) Robertson Chenin Blanc, África do Sul (Imp. Vinci, R$25,18)

3) Altas Cumbres Viognier, Argentina (Pão de Açúcar, R$29,00)

4) Urban Sauvignon Blanc, Argentina (Imp. Vinci, R$29,57)

5) Rio Bio Reserva Pinot Noir, Chile (Imp. Expand, R$39,80)

Para acompanhar pratos à base de bacalhau:

O bacalhau faz parte de diversas datas comemorativas, reflexo da herança cultural deixada pelos nossos amigos portugueses. Tradicionalmente assado em postas, desfiado com batatas ou somente preparado com azeite, pede vinhos brancos mais encorpados, tintos com boa acidez ou tintos mais envelhecidos, já com os taninos bem macios:

1) Grandjó Douro Branco, Portugal (Imigrantes Bebidas, R$24,99)

2) Aurora Reserva Chardonnay, Brasil (Imigrantes Bebidas, R$28,99)

3) Terrazas Alto Chardonnay, Chile (Imigrantes Bebidas, R$33,99)

4) Viña Borgia, Espanha (Imp. World Wine, R$35,00)

5) Rio de los Pájaros Pinot Noir, Uruguai (Imp. Mistral, R$39,71)

Para acompanhar Peru e Chester:

Peru e Chester são aves de carne macia e delicada, que pedem tintos de médio corpo ou brancos mais estruturados. Como esta época do ano é marcada pelas altas temperaturas, os vinhos rosés também são uma ótima alternativa para acompanhar estas delícias natalinas:

1) Petirrojo Merlot, Argentina (Imp. World Wine, R$28,00)

2) Crios Rosé Malbec, Argentina (Imigrantes Bebidas, R$29,99)

3) Duetto Casa Valduga Sangiovese/Barbera, Brasil (Imigrantes Bebidas, R$33,99)

4) Catamayor Viognier Reserva, Uruguai (Imp. World Wine, R$42,00)

5) Château Bel Air, França (Imp. Mistral, R$46,47)

Para acompanhar Tender:

O tender, presença obrigatória nas festas de fim de ano, é muito saboroso e caracteriza-se pelo toque defumado. Na maioria das vezes, o molho do tender é doce, combinando melhor com um tinto leve e cheio de fruta:

1) Tilia Merlot, Argentina (Imp. Vinci, R$26,87)

2) Altosur Merlot, Argentina (Imp. Word Wine, R$29,00)

3) Urban Uco Tempranillo, Argentina (Imp. Vinci, R$37,01)

4) La Vieille Ferme Rouge, França (Imp. World Wine, R$45,00)

5) Poggiotondo IGT Toscana Rosso, Itália (Imp. World Wine, R$48,00)

Para acompanhar Pernil e Leitão

Muito saborosas, os cortes suínos geralmente pedem vinhos tintos mais estruturados, rico em taninos e com boa acidez, para contrapor a gordura. A exceção fica com o lombo e as carnes mais claras, que combinam muito bem com diversas opções de brancos:

1) Tarapacá Cosecha Malbec, Argentina (Imigrantes Bebidas, R$17,99)

2) Postales Del Fin Del Mundo Malbec/Shiraz, Argentina (Imigrantes Bebidas, R$28,99)

3) Château Los Boldos Cabernet Tradition, Chile (Imp. World Wine, R$33,00)

4) Armador Carmenère, Chile (Imp. World Wine, R$39,00)

5) Cusumano Syrah, Itália (Imigrantes Bebidas, R$43,99)

Para acompanhar o doce Panettone, o bolo de reis e a rabanada:

O Panettone nasceu na Itália e é indispensável nas festas de fim de ano, em diversos  países do mundo. Trazido ao Brasil por imigrantes Italianos durante a Segunda Guerra Mundial, é tradicionalmente feito com frutas cristalizadas e uvas-passas, mas já é possível encontrar inúmeras variações, igualmente deliciosas. A melhor opção para acompanhar o Panettone (e os demais doces similares) são os vinhos delicados e levemente doces, como o Moscato d´Asti ou vinhos leves de colheita tardia. Já a rabanada, por ser bastante doce, pede vinhos de sobremesa bem ricos, com bastante açúcar residual, como os vinhos do Porto:

1) Espumante Salton Moscatel, Brasil (Imigrantes Bebidas, R$19,99)

2) Tarapacá Late Harvest, Chile (Imigrantes Bebidas, R$29,99)

3) Porto Messias Ruby, Portugal (Imigrantes Bebidas, R$37,99)

4) Valdouro Tawny, Portugal (Imigrantes Bebidas, R$41,99)

5) Batasiolo Moscato D’Asti (Imigrantes Bebidas, R$43,99)


Seleção de bons e baratos da revista Veja

A revista Veja publicou na edição desta semana o resultado de uma avaliação de vinhos feita pela Associação ProTeste  junto com sommeliers e consumidores. A avaliação foi feita com vinhos nacionais, europeus e sulamericanos que custam até R$ 60,00 em supermercados, adegas e importadoras. Valeu para reforçar a idéia de que nem sempre preço é sinônimo de qualidade e que é possível sim encontrar bons vinhos a preços convidativos. Confira aqui os primeiros colocados deste ranking e corra para tirar suas próprias conclusões! 😉

 

1) GRÃO VASCO

Origem: Portugal

Um assemblage, ou seja, uma mistura de diferentes uvas, foi o rótulo mais bem aceito pelos consumidores. “ Com um aroma agradável de frutas secas, ele vem do Dão, uma região antiga e famosa por produzir vinhos com excelência”, diz o consultor enogastronômico Joel Guérin, um dos participantes do teste.

2) NIETO SENETINER RESERVA CABERNET SAUVIGNON 

Origem: Argentina

Graças ao aroma e ao sabor persistentes, este Cabernet Sauvignon foi o mais bem classificado entre os sommeliers. “Ele é encorpado e, assim como o Grão Vasco, tem um agradável aroma de frutas secas”, diz Guérin.

3) SANTA HELENA RESERVADO CABERNET SAUVIGNON

Origem: Chile

Seco, este Cabernet Sauvignon foi avaliado como um vinho correto, de média intensidade e aroma frutado.

4) GRANDJÓ

Origem: Portugal

Da região do Douro, tradicionalmente conhecida pela produção de vinhos do Porto, tem aromas vegetais que se sobrepõem aos das frutas, o que é um fator positivo – quanto mais aromas, mais interessante é a bebida.

5) LATITUD 33 MALBEC

Origem: Argentina

De Mendoza, uma das regiões mais tradicionais da Argentina para vinhos de qualidade, é feito de Malbec, a uva que melhor se desenvolve no país. “É um vinho simples, porém correto e agradável”, resume Guérin.

6) SANTA CAROLINA RESERVADO CABERNET SAUVIGNON

Origem: Chile

Um Cabernet Sauvignon meio seco, foi considerado o melhor vinho no quesito custo-benefício – apesar de, na opinião dos sommeliers, ser pouco encorpado. “Na boca, é um vinho simples, de taninos suaves”, avalia Guérin.

7) PAULO LAUREANO

Origem: Portugal

Segundo colocado na opinião os consumidores, este vinho seco ficou em sétimo lugar porque, de acordo com os especialistas, tem pouco corpo e um aroma de baixa persistência.

8)AURORA VARIETAL CABERNET SAUVIGNON

Origem: Brasil

Elaborado com Cabernet Sauvignon, foi considerado um vinho simples, porém correto.

9) BOLLA VALPOLICELLA

Origem: Itália

Mistura de uvas como a Corvina e a Rondinella, agradou aos consumidores, mas foi avaliado pelos especialistas como simples e pouco encorpado.

10) MORANDÉ PIONERO

Origem: Chile

Primeiro colocado na análise laboratorial, este Carmenére foi descrito como pouco aromático e com alto teor alcoólico.

ONDE COMPRAR:

Pão de Açúcar, Imigrantes Bebidas, Adega Alentejana e principais supermercados.

 

O barato do Natal

Quer presentear seu amigo secreto, namorado, esposa e amigos com um vinho legal, sem comprometer o orçamento? Confira ótimas sugestões de presentes para você não ter dor de cabeça com as compras de final de ano:

KIT VALES DO CHILE

Preparado pela Expand, este kit é composto por uma garrafa do chileno Don Arturo Cabernet Sauvignon e uma de Don Arturo Carmenére em uma bonita embalagem para duas garrafas. Ideal para os amantes de vinhos tintos mais encorpados.

Onde comprar:

–  Importadora Expand (vários endereços)

Preço sugerido: R$ 38,00

  

KIT PIONERO

Também da Expand, este Kit vem com dois tintos da inovadora vinícola chilena Morandé. Composto por uma garrafa de Pionero Cabernet Sauvignon e uma garrafa de Pionero Pinot Noir em caixa para presente, é uma ótima opção para acertar na escolha do amigo secreto, já que são vinhos de estilos bem diferentes.

Onde comprar:

– Importadora Expand (vários endereços)

Preço sugerido: R$ 48,00

KIT ECCO

Mais uma opção da Expand, desta vez para agradar em cheio os apreciadores de espumantes. O kit vem com uma garrafa de Prosecco Ecco em caixa para presente, uma opção bem versátil para surpreender amigos e familiares

Onde comprar:

– Importadora Expand (vários endereços)

Preço sugerido: R$ 45,00

                                                                                                                                                           KIT SALTON

A Salton tem  uma opção bem interessante de espumante e taças para presentear. O Kit, composto por uma garrafa de espumante Salton Brut e duas taças exclusivas em embalagem para presente, é encontrado facilmente em lojas e supermercados.

Onde comprar:

– Imigrantes bebidas

Preço sugerido: R$ 35,99

                                                                                                                                                       KIT AURORA

Para quem prefere espumantes mais doces, a Aurora preparou um kit  com uma garrafa de espumante Aurora Moscatel e duas taças em embalagem para presente. Combina muito bem com frutas secas e sobremesas mais leves, ótima opção para acompanhar as comidinhas típicas do Natal.

Onde comprar:

– Imigrantes bebidas

Preço sugerido: R$ 34,99

KIT VEUVE DU VERNAY BABY

Um achado este kit de três garrafas de espumante francês Veuve Du Vernay 200 ml! Uma opção muito legal para presentear aqueles que curtem espumantes e não dispensam um presentinho em embalagem toda especial.

Onde comprar: Winestore

Preço sugerido: R$ 25,29