Para não errar nos queijos e vinhos

cheesewine_01A relação entre queijos e vinhos é uma das mais saborosas na gastronomia e é por isso que combiná-los é sempre um momento especial. Os dois elementos variam de acordo com o terroir onde são produzidos, o que abre um universo de possibilidades de harmonizações. Mas por onde começar?

O primeiro passo é agrupar os queijos por afinidade de sabor, o que facilita bastante a escolha dos vinhos. Os queijos mais comuns são os tipos frescos (derivados do leite de cabra), os queijos de casca branca (como Brie e Camembert), os queijos duros (Parmesão e Grana Padano) e os deliciosos queijos azuis, de sabor acentuado (Gorgonzola e Roquefort).

Para facilitar, confira aqui três combinações saborosas de queijos e vinhos para escolher e preparar no próximo encontro entre amigos nestes dias frios de inverno:

sophenia

Queijos Frescos

Os queijos frescos se caracterizam pela suavidade e grande concentração de acidez. Neste grupo estão, por exemplo, os queijos de cabra, a ricota e o feta, queijos leves e ideais para acompanhar os frescos brancos feitos com a Sauvignon Blanc, como este interessante Sophenia 2 Torrontés/Sauvignon Blanc. Elaborado na Argentina pela Finca Sophenia, tem também a aromática uva Torrontés em sua composição. Fresco e equilibrado, fica perfeito com queijos leves em dias mais quentes:

  • Sophenia 2 Torrontes Sauvignon Blanc (Via Vini, R$ 50,00)

 

primitivo

Queijos Duros

Os queijos curados, típicos da gastronomia italiana, são companheiros inseparáveis das nossas deliciosas macarronadas de domingo. De maturação mais acentuada e textura granulada, como o Parmesão e o Grana Padano, ficam ainda melhores com tintos mais encorpados. O Vivi Primitivo é um tinto italiano de médio corpo, com aromas e sabores frutados e breve passagem por barricas, o que confere um certo toque tostado ao vinho.

 

tabali

Queijos Azuis

De produção mais elaborada, os queijos azuis têm textura úmida, um leve sabor amargo e alto teor de sal – características que podem conflitar com os taninos dos tintos. A clássica parceria com queijos azuis, entre eles o Roquefort e o Gorgonzola, é contrapor o salgado com vinhos doces, como os de colheita tardia. O delicioso Tabalí Late Harvest 2011 (375ml) tem agradáveis aromas de mel e frutas brancas maduras e sua doçura intensa faz o contraste ideal de sabores.

  • Tabalí Late Harvest Muscat 2011 (375ml) (World Wine, R$ 35,00)

 

Anúncios

Hora de abastecer a adega!

603046_461589547223148_50570864_n

Chegou o tão aguardado momento de abastecer a adega e experimentar novos vinhos. O já tradicional Bota-Fora da World Wine começa amanhã, com uma excelente seleção de rótulos e descontos animadores. Além da economia, é uma ótima oportunidade para democratizar o consumo de vinho e possibilitar o acesso a uvas e regiões menos conhecidas.

No total, são mais de 100 rótulos com descontos de até 70%, entre tintos, brancos, rosés, doces e espumantes, de várias regiões produtoras e com muitas opções para o dia a dia.

Bora abastecer a adega? Então anote 20 boas sugestões e boas compras!

ESPUMANTES:
  • Cocchi Brut (Vêneto, Itália) – de R$ 78 por R$ 39,90
  • Giulio Cocchi Asti Spumante (Piemonte, Itália) – de R$ 78 por R$ 39,90
  • Prosecco Mionetto (Vêneto, Itália) – de R$ 74 por R$ 49,90
BRANCOS:
  • Isla Negra Reserve Sauvignon Blanc 2011 (Valle Central, Chile) – R$ 42,00 – (Leve 2, pague 1)
  • Vinha do Alqueve Branco 2009 (Tejo, Portugal) – de R$ 38 por R$ 17,90
  • Catamayor Viognier Reserva 2010 (San José, Uruguai) – de R$ 45 por R$ 22,90

ROSÉS:

  • Rey de Los Andes Reserva Cabernet Sauvignon Rosé 2010 (Valle Central, Chile) – de R$ 29,90 por R$ 14,90
  • Vinha do Alqueve Rosé 2009 (Tejo, Portugal) – de R$ 38 por R$ 17,90
  • Rimauresq Cru Classé Rosé 2010 (Provence, França) – de R$ 99 por R$ 29,70

TINTOS:

  • Pasión 4 Merlot 2007 (Mendoza, Argentina) – de R$ 34 por R$ 18,90
  • Rey de Los Andes Reserva Carmenère 2009 (Valle Central, Chile) – R$ 29,90 por R$ 18,90
  • Joffré Bonarda 2008 (Mendoza, Argentina) – de R$ 38 por R$ 19,90

  • Vinha do Alqueve 2008 (Tejo, Portugal) – R$ 38 por R$ 19,90

  • Dolcetto d’Alba “Controvento” DOC 2011 (Piemonte, Itália) – R$ 84 por R$ 39,90
  • Chianti Poggiano DOCG 2007 (Toscana, Itália) – R$ 49 por R$ 24,90

  • Isla Negra Reserve Carmenère 2010 (Valle Central, Chile) – R$ 42 por R$ 29,90

  • Togliano Merlot 2009 (Friuli, Itália) – R$ 98 por R$ 49,90

Onde comprar:

Lojas World Wine

World Wine Jardins – Rua Padre João Manuel, 1269
World Wine/Enoteca Fasano – Rua Amauri, 255
World Wine Ribeirão Preto – Rua João Penteado, 420
World Wine Rio de Janeiro – Fashion Mall, 899

Site: http://www.worldwine.com.br

Televendas: (11) 3383 – 7477

Bons vinhos para a Páscoa

A Páscoa se aproxima e nada melhor do que bons (e baratos!) vinhos para celebrar esta data em companhia da família e dos amigos. O tradicional almoço de Sexta-Feira Santa, dia especial para preparar pratos diversos de peixes e o famoso bacalhau, é uma ótima oportunidade para experimentar brancos e rosados. Já o domingo de Páscoa pede vinhos mais encorpados, para combinar com a diversidade de pratos e, claro, com os mais variados ovos de chocolate! Anote aí algumas sugestões para acompanhar as principais delícias de Páscoa:

BACALHAU

Como bem dizem os portugueses, “bacalhau não é peixe, bacalhau é bacalhau”. Isto por que o bacalhau é realmente muito diferente de outros peixes, e por isto, em Portugal, a combinação mais tradicional são os tintos leves e frutados, que não passam por madeira. A combinação mais comum por aqui é com vinhos brancos mais encorpados, com passagem por barricas. Evite apenas  os tintos muito encorpados e tânicos, que não combinam com o sabor salgado dos pratos.

– Loios (Branco ou Tinto), Portugal – (Pão de Açúcar, R$29,85)

– Castillo de Molina Pinot Noir Reserva, Chile (Rei dos Whiskys, R$ 33,70)

– Cvne Blanco, Espanha (Imp. Vinci, R$ 53,98)

PEIXES E FRUTOS DO MAR

Opte pelos brancos e rosés para acompanhar os saborosos peixes e frutos do mar servidos na Sexta-Feira Santa:

– Santa Rita 120 Chardonnay, Chile – (Pão de Açúcar, R$ 34,13)

– La Flor de Pulenta Sauvignon Blanc, Argentina – (Imp. Grand Cru, R$ 49,00)

– Altosur Malbec Rosé, Argentina – (Imp. World Wine, R$ 29,00)

CHOCOLATE

O chocolate é considerado uma das combinações mais difíceis para vinhos, por sua intensidade de sabores e texturas. Para a harmonização dar certo, o vinho precisa ser encorpado, com boa estrutura, teor de álcool mais elevado  e uma doçura igual ou superior ao chocolate. Difícil? Nem tanto. Os fortificados, como os vinhos do Porto – especialmente os Tawnys – acompanham bem o sabor adocicado do chocolate e encerram muito bem uma refeição.

Porto Valdouro Tawny, Portugal – (Pão de Açúcar, R$ 53,00)

Mavrodaphne of Patras OPE, Grécia – (Imp. Vinci, R$ 43,73)

O vinho do peru

Um dos maiores desafios durante os preparativos da ceia de Natal é escolher os vinhos que harmonizem com o tradicional peru, entre todos os demais  pratos típicos desta data. Para facilitar este momento, confira algumas opções interessantes para acompanhar as principais delícias natalinas:

Para as entradas, como castanhas, nozes e saladas de maionese:

Para os aperitivos, como as castanhas, nozes, amêndoas e a famosa maionese de Natal, prefira os espumantes brut ou brancos leves com boa acidez, que ajudam a amenizar a sensação de gordura no paladar:

1) Gato Negro Sauvignon Blanc, Chile (Imigrantes Bebidas, R$16,99)

2) Freixenet Tournée Brut, Espanha (Imigrantes Bebidas, R$20,99)

3) Orvietto Docg Piccini, Itália (Imp. Vinci, R$30,25)

4) Andeluna Torrontés, Argentina (Imp. World Wine, R$36,00)

5) Mionetto Vivo Rosé, Itália (Imp. World Wine, R$48,00)

Para acompanhar os peixes e crustáceos:

Para este que é um dos pratos mais tradicionais na ceia de final de ano, os vinhos brancos são a companhia ideal, uma vez que os taninos do vinho tinto podem torná-lo metalizado quando combinados com o sabor marcante e o toque iodado dos pescados. Alguns tintos leves, por outro lado, podem acompanhar perfeitamente peixes com sabores mais intensos. Peixes mais gordurosos vão bem com um vinho com maior acidez, como os brancos elaborados com  Sauvignon Blanc:

1) Luis Felipe Edwards Chardonnay, Chile (Pão de Açúcar, R$19,15)

2) Robertson Chenin Blanc, África do Sul (Imp. Vinci, R$25,18)

3) Altas Cumbres Viognier, Argentina (Pão de Açúcar, R$29,00)

4) Urban Sauvignon Blanc, Argentina (Imp. Vinci, R$29,57)

5) Rio Bio Reserva Pinot Noir, Chile (Imp. Expand, R$39,80)

Para acompanhar pratos à base de bacalhau:

O bacalhau faz parte de diversas datas comemorativas, reflexo da herança cultural deixada pelos nossos amigos portugueses. Tradicionalmente assado em postas, desfiado com batatas ou somente preparado com azeite, pede vinhos brancos mais encorpados, tintos com boa acidez ou tintos mais envelhecidos, já com os taninos bem macios:

1) Grandjó Douro Branco, Portugal (Imigrantes Bebidas, R$24,99)

2) Aurora Reserva Chardonnay, Brasil (Imigrantes Bebidas, R$28,99)

3) Terrazas Alto Chardonnay, Chile (Imigrantes Bebidas, R$33,99)

4) Viña Borgia, Espanha (Imp. World Wine, R$35,00)

5) Rio de los Pájaros Pinot Noir, Uruguai (Imp. Mistral, R$39,71)

Para acompanhar Peru e Chester:

Peru e Chester são aves de carne macia e delicada, que pedem tintos de médio corpo ou brancos mais estruturados. Como esta época do ano é marcada pelas altas temperaturas, os vinhos rosés também são uma ótima alternativa para acompanhar estas delícias natalinas:

1) Petirrojo Merlot, Argentina (Imp. World Wine, R$28,00)

2) Crios Rosé Malbec, Argentina (Imigrantes Bebidas, R$29,99)

3) Duetto Casa Valduga Sangiovese/Barbera, Brasil (Imigrantes Bebidas, R$33,99)

4) Catamayor Viognier Reserva, Uruguai (Imp. World Wine, R$42,00)

5) Château Bel Air, França (Imp. Mistral, R$46,47)

Para acompanhar Tender:

O tender, presença obrigatória nas festas de fim de ano, é muito saboroso e caracteriza-se pelo toque defumado. Na maioria das vezes, o molho do tender é doce, combinando melhor com um tinto leve e cheio de fruta:

1) Tilia Merlot, Argentina (Imp. Vinci, R$26,87)

2) Altosur Merlot, Argentina (Imp. Word Wine, R$29,00)

3) Urban Uco Tempranillo, Argentina (Imp. Vinci, R$37,01)

4) La Vieille Ferme Rouge, França (Imp. World Wine, R$45,00)

5) Poggiotondo IGT Toscana Rosso, Itália (Imp. World Wine, R$48,00)

Para acompanhar Pernil e Leitão

Muito saborosas, os cortes suínos geralmente pedem vinhos tintos mais estruturados, rico em taninos e com boa acidez, para contrapor a gordura. A exceção fica com o lombo e as carnes mais claras, que combinam muito bem com diversas opções de brancos:

1) Tarapacá Cosecha Malbec, Argentina (Imigrantes Bebidas, R$17,99)

2) Postales Del Fin Del Mundo Malbec/Shiraz, Argentina (Imigrantes Bebidas, R$28,99)

3) Château Los Boldos Cabernet Tradition, Chile (Imp. World Wine, R$33,00)

4) Armador Carmenère, Chile (Imp. World Wine, R$39,00)

5) Cusumano Syrah, Itália (Imigrantes Bebidas, R$43,99)

Para acompanhar o doce Panettone, o bolo de reis e a rabanada:

O Panettone nasceu na Itália e é indispensável nas festas de fim de ano, em diversos  países do mundo. Trazido ao Brasil por imigrantes Italianos durante a Segunda Guerra Mundial, é tradicionalmente feito com frutas cristalizadas e uvas-passas, mas já é possível encontrar inúmeras variações, igualmente deliciosas. A melhor opção para acompanhar o Panettone (e os demais doces similares) são os vinhos delicados e levemente doces, como o Moscato d´Asti ou vinhos leves de colheita tardia. Já a rabanada, por ser bastante doce, pede vinhos de sobremesa bem ricos, com bastante açúcar residual, como os vinhos do Porto:

1) Espumante Salton Moscatel, Brasil (Imigrantes Bebidas, R$19,99)

2) Tarapacá Late Harvest, Chile (Imigrantes Bebidas, R$29,99)

3) Porto Messias Ruby, Portugal (Imigrantes Bebidas, R$37,99)

4) Valdouro Tawny, Portugal (Imigrantes Bebidas, R$41,99)

5) Batasiolo Moscato D’Asti (Imigrantes Bebidas, R$43,99)


Hora da sobremesa

Quando se fala de vinhos de sobremesa, encontrar opções boas e baratas pode ser bastante complicado. Algumas razões justificam esta escassez, como o método de produção, nesse caso, mais trabalhoso, impactando diretamente no valor final da garrafa que chega à sua mesa.

Tudo bem. As opções podem não ser abundantes, mas elas existem, e são brasileiras! Conheça o Aurora Colheita Tardia, elaborado pela Vinícola Aurora, que entre vinhos finos, garrafões, geleias, sucos e cosméticos, é responsável por uma combinação deliciosa de Semillon e Malvasia Bianca, resultado de um método conhecido como colheita tardia.

A colheita tardia

Para quem não conhece o termo “colheita tardia”, o significado é simples: trata-se da elaboração à partir de uvas que são deixadas na videira várias semanas após a data ideal de colheita. Este processo resulta na desidratação e no consequente aumento da concentração, deixando-as mais concentradas, ricas em açúcar, quase passificadas no pé. O resultado é um vinho com uma coloração mais dourada, de aromas delicados de flor de laranjeira, maracujá e mel. Doce, mas sem ser enjoativo. Na boca é untuoso, com um leve amargor no final, mas nada que prejudique a boa impressão final.

E olha só: cada garrafa sai por cerca de R$ 15 nos principais supermercados – e vale cada centavo. Uma boa pedida para fechar uma refeição, com sobremesas mais leves a base de frutas, ou até mesmo puro, bem geladinho, depois daquele almoço de domingo.

ONDE COMPRAR:

 No site da Aurora, Imigrantes Bebidas, Pão de Açúcar  e principais supermercados