International Sherry Week uma semana inteira para celebrar Jerez!

Celebrada desde 2014, a International Sherry Week acontece de 2 a 8 de novembro com uma agenda repleta de eventos

Em sua 7ª edição, a Semana Internacional do Jerez reunirá uma vibrante comunidade de amantes dos vinhos de Jerez em uma miríade de eventos inspiradores, que acontecem tanto online quanto de forma presencial em mais de 30 países.

Durante esta celebração única, que ocorre entre os dias 02 e 08 de Novembro, os diferentes estilos de Jerez são apresentados por meio de degustações, harmonizações, palestras, masterclas e outros eventos organizados por bares, restaurantes e importadores em todo o mundo.

E você, sabe o que é um Jerez? De forma bem generalista, podemos dizer que o Jerez é vinho fortificado produzido no sul da Espanha com uma variedade típica de lá, a palomino fino, e que passa por envelhecimento em barricas de carvalho, usando uma mistura de várias safras na sua elaboração. Pode parecer simples, mas não é bem assim.

O Jerez é também um vinho de muitos estilos, com certas particularidades em sua elaboração que definem cada um dos tipos – trata-se de uma bebida com muita história, versátil para harmonização e uma opção a mais para você que curte vinhos e quer ampliar o repertório – para aqueles que já conhecem, fica o convite para manter o consumo.

Pois tanta diversidade de estilos, cores e sabores acabam por afugentar quem está começando neste universo – o preço no Brasil também desanima o consumidor iniciante, e por estas razões inicitivas como esta de promoção da bebida merecem divulgação.

Em linhas gerais, temos os seguintes estilos e famílias de Jerez:

Secos – Manzanilla, Fino, Amontillado, Oloroso, Palo Cortado são opções de Jerez secos. O tipo Fino são vinhos pálidos, leves, delicados e refrescantes e os Oloroso, mais estruturados, complexos, intensos e saborosos. Na taça são fáceis de identificar, um é branco e outro mais escuro, tom de âmbar.

Doces – Pale Cream, Medium, Cream, Moscatel e Pedro Ximenez.

No estilo Fino, ocorre um fenômeno tipicamente associado ao local, que é a formação, dentro dos barris, de uma película na superfície do líquido que o protege contra a oxidação.

Essa película protetora é uma espécie de véu de leveduras naturais que se forma na superfície da bebida em condições muito específicas e é chamada de véu de flor. No estilo Fino, esse véu garante ao vinho Jerez seus tons claros, aromas delicados e um paladar mais seco e refinado. O estilo Manzanilla tem características bem semelhantes ao Fino mas é produzido apenas na cidade de Sanlúcar de Barrameda, ao noroeste de Jerez de la Fronteira

Tanto o Fino quanto o Manzanilla são mais delicados e recomenda-se consumir rapidamente após aberto. Ideais para beber mais gelado, abrindo a refeição, ou combinando perfeitamente com as entradas típicas da cozinha espanhola como as tapas, azeitonas, anchovas, gazpacho, jamón e até mesmo com comida japonesa como sashimis e temakis, peixes e frutos do mar.

Já o Oloroso, por apresentar mais álcool, não acontece o fenômeno do véu de flor e o vinho fica exposto à oxidação. Por conta disso, possui uma coloração bastante intensa e um sabor mais marcante, ideal para acompanhar pratos mais condimentados. Destaca-se pelos aromas de avelã, nozes e amêndoa, assim como damasco e figo. É uma deliciosa opção para servir com pratos mais pesados como cassarolas e ensopados de carne, e, principalmente, rabada. Indica-se que seja servido em torno de 12° e 14°C.

Além dos estilos de Jerez mencionados anteriormente, temos também o Amontillado, um intermediário entre eles. Esse estilo é produzido inicialmente como um Fino, mas permanecem em barricas por um tempo maior. Com isso, o teor de álcool vai aumentando e o véu de flor vai diminuindo, permitindo um processo gradual de oxidação ao vinho. É uma ótima opção para servir com pratos agridoce e queijos mais maduros.

Por fim, temos o Pedro Ximenez, um Jerez doce, bem escuro e denso que leva o nome da uva Pedro Ximenez, uma uva branca de pele muito fina deixada para secar ao sol, concentrando seus sabores, aromas e açúcares. Com notas florais e aromas de mel e frutas secas, é bastante encorpado e escuro, muito versátil, sendo a opção ideal para servir com sobremesas a base de frutas e até sorvetes, à temperatura de 10° e 12°C.

E agora? Como faço para participar das atividades?

Até o momento são mais de 40 eventos registrados no Brasil. A agenda completa de degustações, eventos online e menus harmonizados você encontra aqui, no site oficial do evento. Os sites Loucos por Jerez e Provinho estão com uma programação bem detalhada de atividades, assim como a Vejinha SP que divulga alguns dos eventos imperdíveis nos bares da cidade.

Onde comprar Jerez?

Diversas lojas e importadoras estão com condições diferenciadas para a semana do Jerez. Confira algumas opções, vale o investimento:

Um clássico do mercado, Tio Pepe é um dos vinhos espanhóis mais exportados do País. Produzido pela tradicional Gonzalez Byass, é fermentado em tanques de aço inoxidável e segue para amadurecimento em tonéis de carvalho sob o sistema de “criaderas y solera” durante cerca de 4 anos. Está em promoção na Casa das Bebidas, a garrafa de 750ml sai R$ 149,90

Outro clássico da Gonzalez Byass, o Solera 1847 Jerez Dulce é elaborado com 75% de Palomino Fino e 25% de Pedro Ximénez, amadurecendo 8 anos no sistema de solera. Destaca-se pela coloração âmbar brilhante e aromas de frutos secos e em compota, figos, notas florais e de especiarias doces. Surpreende pelo bom equilíbrio entre acidez e doçura, nada enjoativo. Disponível na Casa da Bebida, R$ 149,90 a garrafa de 750ml

A Zahil é uma das importadoras mais atuantes durante esta semana – o sommelier Bernardo Pinto é grande entusiasta e um dos embaixadores da bebida, promovendo diversas atividades Brasil afora. Os rótulos do portfolio estão com 15% de desconto, entre eles o Hijos de Rainera Perez Marin/La Guita – La Guita – 375 ml, que sai de R$ 109,00 por R$ 92,65.

A Belle Cave importa com exclusividade os vinhos da Sánchez Romate, uma das poucas bodegas que permanecem até hoje em mãos de proprietários Jerezanos. Jerez Fino de envelhecimento prolongado, superior a 8 anos, sacados de uma solera de apenas 15 barricas e engarrafado “en rama”, com o mínimo de estabilização e sem filtração. Muito interessante. Custa R$ 177,00 no site da importadora.

Opção interessante da Portus Cale, o Xeco Fino tem uma proposta mais informal – como todos os Finos, vai bem com uma infinidade de petiscos, mas aqui fica como opção para sexta-feira à noite no sofá, pizza, Netflix na televisão e um Fino gelado à mão. Beba gelado, seja diretamente em um copo de vinho ou misturado com uma tônica ou limonada de boa qualidade. Custa R$ 160,00 no site da importadora

O que esperar nas prateleiras em 2018?

Tendências 2018 (4)

Fique atento às principais tendências de consumo no mundo do vinho, que certamente vão refletir em boas oportunidades de compra por aqui. São dicas valiosas, apontadas por diversos sites e publicações de vários países que dão um norte do que esperar para este ano que promete ser intenso em novidades no mercado:

1. As garrafas magnum 

Diversos sites apontam esta como uma das principais tendências para o ano. De acordo com a importadora Grand Cru, as garrafas magnum, com capacidade para 1,5 litros, são uma ótima opção para grandes eventos, como festas de casamento. Além de chamarem atenção pelo tamanho, oferecem um bom custo-benefício, pois às vezes, têm preço mais baixo do que duas garrafas de 750 ml.

01_Club Carmenére 1500ml            Club des Sommeliers Carménère 1500ml (Pão de Açúcar, R$ 46,25)

2. Vinhos do leste europeu no centro das atenções

Especialistas acreditam que neste ano as variedades menos comerciais, provenientes de países desconhecidos no mundo dos vinhos, vão atrair a atenção dos consumidores. Neste cenário, os vinhos do leste europeu vão chamar a atenção e prometem ocupar um espaço maior nas gôndolas do mercado. Para ilustrar esta tendência, o Concours Mondial de Bruxelles, tradicional concurso que avalia e elege os melhores vinhos do mundo em diversos países, divulgou que entre 2015 e 2017, as inscrições de vinhos da Europa Oriental aumentaram 42,9%. Em 2017, dois países da Europa Oriental – Bulgária e República Checa – entraram na lista dos que conquistaram medalhas. Além dos tradicionais vinhos da Hungria, que já estão bem consolidados no mercado, há boas opções da Eslovênia já disponíveis por aqui:

02_Puklavec Delicious.Puklavec Delicious Branco (Vino Mundi, R$ 45,90) – Este vinho é uma mistura interessante das uvas Furmint, Welschriesling e um toque de Chardonnay. Destaca-se pela acidez “crocante”, muito suculento, perfeito para acompanhar frutos do mar, carnes brancas e saladas.

3. Vinhos Premium do Chile e da Argentina

Os vinhos do Chile e da Argentina sempre foram associados como bons e baratos por aqui. Atualmente ainda vale a máxima de que é possível encontrar rótulos com de boa qualidade a preços bem abaixo da média. Mas o destaque deste ano vai para os vinhos de alta gama da América do Sul, com enorme potencial em nosso mercado. Vinícolas chilenas e argentinas apostam cada vez mais em qualidade, conseguindo avaliações muito positivas em guias de pontuação internacionais com seus rótulos mais icônicos. O Vivino, maior aplicativo de vinhos do mundo, confirma esta tendência para o ano: de acordo com seu ranking anual Wine Style Awards, que destaca as preferências de seus 26 milhões de usuários mundo afora,  o melhor vinho do ano foi o Viña Cobos Volturno 2010, disponível no Brasil por R$ 1.799,00! Mas não é preciso investir esta pequena fortuna para saber do que estamos falando. Marcelo Retamal, enólogo chileno considerado um dos 30 mais influentes do mundo, lançou seu projeto pessoal Viñedos de Alcohuaz com vinhos que simbolizam esta nova fase do Chile. Experimente o VIÑEDOS DE ALCOHUAZ GRUS 2014, um interessante blend de Syrah, Garnacha,  Malbec e Petit Syrah, que recebeu 95 Pontos no guia DESCORCHADOS –  além de ter sido eleita Vinícola Revelação do Ano!

03_Grus.Viñedos de Alcohuaz Grus (Decanter, R$ 232,10)

4. Os drinks feitos com vinho vieram para ficar

Como já bem pontuou o blog da Grand Cru, “Se a coquetelaria reviveu os seus momentos de glória nos últimos anos, os vinhos aproveitaram a carona e ganharam espaço de destaque do outro lado do bar.” Indo na onda do sucesso do Aperol Spritz, os drinks feitos com espumantes decolaram, assim como a Sangria, o Clericot e o Porto Tonic, todos com vinho como ingrediente principal. Tudo indica que a tendência permanece neste ano e que os consumidores se preocupam cada vez mais com a qualidade do vinho utilizado na coquetelaria.

Encontre no blog da Grand Cru um guia completo com 9 receitas de drinks com vinho ou compre uma garrafa de Bossa Bellini, já prontinho para abrir!

4_Bossa Bellini.Bossa Nº6 Bellini (Decanter, R$ 49,90)

5. Embalagens alternativas e lugares inusitados 

Uma das situações que mais me empolgam nesta jornada é observar o vinho tirando o paletó e se apresentando em trajes cada vez mais informais ao mercado. Se antes abrir uma garrafa de vinho estava reservado a momentos especiais, como um jantar romântico ou brinde de comemoração, agora chegou a vez de brindar também os momentos mais triviais – uma taça em casa quando chega do trabalho, acompanhando uma refeição simples do dia a dia ou um despretensioso piquenique no parque, por exemplo. Para companhar esta tendência, é possível encontrar com mais frequência vinhos em embalagens práticas, como Bag-In-Box, e a consolidação da vedação de rosca para vinhos do dia-a-dia, que facilitam e muito o serviço. Fora do Brasil é possível observar esta tendência com o aumento de boas opções de vinho em lata, em embalagem Tetra Pack e até em Barris, como destacou o Washinton Post em seu artigo sobre tendências para o ano.

05_Arbo.ARBO Merlot 3 Litros (Pão de Açúcar, R$ 79,90) Tinto elaborado pela Vinícola Perini em farroupilha, Rio Grande do Sul, é daqueles vinhos para ter sempre em casa. Feito com a uva Merlot, é frutado, leve e tem pouco álcool, o que facilita o consumo diário (aquela tacinha do final do dia). 3 litros equivalem a 4 garrafas de 750ml, fica menos de 20,00 a unidade. Compensa, não?

6. A revolução do vinho orgânico e natural continuará em 2018

Outra tendência que parece seguir forte neste ano é o aumento no consumo de vinhos orgânicos, naturais e biodinâmicos. O já citado Concours Mondial de Bruxelles menciona que Os consumidores estão mais experientes e curiosos quanto ao que se passa no vinho que consomem. Assim como os foodies se concentram no que está nos seus pratos, os amantes do vinho procuram vinhos feitos com atenção aos detalhes”. Ao longo dos últimos 3 anos o famoso concurso observou um notável crescimento de quase 80% nas inscrições de vinhos orgânicos e biodinâmicos, resultado do forte interesse dos consumidores em ambas as categorias. Esta tendência está super alinhada com a preocupação cada vez maior por uma alimentação saudável, pela procura por ingredientes frescos e sazonais, pelo crescimento de restaurantes e empórios dedicados exclusivamente a insumos orgânicos e pela busca de produtores com fortes vínculos regionais.

06_Adobe Emiliana.Emiliana Adobe Reserva Cabernet Sauvignon (Vino Mundi, R$ 48,90)

7. Você vai comprar mais vinho online

Diversos artigos mencionam a força do online também para o universo do vinho e por aqui não parece ser diferente. A Wine.com e a Evino são destaques neste segmento e estão investindo cada vez mais para conversar com este consumidor, muitos deles iniciantes no vinho. A Wine.com, que tem como acionista o empresário Abilio Dinis, abriu recentemente o Vinho Fácil, site com descontos agressivos em vinhos bem interessantes, de uma seleção enxuta mas atualizada com frequência. Fique atento também aos clubes de assinatura, que são uma excelente oportunidade para conhecer novos rótulos, garimpados por especialistas e entregues mensalmente no conforto de casa.  A Wine.com foi pioneira no formato e hoje já está disponível em diversas importadoras e supermercados, como o Pão de Açúcar por exemplo.

07_Toro LocoToro Loco Crianza (wine.com, de R$ 61,07 por R$ 51,91) – Um dos rótulos de maior sucesso da importadora. Feito na Espanha com as uvas Tempranillo (90%) e Cabernet Sauvignon (10%), tem médio corpo, taninos macios e acidez na medida, com final bem agradável.

8. Vamos consumir mais vinhos portugueses

A invasão de rótulos portugueses de bom custo benefício nas prateleiras dos supermercados não pode ser ignorada. A Viniportugal, Associação do setor encarregada de promover a imagem do país, tem feito um trabalho muito consistente por aqui através de palestras, cursos e degustações com os profissionais e consumidores. Isto significa mais informação sobre uvas e estilos característicos e únicos de Portugal e consequentemente vinhos mais interessantes disponíveis no mercado – muito além dos já conhecidos Casal Garcia Vinho Verde e Periquita, que abriram o mercado.

08_Atlantico.Atlântico tinto (Mambo, R$ 39,90) – Tinto português que representa bem a nova cara de Portugal: rótulos modernos, informações mais claras e preço convidativo. Este aqui é feito com as uvas Alicante Bouschet, Aragonês e Trincadeira, com breve estágio em madeira. Simples, despretensioso e fácil de beber.

9. Maior procura por vinhos de sobremesa

De acordo com o Vivino, surpreende o fato do melhor vinho do ano, eleito pelo público,  ter sido um vinho de sobremesa: tudo bem que estamos falando do icônico Chateau d’Yquem’s 1976 Sauternes, mas o resultado é considerado animador para valorização deste estilo de vinho. Este resultado é positivo em diversos aspectos: estimula os clientes mais reticentes a provar uma taça, ajuda a promover a bebida como opção também para pratos salgados e desmistifica que vinho de sobremesa é somente para quem não gosta de vinho, coisa de “mulherzinha” ou de quem não conhece ou aprecia vinho de verdade. Vamos tomar vinho de sobremesa sim! Este aqui é brasileiro e nunca decepciona:

09_Aurora late harvestAurora Colheita Tardia Branco 500 ml (imigrantes bebidas, R$ 21,99)

10 – Jerez conquista o seu espaço

O site Drink Business, entre outras fontes, destaca novamente a ascensão do Jerez em 2018. Longe de ser novidade, o gosto pelo Jerez permaneceu durante muito tempo restrito a um seleto grupo de aficionados. Antes relacionada como bebida favorita da vovó, agora é vista com frequência nas mãos da geração mais nova. Este sucesso pode ser atribuído em partes pelo renascimento da coquetelaria, que vem utilizando Jerez e outros vinhos fortificados em diversas receitas de drinks – fenômeno também observado com vinho do Porto branco, em refrescantes preparos de Portonic.

10_Jerez La InaJerez Fino La Ina 375ml (Vinci, R$ 82,26) Nunca experimentou Jerez? Comece pelas opções de meia garrafa. Este aqui é bem “expressivo, rico, complexo e equilibrado”, segundo o respeitado guia de vinhos espanhol Guía Peñin.

 11. O movimento “zero açúcar” continua a despertar interesse

No caminho oposto ao dos vinhos doces, destaca-se também os espumantes sem adição de açúcar. Conhecidos como Brut Nature, Sauvage ou Zero Dosage, indicam que quase todo o açúcar do vinho foi fermentado e não há a adição do licor de expedição – uma mistura de vinho adocicado que determina a doçura e estilo do espumante (Brut, Demi Sec, Sec entre outros). Este estilo sempre existiu, mas ganhou notoriedade nos últimos anos e parece se consolidar em 2018. Prova disso é o sucesso no mercado do Lirica Crua, espumante nacional eleito como o melhor do Brasil por diversos especialistas:

11_Lirica CruaLirica Crua (Decanter, R$ 76,40) – Feito com 80% Chardonnay, 10% Gouveio e 10% Pinot Noir, tem na taça certa turbidez devido à presença das leveduras, com bolhas muito finas e persistentes. Na boca tem ótima cremosidade e frescor, além de loooonga persistência.

12. Destaque para a ascensão da Tannat:

O Vivino, já mencionado anteriormente, aponta também o crescimento da uva Tannat no cenário global. Para nós, brasileiros, isto não parece bem uma novidade, mas a previsão é válida e é possível encontrar grande variedade de rótulos com esta uva típica do Uruguai. A escritora de vinhos e especialista Amanda Barnes, diz: “Não subestime a Tannat. Atualmente há uma enorme variedade de rótulos com Tannat do Uruguai – está em todas as regiões vitivinícolas do país e é possível encontrá-la em um vinho tinto concentrado e rico, em um vinho tinto magro e mineral, em um rosé picante e até mesmo em espumantes. Tannat pode ter sido apenas uma vértebra na espinha de Bordeaux, mas é a espinha dorsal do Uruguai “.

12_Brisas del EsteBrisas Del Este Tannat (Wine.com, de R$ R$53,82 por R$ 45,75) – Elaborado pela moderna Bodega Brisas com a uva Tannat, introduzida no Uruguai pelos colonos bascos e cultivada desde então com crescente entusiasmo e expertise. 

Fontes:

  • Blog Grand Cru – “Tendências do mundo do vinho em 2018”
  • Bloomberg – “seven ways the wine world will change in 2018”
  • Forbes – “expert predictions for the wine trends that will shape 2018”
  • Vivino – “wine trends what we learned in 2017 and predictions for 2018”
  • Washington Post – “wine trends for 2018”
  • The Drink Business – “top wine trends for 2018”