Mais uma chance ao Valpolicella

Ótima abordagem feita pela super competente sommelière Alexandra Corvo sobre os (injustamente) difamados vinhos Valpolicella, publicado no caderno Comida da Folha de S.Paulo. Opinião que compartilho e que vale a pena reforçar por aqui! Confira a matéria na íntegra clicando aqui.

“Há várias teorias sobre o nome da região de Valpolicella – já ouvi que significaria “o vale das muitas caves”. Mas há outras versões, como “vale das muitas frutas” ou “vale muito abençoado”. Nos anos 70, muito do vinho produzido ali não representava nada da riqueza viticultural da região. Estamos no Vêneto, onde o clima é fresco, mas os verões são ensolarados e amadurecem bem suas uvas autóctones: a corvina, grande uva tinta que aporta os aromas de frutas vermelhas e especiarias. Ela vem em cortes com rondinela, que dá a estrutura, e molinara, que contribui com a acidez. O jogo tende a dar vinhos com notas de cravo, couro, frutas pretas e boca cheia. Mas sofreu com o excesso de produção.

A consequência: depois de 20 anos de produção inconsistente, o vinho da Valpolicella virou sinônimo de pouca qualidade. Um passeio pelas gôndolas de supermercados me geraram desconfiança pelos baixos preços. Mesmo assim, peguei dois aleatoriamente. Comprei também rótulos de produtores mais famosos pela qualidade e degustei seis deles às cegas. O resultado foi surpreendente. Um deles era realmente diluído e outro, evidentemente de nível superior. Outros dois mostravam ótimos aromas de fruta, boca simples, frutada, sem complexidade, mas totalmente corretos. A grata surpresa: eram os dois abaixo de R$ 30.

A conclusão: mesmo que alguns vinhos tenham tido suas fases obscuras, muitos produtores estão acordando para o fato de que o consumidor está mais exigente e precisa de vinhos melhores.” Por Alexandra Corvo

Cesari: notas de anis, geléia de fruta e tabaco doce. Cheio, redondo, bem firme. (Max Brands, R$ 57,83)

Valdorella: Superfrutado com toque de groselha e canela, simples e bem-feito. Boca frutada e delicada, com taninos firmes. (Pão de Açúcar, R$ 27,90)

Clube dos Sommeliers: Fruta, geléia de morango e toque balsâmico. Taninos e álcool bem integrados. (Pão de Açúcar, R$ 25,90)

5 tendências para degustar em 2012

Todo começo de ano sempre vem cheio de listas e previsões e o mercado de vinhos não poderia ser diferente. Aproveitando o embalo, preparei um resumo com as cinco principais tendências anunciadas por diferentes publicações de vinhos (a que inspirou o post está aqui). Entre todas as apostas, ainda é cedo para descobrir o que realmente vai vingar. Por isso, talvez um bom começo seja degustar um pouco dessas tendências e tirar suas próprias conclusões:

1) Consumo de vinhos locais: As constantes campanhas para reduzir a emissão de carbono e incentivar o consumo de produtos cultivados localmente têm se estendido para a indústria do vinho e deve ganhar popularidade em 2012. Uma ótima oportunidade para dar uma chance a um novo vinho nacional.

2) Menor teor de álcool – Os chamados “vinhos do Novo Mundo”, com uvas sobremaduras e alto teor alcoólico, estão perdendo popularidade para opções mais clássicas e elegantes, com teor de álcool abaixo de 14%. Um retorno à tradição, marcado por vinhos mais saborosos e equilibrados.      

3) Borgonha é o novo Bordeaux – Na medida em que os preços dos vinhos de Bordeaux continuam a subir, mais consumidores optam por vinhos da Borgonha. De acordo com este artigo da Bloomberg, a região vem se estabelecendo como a estrela de leilões realizados em todas as partes do mundo, de Nova York a Hong Kong.

4) Vinhos sustentáveis – A evidência do tema sustentabilidade tem levado cada vez mais enólogos a experimentar técnicas naturais de vinificação. A Nova Zelândia está no caminho de se tornar o primeiro país com uma indústria do vinho 100% sustentável em 2012 e os demais países estão seguindo este caminho.

5) Valor – Consumidores continuarão a procurar vinhos com bom custo benefício, que ofereçam valor agregado ao seu preço. Neste sentido, regiões como a América do Sul, Austrália e Espanha devem se destacar. Exemplo: vinhos espanhóis que misturam cepas francesas como Chardonnay e Cabernet Sauvignon com variedades espanholas.

O vinho do peru

Um dos maiores desafios durante os preparativos da ceia de Natal é escolher os vinhos que harmonizem com o tradicional peru, entre todos os demais  pratos típicos desta data. Para facilitar este momento, confira algumas opções interessantes para acompanhar as principais delícias natalinas:

Para as entradas, como castanhas, nozes e saladas de maionese:

Para os aperitivos, como as castanhas, nozes, amêndoas e a famosa maionese de Natal, prefira os espumantes brut ou brancos leves com boa acidez, que ajudam a amenizar a sensação de gordura no paladar:

1) Gato Negro Sauvignon Blanc, Chile (Imigrantes Bebidas, R$16,99)

2) Freixenet Tournée Brut, Espanha (Imigrantes Bebidas, R$20,99)

3) Orvietto Docg Piccini, Itália (Imp. Vinci, R$30,25)

4) Andeluna Torrontés, Argentina (Imp. World Wine, R$36,00)

5) Mionetto Vivo Rosé, Itália (Imp. World Wine, R$48,00)

Para acompanhar os peixes e crustáceos:

Para este que é um dos pratos mais tradicionais na ceia de final de ano, os vinhos brancos são a companhia ideal, uma vez que os taninos do vinho tinto podem torná-lo metalizado quando combinados com o sabor marcante e o toque iodado dos pescados. Alguns tintos leves, por outro lado, podem acompanhar perfeitamente peixes com sabores mais intensos. Peixes mais gordurosos vão bem com um vinho com maior acidez, como os brancos elaborados com  Sauvignon Blanc:

1) Luis Felipe Edwards Chardonnay, Chile (Pão de Açúcar, R$19,15)

2) Robertson Chenin Blanc, África do Sul (Imp. Vinci, R$25,18)

3) Altas Cumbres Viognier, Argentina (Pão de Açúcar, R$29,00)

4) Urban Sauvignon Blanc, Argentina (Imp. Vinci, R$29,57)

5) Rio Bio Reserva Pinot Noir, Chile (Imp. Expand, R$39,80)

Para acompanhar pratos à base de bacalhau:

O bacalhau faz parte de diversas datas comemorativas, reflexo da herança cultural deixada pelos nossos amigos portugueses. Tradicionalmente assado em postas, desfiado com batatas ou somente preparado com azeite, pede vinhos brancos mais encorpados, tintos com boa acidez ou tintos mais envelhecidos, já com os taninos bem macios:

1) Grandjó Douro Branco, Portugal (Imigrantes Bebidas, R$24,99)

2) Aurora Reserva Chardonnay, Brasil (Imigrantes Bebidas, R$28,99)

3) Terrazas Alto Chardonnay, Chile (Imigrantes Bebidas, R$33,99)

4) Viña Borgia, Espanha (Imp. World Wine, R$35,00)

5) Rio de los Pájaros Pinot Noir, Uruguai (Imp. Mistral, R$39,71)

Para acompanhar Peru e Chester:

Peru e Chester são aves de carne macia e delicada, que pedem tintos de médio corpo ou brancos mais estruturados. Como esta época do ano é marcada pelas altas temperaturas, os vinhos rosés também são uma ótima alternativa para acompanhar estas delícias natalinas:

1) Petirrojo Merlot, Argentina (Imp. World Wine, R$28,00)

2) Crios Rosé Malbec, Argentina (Imigrantes Bebidas, R$29,99)

3) Duetto Casa Valduga Sangiovese/Barbera, Brasil (Imigrantes Bebidas, R$33,99)

4) Catamayor Viognier Reserva, Uruguai (Imp. World Wine, R$42,00)

5) Château Bel Air, França (Imp. Mistral, R$46,47)

Para acompanhar Tender:

O tender, presença obrigatória nas festas de fim de ano, é muito saboroso e caracteriza-se pelo toque defumado. Na maioria das vezes, o molho do tender é doce, combinando melhor com um tinto leve e cheio de fruta:

1) Tilia Merlot, Argentina (Imp. Vinci, R$26,87)

2) Altosur Merlot, Argentina (Imp. Word Wine, R$29,00)

3) Urban Uco Tempranillo, Argentina (Imp. Vinci, R$37,01)

4) La Vieille Ferme Rouge, França (Imp. World Wine, R$45,00)

5) Poggiotondo IGT Toscana Rosso, Itália (Imp. World Wine, R$48,00)

Para acompanhar Pernil e Leitão

Muito saborosas, os cortes suínos geralmente pedem vinhos tintos mais estruturados, rico em taninos e com boa acidez, para contrapor a gordura. A exceção fica com o lombo e as carnes mais claras, que combinam muito bem com diversas opções de brancos:

1) Tarapacá Cosecha Malbec, Argentina (Imigrantes Bebidas, R$17,99)

2) Postales Del Fin Del Mundo Malbec/Shiraz, Argentina (Imigrantes Bebidas, R$28,99)

3) Château Los Boldos Cabernet Tradition, Chile (Imp. World Wine, R$33,00)

4) Armador Carmenère, Chile (Imp. World Wine, R$39,00)

5) Cusumano Syrah, Itália (Imigrantes Bebidas, R$43,99)

Para acompanhar o doce Panettone, o bolo de reis e a rabanada:

O Panettone nasceu na Itália e é indispensável nas festas de fim de ano, em diversos  países do mundo. Trazido ao Brasil por imigrantes Italianos durante a Segunda Guerra Mundial, é tradicionalmente feito com frutas cristalizadas e uvas-passas, mas já é possível encontrar inúmeras variações, igualmente deliciosas. A melhor opção para acompanhar o Panettone (e os demais doces similares) são os vinhos delicados e levemente doces, como o Moscato d´Asti ou vinhos leves de colheita tardia. Já a rabanada, por ser bastante doce, pede vinhos de sobremesa bem ricos, com bastante açúcar residual, como os vinhos do Porto:

1) Espumante Salton Moscatel, Brasil (Imigrantes Bebidas, R$19,99)

2) Tarapacá Late Harvest, Chile (Imigrantes Bebidas, R$29,99)

3) Porto Messias Ruby, Portugal (Imigrantes Bebidas, R$37,99)

4) Valdouro Tawny, Portugal (Imigrantes Bebidas, R$41,99)

5) Batasiolo Moscato D’Asti (Imigrantes Bebidas, R$43,99)


Seleção de bons e baratos da revista Veja

A revista Veja publicou na edição desta semana o resultado de uma avaliação de vinhos feita pela Associação ProTeste  junto com sommeliers e consumidores. A avaliação foi feita com vinhos nacionais, europeus e sulamericanos que custam até R$ 60,00 em supermercados, adegas e importadoras. Valeu para reforçar a idéia de que nem sempre preço é sinônimo de qualidade e que é possível sim encontrar bons vinhos a preços convidativos. Confira aqui os primeiros colocados deste ranking e corra para tirar suas próprias conclusões! 😉

 

1) GRÃO VASCO

Origem: Portugal

Um assemblage, ou seja, uma mistura de diferentes uvas, foi o rótulo mais bem aceito pelos consumidores. “ Com um aroma agradável de frutas secas, ele vem do Dão, uma região antiga e famosa por produzir vinhos com excelência”, diz o consultor enogastronômico Joel Guérin, um dos participantes do teste.

2) NIETO SENETINER RESERVA CABERNET SAUVIGNON 

Origem: Argentina

Graças ao aroma e ao sabor persistentes, este Cabernet Sauvignon foi o mais bem classificado entre os sommeliers. “Ele é encorpado e, assim como o Grão Vasco, tem um agradável aroma de frutas secas”, diz Guérin.

3) SANTA HELENA RESERVADO CABERNET SAUVIGNON

Origem: Chile

Seco, este Cabernet Sauvignon foi avaliado como um vinho correto, de média intensidade e aroma frutado.

4) GRANDJÓ

Origem: Portugal

Da região do Douro, tradicionalmente conhecida pela produção de vinhos do Porto, tem aromas vegetais que se sobrepõem aos das frutas, o que é um fator positivo – quanto mais aromas, mais interessante é a bebida.

5) LATITUD 33 MALBEC

Origem: Argentina

De Mendoza, uma das regiões mais tradicionais da Argentina para vinhos de qualidade, é feito de Malbec, a uva que melhor se desenvolve no país. “É um vinho simples, porém correto e agradável”, resume Guérin.

6) SANTA CAROLINA RESERVADO CABERNET SAUVIGNON

Origem: Chile

Um Cabernet Sauvignon meio seco, foi considerado o melhor vinho no quesito custo-benefício – apesar de, na opinião dos sommeliers, ser pouco encorpado. “Na boca, é um vinho simples, de taninos suaves”, avalia Guérin.

7) PAULO LAUREANO

Origem: Portugal

Segundo colocado na opinião os consumidores, este vinho seco ficou em sétimo lugar porque, de acordo com os especialistas, tem pouco corpo e um aroma de baixa persistência.

8)AURORA VARIETAL CABERNET SAUVIGNON

Origem: Brasil

Elaborado com Cabernet Sauvignon, foi considerado um vinho simples, porém correto.

9) BOLLA VALPOLICELLA

Origem: Itália

Mistura de uvas como a Corvina e a Rondinella, agradou aos consumidores, mas foi avaliado pelos especialistas como simples e pouco encorpado.

10) MORANDÉ PIONERO

Origem: Chile

Primeiro colocado na análise laboratorial, este Carmenére foi descrito como pouco aromático e com alto teor alcoólico.

ONDE COMPRAR:

Pão de Açúcar, Imigrantes Bebidas, Adega Alentejana e principais supermercados.

 

O barato do Natal

Quer presentear seu amigo secreto, namorado, esposa e amigos com um vinho legal, sem comprometer o orçamento? Confira ótimas sugestões de presentes para você não ter dor de cabeça com as compras de final de ano:

KIT VALES DO CHILE

Preparado pela Expand, este kit é composto por uma garrafa do chileno Don Arturo Cabernet Sauvignon e uma de Don Arturo Carmenére em uma bonita embalagem para duas garrafas. Ideal para os amantes de vinhos tintos mais encorpados.

Onde comprar:

–  Importadora Expand (vários endereços)

Preço sugerido: R$ 38,00

  

KIT PIONERO

Também da Expand, este Kit vem com dois tintos da inovadora vinícola chilena Morandé. Composto por uma garrafa de Pionero Cabernet Sauvignon e uma garrafa de Pionero Pinot Noir em caixa para presente, é uma ótima opção para acertar na escolha do amigo secreto, já que são vinhos de estilos bem diferentes.

Onde comprar:

– Importadora Expand (vários endereços)

Preço sugerido: R$ 48,00

KIT ECCO

Mais uma opção da Expand, desta vez para agradar em cheio os apreciadores de espumantes. O kit vem com uma garrafa de Prosecco Ecco em caixa para presente, uma opção bem versátil para surpreender amigos e familiares

Onde comprar:

– Importadora Expand (vários endereços)

Preço sugerido: R$ 45,00

                                                                                                                                                           KIT SALTON

A Salton tem  uma opção bem interessante de espumante e taças para presentear. O Kit, composto por uma garrafa de espumante Salton Brut e duas taças exclusivas em embalagem para presente, é encontrado facilmente em lojas e supermercados.

Onde comprar:

– Imigrantes bebidas

Preço sugerido: R$ 35,99

                                                                                                                                                       KIT AURORA

Para quem prefere espumantes mais doces, a Aurora preparou um kit  com uma garrafa de espumante Aurora Moscatel e duas taças em embalagem para presente. Combina muito bem com frutas secas e sobremesas mais leves, ótima opção para acompanhar as comidinhas típicas do Natal.

Onde comprar:

– Imigrantes bebidas

Preço sugerido: R$ 34,99

KIT VEUVE DU VERNAY BABY

Um achado este kit de três garrafas de espumante francês Veuve Du Vernay 200 ml! Uma opção muito legal para presentear aqueles que curtem espumantes e não dispensam um presentinho em embalagem toda especial.

Onde comprar: Winestore

Preço sugerido: R$ 25,29

Itália para menores de 50

Itália reveza com a França o título de maior exportador de vinhos do mundo. De norte a sul do país, é possível encontrar uma impressionante quantidade de rótulos de boa qualidade, dos mais variados estilos e elaborados com uvas muito características, dificilmente encontradas em outros países.

As regiões vinícolas de maior prestígio são o Piemonte e a Toscana, porém, estas são responsáveis por apenas 10% de todo vinho produzido no país, dando espaço a gratas surpresas de outras regiões. Lugares como Sicília, Úmbria e Campânia guardam descobertas interessantes e já produzem vinhos de alta qualidade, com reconhecimento mundial e destaque nas mais importantes publicações do setor.

 Os vinhos do sul da Itália destacam-se neste cenário. Com clima quente e terrenos únicos, são incrivelmente saborosos, exuberantes e perfeitos para acompanhar comida. Confira três deliciosas sugestões:

Feudi di San Marzano Primitivo Puglia IGT

A Feudi di San Marzano encontra-se na região de Salento, na Puglia. Este tinto elaborado com a uva Primitivo tem intensos aromas de frutas vermelhas, como ameixa e cereja, notas herbáceas e agradáveis toques de baunilha. Com boa estrutura, é ótimo para acompanhar carnes vermelhas grelhadas, assadas e queijos de média maturação.

Masseria Trajone Nero d’Ávola

A uva Nero d’Avola é uma da grandes descobertas da Sicilia, originando vinhos saborosos, cheios de fruta e perfeitos para acompanhar comida. Este, elaborado pela Masseria Trajone, é um verdadeiro achado, de excelente relação qualidade/preço. Experimente com carnes grelhadas, carnes de caça, risoto de funghi e ossobuco.

Boccantino Montepulciano D´Abruzzo
 
Este rótulo é uma boa e acessível amostra dos cada vez mais comentados vinhos Montepulciano D’Abruzzo. Elaborado com a uva Montepulciano, apresenta aromas discretos de ameixas e cerejas e uma acidez agradável, ideal  para acompanhar pratos mais simples. Experimente com aquela pizza de domingo ou dividindo uma tábua de queijos com os amigos.

ONDE COMPRAR:

 Você encontra no Imigrantes Bebidas, wine.com, Pão de Açúcar, principais supermercados e lojas especializadas 

Primavera cor de rosa!

A primavera já chegou! E para refrescar o calor que se aproxima, nada melhor do um bom vinho rosé. Ainda pouco popular no Brasil, esse estilo de vinho começou a chegar por aqui nas décadas de 70 e 80. Infelizmente, os primeiros rótulos eram de péssima qualidade, deixando um retrogosto amargo na reputação dos roses até os dias de hoje. Mas quem deixa o preconceito de lado pode se surpreender com uma bebida despretensiosa, leve, fresca e bastante flexível para acompanhar refeições. Entre os rosés mais conhecidos, estão os produzidos na região da Provence, na França. Além deles, Espanha, Itália, Portugal, Chile e Argentina vêm se destacando na produção desse tipo de vinho nos últimos anos.

O rosé é um vinho produzido por meio da maceração de uvas tintas que permanecem menos tempo em contato com as cascas. Nesse caso, o maior desafio dos produtores é equilibrar o frescor e a vivacidade dos vinhos brancos com os aromas intensos e frutados dos tintos. E é exatamente essa característica que torna os rosés um par perfeito para a culinária: eles não são tão leves quanto a maioria dos brancos nem tão complexos como um tinto encorpado. Vale lembrar que devem ser consumidos jovens, (em geral até três anos), bem refrescados, quase como vinhos brancos.

Então, por que não variar um pouco e escolher um rosé na sua próxima compra?  Não sabe por onde começar? Aí vão duas ótimas opções:

Andeluna Malbec Rosé

Elaborado na Argentina pela Andeluna Cellars, que se diferencia das demais vinícolas por sua capacidade de manter a tipicidade da Malbec, dando origem a um vinho fresco e extremamente equilibrado, com aromas delicados de cerejas, framboesas e toques florais. Esses cuidados acabam por diferenciar seus vinhos de vários outros disponíveis no mercado, inclusive em faixas superiores de preço.

Montelpuciano d’Abruzzo Cerasuolo

Da vinícola Vini Farnese, é elaborado com a uva Montelpuciano, típica do sul da Itália, tem aromas intensos e persistentes de frutas vermelhas, principalmente morangos. Fácil de beber, pode ser servido como aperitivo ou acompanhando carnes brancas, queijos, peixes grelhados e sopas de peixe.

ONDE COMPRAR:

Você encontra na importadora World Wine e lojas especializadas.