Vinho 365 | #316 – Miolo Gamay 2015

27-miolo

  • Miolo Gamay 2015, Brasil (Sup. Sonda, R$ 38,99)

Boa opção de vinho tinto leve, fácil de beber e disponível nos principais supermercados do país. Lançados pela Miolo Wine Group desde 2001, os rótulos dos vinhos Miolo Gamay são uma atração à parte: característica da linha, os produtos trazem obras de arte – até então de artistas brasileiros – que retratam a alegria, a festividade e a brasilidade. Foi assim com o ‘Abaporu’ de Tarsila do Amaral, quadro considerado símbolo do Movimento Modernista Brasileiro que estampou o rótulo do Miolo Gamay 2014.

Para a safra 2015 a Miolo conquistou a concessão para estampar uma obra do consagrado Vincent Van Gogh, pintor holandês considerado o maior representante do movimento Impressionista. O vinho segue o conceito francês ‘beaujolais nouveau’, que marca na França e em mais de 200 países a chegada da nova safra.

Elaborado na região da Campanha, Rio Grande do Sul, pelo processo tradicional de maceração carbônica, onde a grosso modo as uvas são fermentadas inteiras (nos próprios cachos) dentro dos tanques. É um tinto alegre, que deve ser degustado gelado. O Miolo Gamay tem estrutura leve, com características para ser consumido jovem, de preferência no mesmo ano da elaboração, ou seja, corre que ainda dá tempo! 😉

 

Anúncios

Tintos leves para dias quentes

Illustration: Jenny Bowman

Verdade seja dita: com este calorão, dificilmente a primeira opção de bebida que vêm à mente é vinho. A cerveja e a caipirinha são opções incontestáveis em dias quentes – mesmo com tantas opções de brancos, rosés e espumantes leves e refrescantes. Curiosamente, o vinho tinto continua sendo o campeão da preferência nacional, independentemente da estação. O nosso paladar – orientado para uma culinária quente, rica em aromas e sabores, para o doce e encorpado – ajuda a explicar a popularidade dos tintos. Vale lembrar que Recife é atualmente um dos maiores mercados consumidores de uísque, mesmo com uma temperatura nada convidativa para este estilo de bebida. Assim, os tintos acabam sendo a escolha automática e a opção mais segura para acertar o paladar.
 Não dá para ignorar a preferência nacional pelos tintos. Mas vale deixar algumas dicas sobre como escolher as opções mais leves e refrescantes, indicadas para a gastronomia mais leve do verão. Estou falando de vinhos menos alcoólicos, mais frutados, ligeiros, com boa acidez e sem ou com breve passagem por madeira. 
 Para encontrar vinhos com essas características – que infelizmente não estão escritas no rótulo – o primeiro passo é identificar a uva e a região de produção. O Beaujolais, francês elaborado coma uva gamay, é uma boa pedida. É uma bebida leve, com boa acidez, poucos taninos no paladar e bastante aroma de frutas frescas.
 Também é possível encontrar vinhos tintos nacionais com a mesma uva, bem corretos e agradáveis.Os italianos feitos na Toscana com a clássica Sangiovese são conhecidos pela boa acidez e pelos aromas frutados, com um toque floral, bem delicados. Os tintos elaborados com a uva Pinot Noir também são escolhas seguras. Eles têm coloração mais clara e taninos sutis, mas que podem variar de estilo dependendo da região.
Os Pinot Noirs do Vale de Casablanca (Chile), os da Patagônia (Argentina) e os da Nova Zelândia não desapontam.Deixe de lado os tintos potentes, alcoólicos e amadeirados para experimentar opções mais leves, jovens e refrescantes. Abaixo vão algumas opções para você conhecer neste verão – e quem sabe continuar no resto do ano?

Beaujolais

  • Beaujolais Villages Château de Montmelas (Casa Santa Luzia, R$ 43,00): Boa opção para conhecer a uva Gamay, típica de Beaujolais. Aromas de frutas vermelhas frescas, boa acidez e delicado no paladar. Para ser servido bem fresco, entre 10-12°C.

Miolo

  • Miolo Gamay (Pão de Açúcar, R$ 36,27): Versão nacional dos Gamays de Beaujolais, segue o estilo de leveza e frescor. O preço é bem amigo.

La Vieille Ferme

  • La Vieille Ferme Rouge (World Wine, R$ 53,80): Tinto elaborado na região do Rhône (França), com as uvas Grenache Noir, Syrah, Carignan e Cinsault. Com breve passagem por madeira, tem aromas de frutas mais maduras e é bem macio no paladar.

Yealands

  • Yealands Way Pinot Noir (Extra, R$ 57,65): A Nova Zelândia destaca-se pelos seus tintos feitos com a uva Pinot Noir. Um rótulo que representa fielmente o estilo de vinhos do país.

Novas

  • Novas Gran Reserva Pinot Noir (Extra, R$ 58,70): É produzido pela vinícola Emiliana (Chile), no Valle de Casablanca, uma das melhores regiões para o cultivo da Pinot Noir. Tem aromas de cereja, framboesa e morango, com toques adocicados de cacau.

Já escolheu o vinho do Natal?

tintos-natal-1Fato: dezembro é um mês corrido. Ninguém tem tempo para nada,  mas todo mundo faz questão de passar o Natal com amigos e familiares ao redor de uma mesa saborosa. Procurando receitas típicas desta data para publicar aqui, encontrei no delicioso site Panelinha, o ótimo e-livro Receitas de Natal em PDF , disponível aqui para download (yéah!). São mais de 50 receitas, testadas e fotografadas, distribuídas em 7 opções de menu.

Depois de escolher as suas receitas preferidas, quais vinhos selecionar para este festival gastronômico, marcados por fartura e sabores variados? E se você quiser apenas celebrar a sua ceia sem complicações, abrindo garrafas de um mesmo vinho e sendo feliz?  Neste caso, vá de tintos leves, com bastante fruta e poucos taninos, que possam ser servidos mais frios nestes dias de calor implacável. Vinhos feitos com as uvas Gamay e Pinot Noir, por exemplo, são ótimas escolhas para esta situação.  Confira aqui uma seleção de vinhos que se encaixam neste perfil e não decepcionam:

Castillo di Molina Pinot Noir, Chile (Sup. Sonda, R$ 33,89)

Cefiro Casablanca Pinot Noir, Chile (Imigrantes bebidas, R$ 41,99)

Salton Gamay 2012, Brasil (Varanda Delivery, R$ 31,10)