Vinho 365 | #25 – De Martino Nuevo Mundo

De Martino NVDe Martino Nuevo Mundo , Chile (Imp. Decanter, R$ 55,60)

A De Martino é uma das vinícolas mais interessantes do Chile. Fundada em 1934 por imigrantes italianos, está estabelecida em Isla Del Maipo, atualmente na terceira geração da família e que conta com o perfeccionista enólogo Marcelo Retamal, eleito enólogo do ano 2004 no Guia de Vinos de Chile.

A linha “Nuevo Mundo” é elaborado a partir de uvas cultivadas de forma orgânica sustentável, no vale do Maipo, no Chile. Além disso, é proveniente da primeira vinha do mundo a gerar bônus de carbono e incorpora práticas sustentáveis no manejo do vinhedo, redução do consumo de água em irrigação e produção, diminuição de emissões de CO2 geradas por compostagem própria, entre outras ações que respeitam o meio ambiente.

Filosofia da vinícola, que valoriza vinhos que refletem suas origens

 

Além disso, o rótulo é lindo e já atrai o interesse no consumidor de imediato! A primeira impressão já é boa, e o vinho segue surpreendendo. Coloração intensa, tem aromas agradáveis de cassis e amoras maduras, tabaco e uma refrescante nota de menta. Estruturado, com taninos firmes e maduros aliados a uma excelente acidez. Madeira na medida, apenas 30% do vinho amadurece em barricas de carvalho francês, por poucos meses. Combina bem com carré de cordeiro, carnes como fraldinha assada na brasa e pratos suculentos.

 

Anúncios

Bruschettas + vinho

A parceria bruschetta e vinho é certeza de sucesso! Este típico antepasto italiano feito com pão levemente tostado, azeite, alho e cobertura variada é versátil e perfeito para receber os amigos. Encontrei novamente no site vamos receber três receitas de bruschettas deliciosas: de tomate com manjericão, de shitake com queijo brie e de abobrinha com queijo de cabra e mel. Aproveite para preparar estas receitas super fáceis no final de semana, harmonizadas com uma das sugestões indicadas por aqui! 😉

Bruschetta de Tomate com manjericão

bruschetta tomate

Modo de Preparo (1 tomate para cada fatia de pão):

1. Corte o pão italiano em fatias. Mais ou menos na grossura de um dedo.

2. Corte os tomates em 4 partes.

3. Com o dedo, retire a semente.

4. Corte os tomates em cubos.

5. Pique os tomates

6. Em uma panela, aqueça o azeite levemente. Refogue o alho e depois os tomates, por aproximadamente 2 minutos. Não pode deixar o tomate virar molho. Esse passo evita que o tomate caia do pão no momento de servir.

7. Coloque um pouco de azeite no pão.

8. Adicione o tomate, o manjericão e um pouco de sal. Leve ao forno pré-aquecido a 10 minutos a 180 graus e deixe por 5 minutos (tempo do pão dourar).

 

Bruschetta de Shitake com Queijo Brie

bruschetta shitake

 Modo de Preparo (a quantidade sugerida serve 4 pessoas): 

1. Corte o pão italiano em fatias. Mais ou menos na grossura de um dedo.

2. Retire o talo do Shitake.

3. Em uma frigideira, aqueça levemente o azeite.

4. Adicione o Shitake e doure-o dos dois lados.

5. Coloque um pouco de azeite no pão.

6. Adicione o shitake e, depois, o queijo brie. Leve ao forno pré-aquecido a 10 minutos a 180 graus e deixe por 5 minutos (tempo de derreter o queijo e o pão dourar).

 

Bruschetta de Abobrinha com queijo de cabra

bruschetta abobrinha

Modo de Preparo  (a quantidade sugerida serve 4 pessoas): : 

1. Corte o pão italiano em fatias. Mais ou menos na grossura de um dedo.

2. Corte a abobrinha em fatias.

3. Em uma frigideira, aqueça levemente o azeite.

4. Adicione a abobrinha e doure-a dos dois lados.

5. Coloque um pouco de azeite no pão.

6. Adicione a abobrinha.

7. Amasse levemente o queijo de cabra e coloque-o no pão.

8. Adicione o mel. Leve ao forno pré-aquecido a 10 minutos a 180 graus e deixe por 5 minutos (tempo de derreter o queijo e o pão dourar).

 

Gostou? Escolha então um destes vinhos fáceis para acompanhar:

  • MontadoMontado Branco, Portugal (Sup. Extra, R$ 30,35): Elaborado pelo produtor José Maria da Fonseca com as curiosas uvas Alva, Tamarez, Rabo de ovelha na região do Alentejo, é bem leve e com boa acidez, um coringa para acompanhar comidinhas variadas.

 

  • De Martino ChardonnayDe Martino Chardonnay Estate Reserva (Imp. Decanter, R$ 45,10): Para os apreciadores de Chardonnay, este da De Martino é bem equilibrado, com aromas agradáveis de maçã e leve toque amanteigado. Ideal com aperitivos a base de queijos.

 

  • Las Moras Shiraz RoséLas Moras Shiraz Rosé (Imp. Decanter, R$ 33,10): Rosé elaborado na argentina com a uva Shiraz, tem aromas delicados de morangos frescos, floral e de especiarias. De bom corpo, vibrante e equilibrado. Sempre uma boa opção para abrir em dias mais quentes e com aperitivos leves.

 

  • Santa CristinaSanta Cristina Toscana IGT, Itália (Sup. Extra, R$ 48,20): Tinto elaborado na Toscana com 60% Sangiovese e 40% entre Cabernet Sauvignon, Merlot e Syrah, passa por um breve amadurecimento em barricas de carvalho para conferir um pouco mais de estrutura. Um dos italianos mais vendidos por aqui.

 

  • Arrogant FrogArrogant Frog Tutti Frutti Rouge, França (Imp. Decanter, R$ 51,90): Tinto francês de grande aceitação no mercado brasileiro, vai na contramão do que se imagina de vinho francês: fácil, frutado e acessível, é elaborado com as uvas Cabernet Franc, Cabernet Sauvignon, Grenache, Merlot, Mourvèdre e Syrah. Ufa! A miscelânea funciona bem e também é sucesso para acompanhar finger foods.

 

 

 

 

 

Vinhos que cabem no bolso

menu_178_outubro-235x300Boas matérias merecem ser compartilhadas, principalmente quando o tema refere-se a dicas de boas compras. Melhor ainda se estes achados forem vinhos até R$ 60,00, indicados por quem entende do assunto.  Folheando a revista Menu de Outubro li, reli e concordei com as observações da matéria “Vinhos que cabem no bolso”, escrito pela Suzana Barelli e Manuel Luz.

Como o artigo tem tudo a ver com o tema deste blog, recomendo sem medo a leitura. Destaco aqui alguns trechos e 5 rótulos (de uma seleção de 19) com preço máximo de R$ 65, todos provados às cegas pela equipe de sommeliers convidados da revista:

“A valorização do dólar frente ao real e o reajuste da ST, imposto que muda a incidência do ICMS no vinho, caíram como uma bomba em nosso mercado em setembro. O reajuste médio de 10% só não foi maior porque as vendas não andam nada boas.

Para responder a esta indagação, a Menu colocou um teto de R$ 65 e foi atrás de rótulos que, teoricamente, têm qualidade nessa faixa de preço. Vasculhamos nossos cadernos de degustação e perguntamos para as importadoras quais tintos, em seu portfólio, poderiam ser considerados bons custos-benefícios dentro desse valor estabelecido. A maioria das respostas indicava vinhos chilenos, argentinos ou portugueses, não por acaso os mais procurados pelos consumidores quando o assunto é preço, mas também uma bebida bem-feita, com qualidade”:

 

De Martino

Syrah Reserva 347 Vineyards 2011 – Maipo, Chile (Decanter, R$ 55,60): Uvas da região do Maipo dão origem a este tinto de cor rubi violácea da De Martino. No nariz, aromas de frutas vermelhas maduras na medida certa, um toque de goiaba, que revela sua origem, e especiarias. De corpo leve para mediano, tem taninos redondos, bem moldados, com leve toque de álcool a mais. Tem 13,5% de álcool.

 

Ilógico

Ilógico 2009 – Alentejo, Portugal (Viníssimo, R$ 40,37): O enólogo Antônio Saramago elabora este tinto com aragonês e syrah, com rápida passagem em barricas de carvalho (três meses). Tem cor rubi clara, de boa transparência. Seus aromas, mais maduros, trazem notas de envelhecimento, com pouca fruta, e chocolate amargo. Agradável no paladar, com taninos bem mesclados com seu corpo de média intensidade, e um toque mineral. Tem 13,5% de álcool.

 

gsm

GSM J.V.Fleury 2011 – Rhône, França (Ravin, R$ 65,00): Tinto da Vidal Fleury, considerada a vinícola mais antiga em atividade em Côte-Rôtie, desde 1781, é elaborado com 50% de garnacha, 30% de syrah e 20% de mourvèdre. Tem cor rubi de média intensidade, com aromas de frutas vermelhas, baunilha e algo herbáceo. No paladar, é marcado por seus taninos intensos, que encobrem sua acidez. Tem 13,5% de álcool.

 

Borsao

Borsao Selección 2012 – Campo de Borja, Espanha (World Wine, R$ 52,90): Antiga cooperativa transformada em vinícola em 2001, a Borsao elabora este tinto que já foi definido como bom exemplo de custo-benefício pelo crítico Robert Parker. Sua base é garnacha mesclada com tempranillo e cabernet sauvignon. Tem cor rubi violácea, com aromas de frutas escuras, como ameixas e amoras, e algo herbáceo. Tem corpo médio para encorpado, com taninos marcados e baixa acidez. Tem 14,5% de álcool.

 

haras

Haras de Pirque Carmenére Reserva 2011 – Maipo, Chile (Winebrands, R$ 51,00): De cor rubi violácea, tem um improvável aroma de vinho branco, com notas de goiaba branca, erva doce e especiarias. No paladar, corpo de média intensidade, com tanino secante, boa persistência e leve amargor final. Tem 14% de álcool.

 

Balance

Balance Pinotage Winemakers Selection 2011 – Western Cape, África do Sul (Qual Vinho, R$ 55,00): De cor rubi de média intensidade, o representante da África do Sul é elaborado apenas com a pinotage. Tem aromas frutados, com notas de cereja, e algo de ervas de provence. Leve e redondo no paladar, com taninos macios, baixa acidez e uma sensação de demi-sec na boca. Tem 14% de álcool.