10 vinhos abaixo de 80,00 para a Páscoa

Ao que tudo indica, este ano a Páscoa seguirá diferente – a orientação permanece sendo para ficar em casa. Sim, fique em casa na sexta-feira Santa e até no domingo de Páscoa – não precisamos dar sorte ao azar. Vamos aproveitar o momento para nos conectar com o que é importante – e ficar juntos, mesmo que, fisicamente, seja à distância.

Por que não preparar uma receita especial e enviar com uma garrafa de vinho para os familiares mais próximos? Além de ser simbólico nesta data religiosa, o almoço de Páscoa pode ficar ainda mais saboroso e acolhedor graças à combinação do vinho certo com as receitas típicas da ocasião. A escolha do vinho deve levar em consideração os estilos que evidenciem e valorizem o sabor desses alimentos.

bacalhau, estrela do cardápio, é um peixe de sabor intenso e a combinação perfeita com o vinho dependerá muito da maneira como será preparado. Nas receitas com leite de coco ou cremes, os brancos são mais indicados, especialmente os Chardonnays encorpados e com passagem por carvalho. Quando assado com legumes, os tintos de corpo médio são ideais, já que seus taninos sutis não conflitam com o salgado do peixe.

Caso prefira peixes mais delicados, como o salmão, opte pelos vinhos rosados ou tintos leves, especialmente Pinot Noir. Já o linguado pode ser acompanhado por brancos de uvas Sauvignon Blanc ou até mesmo espumantes como os Bruts nacionais ou Prosecco.

Além do bacalhau, na Páscoa brilham também os chocolates e patisserie, como as colombas. Nesse caso, os vinhos do Porto são imbatíveis, com doçura e álcool na medida certa para valorizar o sabor do doce mais amado do mundo. Brancos doces ou espumantes acompanham muito bem os doces leves e fecham com maestria uma refeição gostosa e afetiva, como um abraço de vó.

Confira uma seleção garimpada com o que há de melhor nesta faixa de preço para acompanhar estas delícias de Páscoa:

Para começar a refeição:

Wave Rosato IGT (Vivavinho, de R$ 69,90 por R$ 49,90) Rosé italiano elaborado com as uvas Nerello Mascale e Syrah, é super leve e refrescante, ideal para abrir o almoço de Páscoa. Vai bem com os petiscos diversos que pede a ocasião.

Vila Nova Vinho Verde (Vivavinho, de R$ 89,90 por R$ 69,90) Vinho verde é um clássico para a Páscoa. Há diversos estilos, para todos os bolsos e ocasiões – os mais caros, elaborados com a uva Alvarinho, são ótimos para acompanhar pratos com bacalhau. Para começar a refeição, este aqui é mais leve e versátil: elaborado com as uvas Arinto, Avesso, Loureiro, é fresco, com notas de frutas cítricas, florais e acidez bem presente.

Manto Blanco Viognier (Carrefour, R$ 38,50) Vinho chileno da completa Luis Felipe Edwards, é elaborado com a Viognier – uva branca com um pouco mais de corpo e estrutura e aromas delicados de damasco, pêssego e flores. Bem legal para começar a refeição

Para acompanhar o bacalhau:

Morgado de silgueiros branco (Mambo, R$ 54,90) Branco interessante de Portugal, é um blend de Encruzado e Malvasia-Fina, uvas típicas do Dão. Na boca é fresco, equilibrado, com boa estrutura e persistência. Um coringa de ótimo custo benefício que recomendo sempre que possível.

Morgado De Silgueiros Tinto (La Pastina, de R$ 66,00 por R$ 56,10) Aqui também cabe esta versão, para os que não abrem mão de vinhos tintos na refeição – elaborado com castas tradicionais portuguesas, cultivadas no coração do Dão, em Silgueiros. Surpreende por seu equilíbrio, frescor e taninos redondos, que não conflitam com o salgado do prato.

Cono Sur Bicicleta Reserva Chardonnay (La Pastina, R$ 69,00) Um clássico do Chile dentro da categoria de bom custo-benefício. A bicicleta simboliza para a vinícola Cono Sur o espírito da bravura de seus colaboradores, que a utilizam para chegar até a vinícola. Ela também faz menção à agricultura sustentável (sem fertilizantes químicos e emissão de carbono) que utilizam para condução do vinhedo. Chardonnay com boa tipicidade, tem aromas de frutas tropicais, como abacaxi, e uma nota amanteigada típica da casta.

Casillero del Diablo Pedro Jimenez (Pão de Açúcar, R$ 79,99) Este aqui é um achado, muito interessante dentro desta faixa de preço. A Pedro Jimenez é uma uva que vem ganhando espaço no Chile, e é uma alegria encontrar esta variedade amplamente distribuída pela Concha y Toro. Um vinho que se destaca pelos aromas cítricos, bem fresco, que remete a limão. Paladar de corpo médio, com ótima acidez e este finalzinho cítrico encontrado no nariz. Maravilhoso para pescados e frutos do mar.

Para fechar o almoço:

Mancura Etnia Moscato (Grand Cru, R$ 52,90) Aqui um docinho do Chile pra alegrar a vida e fechar a refeição feliz. Leve, delicado e muito perfumado, com doçura na medida para não enjoar.

Norton Cosecha Tardia Tinto (St. Marche, R$ 65,00). Fugindo do tradicional vinho do Porto, este tinto doce é elaborado com a uva Merlot colhidas além da sua maturação. Aromas típicos da Merlot, como frutas vermelhas maduras e algo de geléia. Baixa graduação alcoólica pode beber mais fresco.

Espumante  CLUB DES SOMMELIERS Moscatel (Pão de Açúcar, R$ 32,49) Espumante da linha Club des Sommeliers, é elaborado pela Salton com a uva Moscatel – estilo de espumante doce, leve e refrescante, um hit no Brasil. Aromas delicados de flores brancas, frutas cítricas e uma nota de pêssego. Muito gostoso para abrir ou fechar o almoço de família

Vinhos verdes, a cara do verão

Leve, fresco, jovem e deliciosamente aromático, o Vinho Verde adequa-se a todos os tipos de ocasião.

E se o nosso mundo fosse mais fresco? Menos sério, menos calculista, mais leve, mais espontâneo. Este é o desafio lançado pelo Vinho Verde: transformar o nosso mundo num lugar mais refrescante onde a leveza e a alegria existem em abundância.

imagem-vinho-verde (1)

Sucesso na década de 70 e até hoje considerado sinônimo de vinho português, o Vinho Verde evoluiu, ganhou força mas permanece como uma excelente opção para acompanhar dias quentes e refeições leves.

Localizada ao Noroeste de Portugal, a Região dos Vinhos Verdes é considerada uma das maiores e mais antigas regiões vitivinícolas do mundo. Movimenta milhares de produtores, produzindo vinhos sob a denominação de origem Vinho Verde, considerados únicos no mundo.

O termo “Vinho Verde” remete às características naturais da região que o produz, densamente verdejante, mas também para o próprio perfil do vinho, que pelo seu frescor e leveza se diz verde em alusão à sua juventude e por oposição a outros vinhos mais complexos e encorpados. Portanto, há opções de vinhos verdes brancos, rosés, tintos e até espumantes.

Certamente o Vinho Verde de hoje não é o mesmo de uma década atrás, em resultado do investimento da Região dos Vinhos Verdes em novas vinhas, uma nova geração de enólogos e a profissionalização de toda a cadeia produtiva. Frescos e exuberantes, os vinhos verdes costumam ser muito equilibrados e alguns, como o Vinho Verde Alvarinho, mostram um notável potencial de envelhecimento.

Os sabores que são loucos por vinhos verdes:

 O Vinho Verde é uma bebida naturalmente leve e refrescante. Medianamente alcoólico, de baixas calorias, é ideal para quem procura momentos descontraídos e um estilo de vida saudável. Os Vinhos Verdes Brancos são aromáticos e ideias para acompanhar saladas, mariscos, peixes, carnes de aves e gastronomia oriental. São o casamento perfeito para mexilhões gratinados, Salada de Cogumelos Frescos, Salmão defumado, Dourado Grelhada, Robalo ao Forno, Polvo Assado, Peito de Pato e Sushi, entre outros pratos orientais. Perfeito também como aperitivo.

Boas opções disponíveis no mercado:03 - Artefacto

  • Artefacto Vinho Verde 2014 (com, R$ 49,00): Um branco que representa perfeitamente o estilo dos vinhos verdes, com seu frescor marcante, paladar leve e aromas de frutas cítricas.

 

04 - Solar das Bouças

  • Solar das Bouças Loureiro Vinho Verde 2013 (com, R$ 50,00): Levemente frisante, Solar das Bouças Loureiro é elaborado por uma das principais vinícolas da região de Vinho Verde, que detém uma das áreas vitivinícolas mais antigas de Portugal. Destaca-se pelos aromas de maçã verde e limão, bem leve e refrescante.

 05 - Eira dos Mouros

  • Eira dos Mouros (Pão de Açúcar, R$ 29,90): Destaca-se de imediato pelos aromas intensos de frutas cítricas. Leve frisante no paladar, bem fresco e delicado.

 

07 - Anselmo Mendes Muros Antigos

  • Anselmo Mendes Muros Antigos Escolha 2014 (Decanter,  R$ 86,80): Elaborado com as uvas Loureiro, Avesso e Alvarinho, tem aromas muito puros de frutas cítricas, notas herbáceas e minerais. Ótima textura na boca, fresco e muito persistente. Perfeito com queijo Saint-maure ou Chabichou.

 

06 - Aveleda

  • Quinta da Aveleda( Extra, R$ 60,90): Elaborado pela Aveleda, empresa familiar que há mais de três séculos se dedica à cultura do vinho na região dos vinhos verdes. Um dos meus preferidos do painel, tem aromas frescos, evidenciando a presença de frutos cítricos e ligeiras notas florais.

O vinho do peru

Um dos maiores desafios durante os preparativos da ceia de Natal é escolher os vinhos que harmonizem com o tradicional peru, entre todos os demais  pratos típicos desta data. Para facilitar este momento, confira algumas opções interessantes para acompanhar as principais delícias natalinas:

Para as entradas, como castanhas, nozes e saladas de maionese:

Para os aperitivos, como as castanhas, nozes, amêndoas e a famosa maionese de Natal, prefira os espumantes brut ou brancos leves com boa acidez, que ajudam a amenizar a sensação de gordura no paladar:

1) Gato Negro Sauvignon Blanc, Chile (Imigrantes Bebidas, R$16,99)

2) Freixenet Tournée Brut, Espanha (Imigrantes Bebidas, R$20,99)

3) Orvietto Docg Piccini, Itália (Imp. Vinci, R$30,25)

4) Andeluna Torrontés, Argentina (Imp. World Wine, R$36,00)

5) Mionetto Vivo Rosé, Itália (Imp. World Wine, R$48,00)

Para acompanhar os peixes e crustáceos:

Para este que é um dos pratos mais tradicionais na ceia de final de ano, os vinhos brancos são a companhia ideal, uma vez que os taninos do vinho tinto podem torná-lo metalizado quando combinados com o sabor marcante e o toque iodado dos pescados. Alguns tintos leves, por outro lado, podem acompanhar perfeitamente peixes com sabores mais intensos. Peixes mais gordurosos vão bem com um vinho com maior acidez, como os brancos elaborados com  Sauvignon Blanc:

1) Luis Felipe Edwards Chardonnay, Chile (Pão de Açúcar, R$19,15)

2) Robertson Chenin Blanc, África do Sul (Imp. Vinci, R$25,18)

3) Altas Cumbres Viognier, Argentina (Pão de Açúcar, R$29,00)

4) Urban Sauvignon Blanc, Argentina (Imp. Vinci, R$29,57)

5) Rio Bio Reserva Pinot Noir, Chile (Imp. Expand, R$39,80)

Para acompanhar pratos à base de bacalhau:

O bacalhau faz parte de diversas datas comemorativas, reflexo da herança cultural deixada pelos nossos amigos portugueses. Tradicionalmente assado em postas, desfiado com batatas ou somente preparado com azeite, pede vinhos brancos mais encorpados, tintos com boa acidez ou tintos mais envelhecidos, já com os taninos bem macios:

1) Grandjó Douro Branco, Portugal (Imigrantes Bebidas, R$24,99)

2) Aurora Reserva Chardonnay, Brasil (Imigrantes Bebidas, R$28,99)

3) Terrazas Alto Chardonnay, Chile (Imigrantes Bebidas, R$33,99)

4) Viña Borgia, Espanha (Imp. World Wine, R$35,00)

5) Rio de los Pájaros Pinot Noir, Uruguai (Imp. Mistral, R$39,71)

Para acompanhar Peru e Chester:

Peru e Chester são aves de carne macia e delicada, que pedem tintos de médio corpo ou brancos mais estruturados. Como esta época do ano é marcada pelas altas temperaturas, os vinhos rosés também são uma ótima alternativa para acompanhar estas delícias natalinas:

1) Petirrojo Merlot, Argentina (Imp. World Wine, R$28,00)

2) Crios Rosé Malbec, Argentina (Imigrantes Bebidas, R$29,99)

3) Duetto Casa Valduga Sangiovese/Barbera, Brasil (Imigrantes Bebidas, R$33,99)

4) Catamayor Viognier Reserva, Uruguai (Imp. World Wine, R$42,00)

5) Château Bel Air, França (Imp. Mistral, R$46,47)

Para acompanhar Tender:

O tender, presença obrigatória nas festas de fim de ano, é muito saboroso e caracteriza-se pelo toque defumado. Na maioria das vezes, o molho do tender é doce, combinando melhor com um tinto leve e cheio de fruta:

1) Tilia Merlot, Argentina (Imp. Vinci, R$26,87)

2) Altosur Merlot, Argentina (Imp. Word Wine, R$29,00)

3) Urban Uco Tempranillo, Argentina (Imp. Vinci, R$37,01)

4) La Vieille Ferme Rouge, França (Imp. World Wine, R$45,00)

5) Poggiotondo IGT Toscana Rosso, Itália (Imp. World Wine, R$48,00)

Para acompanhar Pernil e Leitão

Muito saborosas, os cortes suínos geralmente pedem vinhos tintos mais estruturados, rico em taninos e com boa acidez, para contrapor a gordura. A exceção fica com o lombo e as carnes mais claras, que combinam muito bem com diversas opções de brancos:

1) Tarapacá Cosecha Malbec, Argentina (Imigrantes Bebidas, R$17,99)

2) Postales Del Fin Del Mundo Malbec/Shiraz, Argentina (Imigrantes Bebidas, R$28,99)

3) Château Los Boldos Cabernet Tradition, Chile (Imp. World Wine, R$33,00)

4) Armador Carmenère, Chile (Imp. World Wine, R$39,00)

5) Cusumano Syrah, Itália (Imigrantes Bebidas, R$43,99)

Para acompanhar o doce Panettone, o bolo de reis e a rabanada:

O Panettone nasceu na Itália e é indispensável nas festas de fim de ano, em diversos  países do mundo. Trazido ao Brasil por imigrantes Italianos durante a Segunda Guerra Mundial, é tradicionalmente feito com frutas cristalizadas e uvas-passas, mas já é possível encontrar inúmeras variações, igualmente deliciosas. A melhor opção para acompanhar o Panettone (e os demais doces similares) são os vinhos delicados e levemente doces, como o Moscato d´Asti ou vinhos leves de colheita tardia. Já a rabanada, por ser bastante doce, pede vinhos de sobremesa bem ricos, com bastante açúcar residual, como os vinhos do Porto:

1) Espumante Salton Moscatel, Brasil (Imigrantes Bebidas, R$19,99)

2) Tarapacá Late Harvest, Chile (Imigrantes Bebidas, R$29,99)

3) Porto Messias Ruby, Portugal (Imigrantes Bebidas, R$37,99)

4) Valdouro Tawny, Portugal (Imigrantes Bebidas, R$41,99)

5) Batasiolo Moscato D’Asti (Imigrantes Bebidas, R$43,99)