Sabores portugueses

20 fev

sabores-portugueses-resPoucos sabem mas 2013 é o Ano Brasil Portugal, um evento que dá sequência a uma série de celebrações do Brasil com países diretamente ligados à sua história, seja como colonizador, no caso do irmão lusitano, ou como imigrantes que aqui se instalaram e criaram raízes definitivas.

E, quando o assunto é Portugal, é inevitável abordar sua deliciosa e rica gama de vinhos. Portugal é um dos mais tradicionais produtores de vinhos, e embora tenha sofrido as mesmas influências que França e Itália, demorou a apresentar qualidade comparável a seus vizinhos. Lembrado pelos seus incríveis vinhos do Porto, o país também é reconhecido pela incomparável variedade de uvas autóctones.

De nomes muitas vezes curiosos, como Tinta Cão, Bastardo e Amor-Não-Me-Deixes, grande parte dessas uvas são usadas em pequenas parcelas, para conferir aos vinhos sabores e sensações diferenciadas. E é justamente aí que Portugal tem sua particularidade. Ao implementar tecnologia de ponta para produção de vinhos, o país conseguiu explorar o melhor potencial de suas uvas autóctones, criando vinhos de caráter único.

Em um período que o estilo de vinho está cada vez mais uniforme, é sempre bom ter à taça a autenticidade e diversidade do vinho português. Em homenagem a esta bela parceria, confira as 10 grandes castas portuguesas e em quais vinhos encontrá-las:

Brancas:

  • Fernão Pires (Maria Gomes): A uva branca mais plantada em Portugal, também conhecida por Maria Gomes. Destaque na Bairrada e no Tejo, onde dá origem a vinhos muito aromáticos, principalmente de frutas cítricas e notas florais.
  • Encruzado: Uva branca encontrada no Dão, tem ótimo equilíbrio entre acidez e doçura e boa capacidade de envelhecimento.
  • Alvarinho: Referência de vinho branco português, é a uva predominante dos Vinhos Verdes. Destaque para aromas de frutas brancas, como pêssego e maçã, frutas tropicais, como maracujá, e notas de jasmim e flor de laranjeira
  • Arinto (Pedernã): Destaque na região de Bucelas, diferencia-se pela acidez marcante e pela possibilidade de se adaptar a diferentes terroirs. Aromas de limão, maçã verde e nuances minerais.

TINTAS:

  • Baga: Símbolo da Bairrada, origina vinhos de cor profunda e bastante longevos. Aromas de frutas silvestres, ameixa preta, notas tostadas e defumadas.
  • Castelão: Uva base do mais antigo vinho português, o Periquita. Origina vinhos versáteis, encorpados e longevos. Aromas de frutas vermelhas e notas florais.
  • Touriga Franca: Uva que dá origem a vinhos estruturados, elegantes e concentrados. Estrela entre vinhos do Douro e do Porto, permite o envelhecimento. Aromas de frutas silvestres e notas florais.
  • Touriga Nacional: Casta tinta e rainha dos vinhos portugueses, muito presente em vinhos varietais. Aromas florais, ameixas, amora, mirtilos e notas cítricas.
  • Trincadeira (Tinta Amarela): Muito usada nos tintos do Alentejo, ajuda a conferir estrutura e longevidade aos vinhos, sem perder a elegância. Aromas iniciais herbáceos que evoluem para compotas e especiarias.
  • Tinta Roriz (Aragonês): Plantada há séculos no Alentejo, indispensável nos vinhos do Porto e estrelas em famosos blends, como o Barca Velha. Assume ainda a designação Tinta Roriz. Aromas de flores e especiarias.

Agora que você já sabe sobre as uvas típicas da terrinha, confira uma seleção de vinhos para  entender de perto cada uma delas:

Varanda do Conde, Minho (Imigrantes Bebidas, R$ 36,99):

Vinho verde bem conhecido no mercado, tem aromas sutis de frutas tropicais, bastante delicado. Fresco e equilibrado, resultado da excelente combinação das castas Alvarinho e Trajadura.

Rapariga da Quinta, Alentejo (wine.com, R$ 35,00)

Tinto produzido no Alentejo pelo excelente produtor Luis Duarte com as uvas Aragones, Trincadeira e Touriga Nacional. Destaque para os aromas de frutas vermelhas maduras, leves notas de especiarias e um toque de baunilha. Vinho moderno, com corpo médio, taninos elegantes e macios.

Caza da Lua, Douro (Pão de Açúcar, R$ 29,23)

Vinho elaborado pela Quinta Sá de Baixo com as variedades Touriga Franca, Tinta Roriz e Tinta Barroca, é macio e bem estruturado no paladar. Pode ser servido com pratos de carne em geral, massas e risotos com molhos mais intensos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: